Em formação

Fred Spiksley


Fred Spiksley nasceu em 25 de janeiro de 1870. Um talentoso jogador de futebol que jogou como junior no Gainsborough Jubilee Swifts. Na idade de 17 ele assinou com o Gainsborough Trinity na Midland League. Em sua segunda temporada no clube, Spiksley marcou 28 gols em 21 jogos. Ele também fez parte da equipe que ganhou a Lincolnshire F.A. Cup, a Gainsborough News Charity Cup e a Midland League.

Em 1891, Spiksley assinou contrato com a Sheffield Wednesday. No ano seguinte, o clube, então conhecido como quarta-feira, foi eleito para a Primeira Divisão da Liga de Futebol. Na temporada de 1892-93 o clube terminou na 12ª colocação e Spiksley foi o artilheiro com 18 gols em 31 jogos.

Em 13 de março de 1893, Spiksley conquistou sua primeira internacionalização jogando pela Inglaterra contra o País de Gales. Também estavam na equipe naquele dia Billy Bassett, Charlie Perry, Bob Holmes e John Goodall. Spiksley marcou dois gols na vitória da Inglaterra por 6-0. No mês seguinte, ele jogou a partida contra a Escócia. A Inglaterra venceu o jogo por 5 a 2 e mais uma vez Spiksley marcou dois gols.

O Sheffield Wednesday teve um sucesso moderado na Football League: 1893-94 (12º), 1894-95 (8º) e 1895-96 (7º). Depois de derrotar Sunderland (2-1), Everton (4-0) e Bolton Wanderers (3-1), o clube chegou à final da FA Cup de 1896. Spiksley marcou os dois gols na vitória de quarta-feira por 2 a 1 sobre o Wolverhampton Wanderers.

Spiksley conquistou sua última internacionalização contra a Escócia em 2 de abril de 1898. A equipe incluiu Steve Bloomer, Ernest Needham, William Athersmith e Gilbert O. Smith. A Inglaterra venceu por 3-1. No geral, Spiksley marcou cinco gols em sete jogos e nunca esteve do lado perdedor quando jogou pelo seu país.

O Sheffield Wednesday terminou em último lugar na Primeira Divisão da Football League na temporada de 1898-99. Spiksley marcou dez gols em 1899-1900 e ajudou seu clube a vencer o campeonato da Segunda Divisão.

Ernest Needham jogou com Spiksley e sua autobiografia ele apontou: "Spiksley, de Sheffield Wednesday ... adora driblar a bola para o canto e depois centrar, e raramente falha em colocar a bola na boca do gol para seu companheiro avança para passar. Ele tem cerca de dez pedras, mas o que lhe falta em peso ele compensa em velocidade. Ele pode jogar o jogo de combinação com perfeição, e posso afirmar isso em primeira mão, como sempre tive o prazer de jogando com ele. Quando ele se encontra em dificuldades, ele tentará dar a bola para alguém em melhor posição - uma forma de altruísmo que muitos jogadores bem conhecidos poderiam copiar. Em vez disso, muitos homens preferem perder a bola tentando para vencer um ou dois oponentes, do que dá-lo a um parceiro; não tão Spiksley. "

JAH Catton, o principal jornalista de futebol da época também era um grande fã de Spiksley: "O controle de Spiksley da bola, sua individualidade e sua coragem para um homem de estatura modesta, sem muito peso, eram incríveis ... Fred Spiksley sabia fazia quase tudo o que queria com os pés e era um atirador certeiro. Spiksley, como jogador de futebol, era uma maravilha. "

Frederick Wall, o presidente da Football Association, escreveu em 50 Years of Football que: "Sempre que o vi (Spiksley) ele jogou bem, mas nunca melhor do que em Richmond, pois ele marcou os três últimos gols em cerca de dez minutos. .. Conjuradores têm prestidigitação. Deixe-me variar a frase e dizer que Spiksley tinha prestidigitação. Ele fazia a maior parte de seus dribles com a parte externa do pé direito. Não gosto de fazer declarações abrangentes, mas nunca vi isso perfeitamente competente uma esquerda de fora como Spiksley, que não confiou no peso, ou mesmo na velocidade apenas, mas em sua habilidade e poder sobre a bola. "

Em 1902, Spiksley deixou Sheffield Wednesday. Durante um período de 11 anos, ele marcou 100 gols em 293 jogos do campeonato. Ele também marcou 14 gols em 28 partidas na Copa da Inglaterra. Spiksley também jogou pelo Glossop, Leeds City, Southend United e Watford antes de se aposentar do futebol profissional em 1906.

Em 1911, Spiksley foi nomeado treinador do AIK Stockholm. Depois que o clube conquistou o Campeonato Sueco, ele se tornou o técnico da seleção sueca. Spiksley também trabalhou com a TSV 1860 München e Nürnberg na Alemanha. Quando a Primeira Guerra Mundial estourou, Spiksley foi internado no Campo de Detenção de Ruhleben. Outros detidos incluíam Fred Pentland, John Cameron, Steve Bloomer e Sam Wolstenholme.

Após o Armistício, Spiksley continuou a treinar na Europa. Ele trabalhou na Espanha por três anos antes de passar algum tempo nos Estados Unidos e no México. Ele voltou para a Inglaterra em 1924 para se tornar treinador adjunto no Fulham. Em 1926, ele retornou à Alemanha e ajudou Nürnberg a ganhar o campeonato alemão de futebol em 1927.

Fred Spiksley morreu em Goodward em 28 de julho de 1948.

Quarta-feira estava com força total para a final, enquanto Tennant substituiu o lesionado William Rose no gol dos Wolves, para quem Richard Baugh e Harry Wood estavam fazendo sua terceira aparição na final da FA Cup.

A quarta-feira dominou os estágios iniciais da final, que resultou no gol de abertura, quando Fred Spiksley marcou um lançamento lateral de Archie Brash passado Tennant no gol dos Wanderers. O time de Wolverhampton logo estava em condições de igualdade, quando David Black interceptou um passe de Tom Crawshaw para colocar a bola ao lado do goleiro Jimmy Massey.

O time de Sheffield finalmente recuperou a liderança quando Harry Davis criou uma oportunidade de gol para Fred Spiksley, que mandou um tremendo chute para a rede dos Wanderers para seu segundo gol no jogo, enquanto Tom Crawshaw viu um chute acertar a trave na quarta-feira continuou a dominar os procedimentos. O Wanderers entrou mais no jogo durante as últimas fases da final, em busca do gol de empate. No entanto, o time de Yorkshire manteve a vitória por 2 a 1 quando o capitão da equipe, Jack Earp, recebeu orgulhosamente a nova FA Cup de Lord Kinnaird.

Spiksley, de Sheffield Wednesday ... Em vez disso, muitos homens preferem perder a bola tentando bater um ou dois adversários, do que dá-la a um parceiro; não tão Spiksley. Tenho ouvido muitas críticas dirigidas a ele porque espera que a bola seja lançada; mas quando você tem um jogador do estilo de Spiksley, esse método compensa. Quando ele pega a bola, ele está mais revigorado e rápido do que se tivesse trabalhado muito para buscá-la - provavelmente de perto de seu próprio gol.

Vou pular para 1892, quando Arthur Dunn liderou o campo em Ibrox um onze que deveriam ser presas prontas para os escoceses, mesmo que eles tivessem que chamar Wattie Arnott, que não estava apenas além de seu auge, mas com falta de prática e treinamento . Esse time inglês era chamado de "The Old Crocks". Suponho que tenha sido porque Arthur Dunn, o Old Etonian, que foi um dos dois avançados centrais contra a Irlanda em 1884, foi finalmente chamado novamente e entrou como lateral, por favor.

"The Old Crocks" consistia em George Toone, do condado de Notts, no gol, Arthur Dunn e "Bob" Holmes, de Preston, como zagueiros, John Reynolds (então de West Bromwich), Johnny Holt, aquele "diabinho de Everton" como Sam Widdowson o chamou, Alfred Shelton (Notts County) como zagueiros, com "Billy" Bassett e Johnnie Goodall na ala direita, Jack Southworth ("Skimmy") no centro e Edgar Chadwick e Dennis Hodgetts na esquerda. Por que os escoceses e os críticos chamam esse lote de "Old Crocks"? Os jornalistas escoceses os rotularam dessa maneira, e o triunfo da Escócia foi assegurado.

Na noite anterior à partida, os jogadores de ambas as equipes confraternizaram. Naquela época, eles não eram mantidos em acampamentos ou hotéis separados. Ah, sim, esses escoceses se gabavam abertamente do que iam fazer com esses "veteranos" ingleses (vide Bassett, então com cerca de 23 anos).

Sua confiança era ilimitada. Sandy McMahon ia dançar na areia em volta de Johnny Holt, carregar a bola na cabeça a partir da linha intermediária e colocá-la no gol e fazer todos os tipos de malabarismos maravilhosos. William Sellar iria marcar várias vezes, e Kelly, dos Celtas, iria colocar Southworth no bolso e abotoá-lo.

O que Bobby Burns disse sobre os melhores esquemas de ratos e homens? Aquele "diabinho" Johnny Holt estava "acabado" com McMahon; ele o escalou e por cima dele, trouxe-o de volta à terra e dançou na areia sobre ele.

Por vinte minutos, os escoceses não tocaram na bola e, em dezessete minutos, os "velhos crocodilos" da Inglaterra haviam marcado quatro gols, tão enganados estavam Kelly, Dan Doyle e Wattie Arnott.

Em dez segundos, a Inglaterra havia marcado. John Southworth deu o pontapé inicial e Goodall desviou a bola para Bassett, que desferiu um passe para a esquerda, Chadwick ganhou a posse, driblou Arnott e passou por McLeod, de Dumbarton, o guarda-redes. O truque estava feito e os escoceses nunca haviam jogado bola.

O "Old Crocks" deu uma exibição como eu nunca vi - antes ou depois. Esse não era o único objetivo perfeito em concepção, combinação e execução.

Esta foi uma exibição do jogo muito mais maravilhosa do que a do ano seguinte em Richmond, quando a Inglaterra venceu por 5-2. O Surrey Cricket Club sentiu-se compelido a recusar o uso do Oval, já que parte do campo de críquete havia sido refeito, e a partida foi levada para um campo de atletismo em Richmond, que era conhecido como um encontro de Rugby. O fósforo forneceu um esplêndido "portão".

Mas também forneceu o que é muito mais importante - um casamento esplêndido. A questão ficou em dúvida no segundo tempo, e achei que os escoceses iriam vencer. Como regra, meu interesse na questão de uma partida é insignificante, mas gosto de ver a vitória da Inglaterra nesta grande partida. A sensação é natural em um inglês.

A partida foi, no entanto, vencida por uma combinação rara e resistência invejável. A unidade da equipe não foi realmente desenvolvida até depois do intervalo, quando Bassett chutou cruzado para a esquerda repetidas vezes, e Spiksley (aliás, ele escreve seu nome sem um "e" no centro) marcou três gols em sucessão em cerca de dez minutos! Não me lembro de nenhum outro inglês executando "o hat-trick" contra a Escócia. Esses objetivos eram brilhantes.

Os escoceses protestaram alegando impedimento para o árbitro, que eu acho que era o Sr. J.C. Clegg, mas ele foi contra eles todas as vezes. Pareceu-me que os caledônios não estavam levando em conta a velocidade de Spiksley, que era muito mais rápido do que parecia, e um jogador digno de se classificar com Mosforth, Hodgetts ou qualquer outro de esquerda.

O controle da bola de Spiksley, sua individualidade e sua coragem para um homem de estatura modesta, sem muito peso, eram incríveis. Como Hodgetts, Fred Spiksley trabalhou a bola com a parte externa do pé direito. Na verdade, Fred Spiksley podia fazer quase tudo o que quisesse com qualquer um dos pés e era um atirador certeiro. Spiksley como jogador de futebol era uma maravilha.

Durante esta temporada de 1892-93, a Inglaterra venceu suas três partidas internacionais por um total de 17 gols a 3.

Já cinco destes gols foram marcados por F. Spiksley, do Sheffield Wednesday, incluindo três nesta partida em Richmond. Ele havia jogado contra o País de Gales menos de um mês antes da partida contra os escoceses, que declararam que ele era um "piloto regular". Que ele tinha uma velocidade extraordinária para um jovem de sua constituição, não há dúvida.

Devo dizer, nesta distância de tempo, que ele tinha cerca de 5 pés 8 polegadas, se tanto, e um peso leve. Há muito tempo, quando ele ainda estava jogando, Spiksley era referido como tendo o 11º peso. 71b. Eu deveria tirar duas pedras dessa estimativa, pois ele era um malandro elegante, elegante, esguio e seguro em tudo o que tentava fazer.

Um nativo de Gainsborough, ele jogou para o clube Trinity e foi daquela creche prolífica para Sheffield Wednesday. Um jogador de futebol nato, se é que alguma vez existiu, ele tinha a vantagem de jogar tanto em Gainsborough quanto em Sheffield com alguns escoceses que tinham a qualidade característica de seu controle de bola de corrida.

Assim, um jovem que pudesse usar qualquer um dos pés com igual facilidade tinha a vantagem de desenvolver seu dom ao máximo. Sempre que o via, ele jogava bem, mas nunca melhor do que em Richmond, pois marcou os três últimos gols em cerca de dez minutos. Não me lembro de nenhum outro inglês ter obtido três gols em uma partida contra a Escócia. Pode ter sido feito, mas se aconteceu antes, eu estava muito interessado nessas grandes partidas.

Os escoceses tentaram manter a bola longe de Spiksley, que tinha um parceiro tão inteligente como Edgar Chadwick, na lateral esquerda. É claro que todo o crédito por esses três gols não pode ir para Spiksley, pois Bassett fez passes longos e de muita precisão e, se Chadwick pegasse a bola, daria ao seu companheiro uma posição perfeita.

Spiksley estava tão alerta, tão apto a antecipar o próximo movimento e tão rápido que confundiu seus oponentes.

Os escoceses foram insistentes em seus apelos para o impedimento, mas Clegg, que foi o árbitro, considerou os gols legítimos. Claro, houve pessoas que não concordaram com ele. Esse tem sido o destino do árbitro em todas as épocas, mas, o Sr. Clegg, que não era apenas um árbitro bom e ousado, mas sempre confiou em seus próprios olhos, estava bem ciente da velocidade de Spiksley e de onde ele estava posicionado quando Bassett fez seu chute cruzado.

No momento em que a bola saiu da chuteira de Bassett, Spiksley disparou como um raio. Ele iria prender a bola com a direita e bater na rede com a esquerda. Parecia um movimento porque ele era muito rápido.

Conjuradores têm prestidigitação. Ele fez a maior parte de seus dribles com a parte externa do pé direito.

Não gosto de fazer declarações arrebatadoras, mas nunca vi uma esquerda de fora tão competente como Spiksley, que não confiasse apenas no peso, ou mesmo na velocidade, mas em sua habilidade e poder sobre a bola.

Quando sua carreira de jogador terminou, ele dedicou seu pensamento, experiência e energia ao ensino de futebol em todas as partes do mundo, do México a Mannheim, ou algum outro lugar na Alemanha.

Por dez anos ele jogou em partidas representativas para a F.A. e a Liga de Futebol, e nunca esteve do lado perdedor. Ele era o mascote da Inglaterra; ele não teve um sucessor e sua fortuna no campo não se apegou a ele em questões mais materiais, pois ele teve vários acidentes difíceis e foi um dos muitos para quem a guerra européia fez tanta diferença nas circunstâncias.


Fred Spiksley: primeira grande história da classe trabalhadora sobre futebol e # 8217s

Uma coisa que você pode dizer sobre o herói do futebol americano de Sheffield Wednesday & # 8217s Fred Spiksley é & # 8211 ele viveu uma vida fodida! Os jogadores de futebol eram feitos de coisas diferentes naquela época.

Jogo justo para as corujas de West Midlands pela organização deste evento. E porque está acontecendo em outubro, você não tem desculpas para não reservar uma passagem de trem cedo para erm, Birmingham. Parece uma história do futebol de rachar, algo que parece estar cada vez mais longe.

Evento:
Uma palestra ilustrada no final da tarde / início da noite por Mark Metcalf e Clive Nicholson contando a primeira grande história do futebol da classe trabalhadora. Os autores de Flying Over An Olive Grove apresentam uma palestra de 2 horas sobre o futebol vitoriano e a vida notável de Fred Spiksley. Acompanhada por uma das melhores coleções de fotografias de futebol pré-1900, essa palestra encantou o público em Londres e em Yorkshire e está sendo levada para Midlands pela primeira vez.

Este é um evento gratuito e todos são bem vindos. Cópias de Flying Over An Olive Grove, que ganhou atenção da mídia nacional, estarão disponíveis para compra.

Data e hora:
Sáb, 7 de outubro de 2017 e # 8211 17h

Localização:
The Wellington
37 Bennetts Hill
Birmingham
B2 5SN

A seleção da Inglaterra que enfrentou a Escócia em 1898, com Fred na primeira linha, extrema direita.

Biografia de Fred Spiksley:
Nascido em um momento único na história do belo futebol, Fred Spiksley estava entre uma nova onda de adolescentes que, em 1885, poderia aspirar a ser um jogador de futebol profissional e escapar da inevitabilidade do trabalho industrial. Ele se tornou o primeiro jogador a marcar um hat-trick contra a Escócia e em 1896 levou o Sheffield Wednesday à glória na FA Cup com 4 gols e 8 assistências. Seu primeiro gol na final é considerado por alguns como o gol mais rápido da história de finais da Copa da Inglaterra.

Em seu auge, ele foi o ala mais rápido da Inglaterra e possuía total controle de bola. Ele era um jogador com tamanha habilidade que foi capaz de levar seu clube e país ao auge do futebol numa época em que sua estrutura esguia não combinava com o tratamento rude que muitas vezes era dispensado a ele. Com Fred Spiksley em campo, nenhuma partida foi perdida. Mesmo com duas costelas quebradas, ele teve coragem e tenacidade para permanecer em campo e marcar o gol da vitória em um empate épico da FA Cup em Olive Grove, o campo onde se tornou conhecido como "o Olive Grove Flyer".

Ele marcou mais de 300 gols na carreira e conquistou todas as grandes honras do jogo, e detém o recorde de maior proporção de gols por jogo de qualquer ala na história do futebol inglês. Sua fama se estendeu ao redor do mundo quando ele se tornou o primeiro jogador de futebol profissional a treinar em três continentes. Só na Europa, ele comandou a seleção sueca e levou o FC Nuremberg ao Campeonato Alemão em 1927.

O futebol deu a Fred Spiksley, um rapazinho das ruelas de Lincolnshire, uma vida inteira de aventuras. Ele dividiria o palco com Charlie Chaplin, escaparia de uma prisão alemã em 1914 e seria perseguido ao longo da linha de lateral pela futura rainha da Inglaterra. Um jogador viciado e mulherengo confesso, o personagem de Fred Spiksley significava que ele nem sempre era o herói fora do campo que estava jogando. Flying Over An Olive Grove tem como objetivo trazer a história notável, mas há muito esquecida, de Fred Spiksley para um novo público e contém uma excelente coleção de imagens, incluindo a mais antiga fotografia conhecida de um gol internacional sendo marcado.


A jornada

Então, eu encontrei um pouco de tempo para adicionar um pouco mais ao blog. Então, pensei em dar um pouco de histórico sobre como tudo isso começou e a jornada.

Tenho certeza de que tudo começou por volta de 1990, eu teria 9 ou 10 anos na época e estava em Gainsborough, na casa dos meus avós (Spicksley). Por alguma razão, naquele ano me mostraram 2 medalhas e disseram que pertenciam a um velho parente e que eram as medalhas dos Vencedores da Copa da Inglaterra e do Campeonato da Liga. Essas medalhas já foram vendidas há muito tempo, de fato, nada original restou dos Fred & # 8217s na família. Claro que não teria sido esse o caso, se tivesse acontecido comigo!

O lado Spicksley da família nunca gostou de futebol e eu rapidamente descobri que uma das medalhas não era a dos vencedores da FA Cup, mas sim uma medalha de Representante da Liga Inglesa V Escócia em 1895. Devo dizer aqui que o nome de Spicksley é não soletrado incorretamente, nem significa que eu não sou parente. Conforme detalhado em nosso livro, havia algumas grafias de Spicksley por meio de alguns membros analfabetos da família na época vitoriana, bem, principalmente o pai de Fred. Fred era um Spiksley e seu irmão era um Spicksley, eu e # 8217m do lado dos irmãos de Fred. Não há descentralizadores diretos de Fred, pois seu filho Fred Jnr não tinha filhos.

Naquele dia tirei umas esfregadas das medalhas e logo depois as pesquisas começaram. Naquela época eu tinha apenas 9 anos. Procurei em alguns livros básicos e descobri os fatos básicos. Principalmente os livros de estilo de reprodução de jornais que estavam em voga naquela época e alguns livros grandes de Bryon Butler. Eu ainda tenho eles e as fricções de medalhas.

Logo descobri que Fred havia jogado pela Inglaterra e marcado os gols da vitória na final da Copa da Inglaterra. Para uma criança de 9 anos, não pensei que seria capaz de descobrir muito mais, mas estava obviamente encantado com o que havia encontrado.

Acho que meu tio ligou para Sheffield quarta-feira por volta dessa época e por algum motivo acabou falando com o gerente da época & # 8211 Million Pound Man Trevor Francis. Eu não acho que ele gostava de Trevor porque ele não era muito prestativo. Se eu fosse Trevor, acho que também não teria me importado!

De qualquer forma, eles me enviaram algumas fotocópias ruins do livro de Farnsworth & # 8217s. Isso me deu a primeira foto que já vi de Fred. Estava distorcido e de baixa qualidade. Mesmo assim, eu adorei na época. Foi o primeiro de Fred em um alinhamento de quarta-feira em 1891. Tenho uma linda reprodução dele agora.

Com essas poucas informações, escrevi meu primeiro artigo sobre Fred aos 11 anos de idade. Era para um projeto de inglês de uma escola. Ainda o tenho e está cheio de erros devido a suposições que fiz na época. Acho que fiz Fred ganhar o título da Liga duas vezes, sem saber que ele saiu na quarta-feira após a primeira vitória no campeonato.

Algum tempo depois, percebi que você poderia solicitar que os livros fossem enviados à biblioteca local. Então, passei algum tempo preenchendo esses pequenos cartões-postais com uma lista de livros de futebol. Alguns na FA Cup, mas principalmente nos livros de história da Sheffield Wednesday, de Keith Farnsworth. Aos poucos, os livros começaram a chegar, eles levaram cerca de um mês para que a biblioteca encontrasse e chegasse à pequena biblioteca Uttoxeter. Se eu tivesse pedido ao meu pai para me levar à Biblioteca Sheffield na época!

Houve alguns momentos significativos ao longo do caminho. Lendo a imagem da caneta no livro Farnsworths Complete Record. Foi então que percebi que Fred não era apenas um jogador de futebol vitoriano decente que ganhou algumas coisas. Este era obviamente um jogador especial. Acho que entediei alguns dos meus colegas de escola naquela época.

Depois de ler todos os livros das quartas-feiras e conhecer Jason Dickinson, as informações começaram a secar um pouco à medida que eu progredia na escola. Eu me saí bem para um jovem, provavelmente tendo 2 ou 3 pastas de informações e fotos aos 16 anos.

Por meio de A & # 8217Levels e University, muito pouco foi feito. Achei que tinha conseguido tudo o que jamais encontraria e, aos poucos, comecei a me interessar por outras coisas. Principalmente música e minha arte. Foi a música que acabou levando a possivelmente a maior descoberta mais importante que influenciou o livro.

Em 2001 visitei o Festival de Glastonbury pela 2ª vez, principalmente para comemorar o fim da universidade. Enquanto olhamos as barracas do mercado com amigos, nos deparamos com uma barraca de livros de segunda mão. Não era nada particularmente especial, mas os estudantes de arte gostam de livros de segunda mão. Eu honestamente teria saído da barraca em um minuto, mas aconteceu que abri a longa fila de livros em um livro chamado & # 8216To the Palace for the Cup & # 8217. Obviamente sei o que era e o que pode estar nele.

Pulando para 1896 o mais rápido possível, descobri uma página dupla que estava quase inteiramente coberta por uma gravura de Fred marcando o gol da vitória na final da FA Cup. O & # 1638 ou & # 16310 o custo do livro foi encontrado muito rapidamente, posso lhe dizer.

Então, depois de 6 anos presumindo que nada mais viria no meu caminho de repente, estava essa imagem. Além disso, a imagem foi referenciada a um jornal, o Illustrated News. Além disso, foi fácil entrar em contato com o autor e me encaminhou para Andy, um cara brilhante cuja paixão pelo futebol vitoriano e, em particular, pelas finais da Crystal Palace FA Cup é simplesmente maravilhoso.

Logo percebi que havia centenas de jornais para olhar e minha lista de contatos cresceu. Fiquei horas a fio na Biblioteca de Jornais de Londres. Gastei uma fortuna em reprografia. Eu viajei para cima e para baixo no Reino Unido pesquisando a história e acumulei 14 volumes robustos, 4 dos quais contêm todas as fotografias e ilustrações para o livro. Acho que estamos vendo 350 fotos no momento. Mais de 50 das quais são fotos & # 8217s de Fred.

O maior momento até agora para mim foi encontrar o Vídeo de Fred em Craven Cottage em 1931. Demorei quase uma semana desde que soubesse que ele existia até ser capaz de reproduzi-lo. A tecnologia em sites em 2002 não era o que é agora! O vídeo já está no Youtube e foi publicado no jornal Guardian. Tem sido uma longa aventura realmente, com alguns anos em que pouco aconteceu por vários motivos e depois anos de mega atividade. Tudo está começando a se encaixar agora e mal posso esperar pelo lançamento do volume final.


A notável história de Fred Spiksley: o primeiro herói do futebol da classe trabalhadora

Fred Spiksley, de Gainsborough, foi um dos primeiros jovens da classe trabalhadora em 1887 a viver "o sonho" de se tornar um jogador de futebol profissional, antes de mais tarde encontrar um papel como treinador de viagens pelo mundo. Assim, ele evitou a inevitabilidade do trabalho industrial, mal pago e perigoso. Rápido como um relâmpago, Spiksley criou e marcou centenas de gols, incluindo, para grande alegria do futuro Queen Mary que o perseguiu pela linha de lateral, três contra a Escócia em 1893 .

A esquerda de fora marcou os dois gols do Sheffield Wednesday na derrota por 2 a 1 do Wolves na final da FA Cup de 1896, no Palácio de Cristal. Forçado por lesão a parar de jogar aos 36 anos, Spiksley se aventurou pelo mundo. Ele atuou com Charlie Chaplin, fugiu de uma prisão alemã no início da Primeira Guerra Mundial e depois fez o primeiro filme de treinamento de futebol "falado" para jovens.

Como técnico / gerente, ele conquistou títulos na Suécia, México, Estados Unidos e Alemanha, tornando-se o último inglês a treinar um time alemão vencedor do título com o 1FC Nuremburg em 1927 . Ele treinou no Barcelona em 1932 e só depois de seu envolvimento ter ultrapassado os 50 anos, durante os quais, como este livro explica, o jogo mudou drasticamente, a carreira de Spiksley no futebol terminou. Como jogador viciado e mulherengo, Spiksley tinha seus problemas longe do futebol.

No entanto, ele era querido por seus fãs de futebol, incluindo Herbert Chapman, o maior técnico da época no futebol inglês que, no final de sua vida, o escolheu com seu melhor XI.

Escritor em tempo integral por mais de uma década, Mark Metcalf escreveu muitos livros sobre clubes e jogadores de futebol, principalmente antes da Primeira Guerra Mundial, redescobriu vários fatos do futebol anteriormente ocultos e organizou uma série de placas da Associação de Futebol Profissional para ex-grandes nomes. Um talentoso orador público, ele escreve regularmente para a revista Big Issue North e Unite the Union.

Clive Nicholson é atualmente Diretor de Artes em uma bem-sucedida escola secundária de York, onde lecionou Arte e Design por dezesseis anos. Aos 9 anos, ele descobriu que Fred Spiksley é seu tio-avô e passou três décadas pesquisando e contando a história de seu ancestral notável. Clive coletou centenas de imagens e artefatos que fornecem uma história pictórica da história de Spiksley, com muitos sendo usados ​​nesta publicação.


Fred Spiksley - História

Gainsborough & rsquos Fred Spiksley foi um dos primeiros jovens da classe trabalhadora em 1887 a viver & lsquothe sonho & rsquo de se tornar um jogador de futebol profissional, antes de mais tarde encontrar um papel como um treinador mundial. Assim, ele se esquivou da inevitabilidade do trabalho industrial, mal pago e perigoso.

Rápido como um relâmpago, Spiksley criou e marcou centenas de gols, incluindo, para grande alegria do futuro Queen Mary que o perseguiu pela linha de lateral, três contra a Escócia em 1893. A esquerda de fora marcou gols no Sheffield Wednesday e rsquos na derrota por 2 a 1 sobre os Wolves na final da FA Cup de 1896 no Palácio de Cristal.

Forçado por lesão a parar de jogar aos 36 anos, Spiksley se aventurou pelo mundo. Ele atuou com Charlie Chaplin, escapou de uma prisão alemã no início da Primeira Guerra Mundial e depois fez o primeiro filme de treinamento de futebol & lsquotalking & rsquo para jovens.

Como técnico / gerente, ele conquistou títulos na Suécia, México, Estados Unidos e Alemanha, tornando-se o último inglês a treinar uma equipe alemã campeã no 1FC Nuremburg em 1927. Ele treinou no Barcelona em 1932 e só depois de seu envolvimento ultrapassou os 50 anos, durante os quais, como este livro explica, o jogo mudou drasticamente e a carreira de Spiksley e rsquos no futebol terminou.

Como jogador viciado e mulherengo, Spiksley tinha seus problemas longe do futebol. No entanto, ele era querido por seus fãs de futebol, incluindo Herbert Chapman, o maior técnico da época no futebol inglês que, no final de sua vida, o escolheu com seu melhor XI.

Sobre o autor

Mark Metcalf é um escritor freelance apaixonado pelo futebol, especialmente pelas histórias de formação de times do norte. Seu trabalho recente inclui livros sobre o Manchester United, a FA Cup de 1960 e o Sunderland (ele é um fã de longa data). Mark também completou uma biografia da lenda do Sunderland, Stan Anderson.

Nascido no condado de Durham, Mark agora mora em Halifax com sua esposa Ruth e seu filho Charlie, de dois anos. David Wood nasceu em Barnsley em 1963 e foi levado pela primeira vez para Oakwell por seu pai em 1970. Ele viu 'The Reds' jogar partidas em 124 campos diferentes e agora atua como historiador oficial do clube.

Casado com Sarah, com uma filha, Rachel, David mora em Bedfordshire.

Clive Nicholson é atualmente Diretor de Artes em uma bem-sucedida escola secundária de York, onde lecionou Arte e Design por dezesseis anos. Aos 9 anos, ele descobriu que Fred Spiksley é seu tio-avô e passou três décadas pesquisando e contando a história de seu ancestral notável. Clive coletou centenas de imagens e artefatos que fornecem uma história pictórica da história de Spiksley, com muitos sendo usados ​​nesta publicação.


A notável história de Fred Spiksley: o primeiro herói do futebol da classe trabalhadora

Fred Spiksley, de Gainsborough, foi um dos primeiros jovens da classe trabalhadora em 1887 a viver "o sonho" de se tornar um jogador de futebol profissional, antes de mais tarde encontrar um papel como treinador de viagens pelo mundo. Assim, ele se esquivou da inevitabilidade do trabalho industrial, mal pago e perigoso.

Rapidamente, Spiksley criou e marcou centenas de gols, incluindo, para grande alegria do fut, Fred Spiksley de Gainsborough foi um dos primeiros jovens da classe trabalhadora em 1887 a viver "o sonho" de se tornar um jogador de futebol profissional, antes de mais tarde encontrar um papel como um treinador de viagens pelo mundo. Assim, ele evitou a inevitabilidade do trabalho industrial, mal pago e perigoso.

Rápido como um relâmpago, Spiksley criou e marcou centenas de gols, incluindo, para grande alegria do futuro Queen Mary que o perseguiu pela linha de lateral, três contra a Escócia em 1893. A esquerda de fora marcou os dois gols do Sheffield Wednesday na derrota por 2 a 1 sobre os Wolves na final da FA Cup de 1896 no Palácio de Cristal.

Forçado por lesão a parar de jogar aos 36 anos, Spiksley se aventurou pelo mundo. Ele atuou com Charlie Chaplin, fugiu de uma prisão alemã no início da Primeira Guerra Mundial e depois fez o primeiro filme de treinamento de futebol 'falado' para jovens.

Como técnico / gerente, ele conquistou títulos na Suécia, México, Estados Unidos e Alemanha, tornando-se o último inglês a treinar uma equipe alemã campeã no 1FC Nuremburg em 1927. Ele treinou no Barcelona em 1932 e só depois de seu envolvimento ultrapassou os 50 anos, durante os quais, como este livro explica, o jogo mudou drasticamente e a carreira de Spiksley no futebol terminou.

Como jogador viciado e mulherengo, Spiksley tinha seus problemas longe do futebol. No entanto, ele era querido por seus fãs de futebol, incluindo Herbert Chapman, o maior técnico da época no futebol inglês que, no final de sua vida, o escolheu com seu melhor XI. . mais


Fred Spiksley no filme

Eu mencionei Fred Spiksley aqui ontem & # 8211 ele era um do grupo de treinadores de futebol eduardianos e ex-jogadores internados pela Alemanha com John Cameron em Ruhleben perto de Berlim.

This group, plus Jack Reynolds, William Townley and Jimmy Hogan, pioneered the teaching of football, and had to go abroad to do it. Of these, Fred Pentland (Spain), Jimmy Hogan (Hungary and Austria) and Jack Reynolds (Holland) were undeniably excellent coaches who had remarkable careers and left considerable legacies.

Three out of that group is quite a high proportion. It’s worth bearing in mind that these men were self-selecting: not only did they have to regard teaching football as worthwhile, but they had to have the self-confidence and self-assurance to leave home for years on end, and, in most cases, to stay abroad even after the bitter experience of imprisonment during World War I.

That self-selection doesn’t include any factor about ability to coach. British football was looked up to by Europe’s small happy band of early adopters, and one suspects that any “name” from the Football League would have more than satisfied a club who were simply too far away to perform any kind of quality check upon their new gaffer.

It might be that outside of the great three of Pentland, Reynolds and Hogan, the others were pioneers merely by being where they were and doing what they were doing i.e. creating the idea of football as a sport to be learned and developed. Whether they were any good as coaches is impossible to tell – there are no contemporaries to compare them with, and hindsight is worthless given that they were breaking the ground for others.

But this brief film of Fred Spiksley coaching at Fulham in the early 1930s is interesting nonetheless. We are always being told, for instance, that street football taught skills that coaching cannot reach. Not much sign of that here. And then what of Spiksley himself? Is he any good?

Interesting to note that 1930s Fulham was also home to Jimmy Hogan for a while. They fired him, contemptuously, saying that professional footballers “didn’t need to be coached”, whilst Hogan was recuperating in hospital. For all that, to have both Spiksley and Hogan on board for part of the time hints at something important almost dawning on the club. Craven Cottage has always welcomed players of genuine skill and intelligence: was it close to taking the same attitude with its managers? Vic Buckingham, who discovered Johann Cruyff and almost won the double with West Brom in the 1950s, would be there later, and so would Bobby Robson. Fulham dealt both of them unusually unpleasant sackings too..

Here’s the film. Clearly, the film makers have insisted on an easy-to-shoot scenario, and Spiksley is having to shout for the microphone. And are the players camera-shy? The whole thing is very artificial. O que você acha?


Karriere als Spieler

Frühe Karriere

Spiksley begann als Jugendlicher für die Gainsborough Jubilee Swifts zu spielen. Im Jahr 1887 erreichte er mit dieser Mannschaft das Halbfinale des Lincolnshire Junior Cup und beendete den Wettbewerb als bester Torschütze mit 31 Toren in sechs Spielen.

Am 19. März 1887 absolvierte er im Alter von 17 Jahren in einer Begegnung mit Notts Jardines sein erstes Spiel in der ersten Mannschaft von Gainsborough Trinity. Da er seinen Kapitän Billy Brown nach einem guten Lauf mit einem Pass versorgte hatte, war Spiksley am einzigen Tor der Mannschaft beteiligt, trotzdem ging das Spiel für Trinity mit 3-1 verloren. Während seiner ersten Saison bei Trinity erzielte er in 29 Spielen 31 Tore und war nach Jake Madden, der später für die Schottische Fu�llnationalmannschaft und für Celtic Glasgow spielte, der zweitbeste Torschütze der Mannschaft. Bei seinem ersten Spiel im FA Cup trug er auch zwei Treffer zum 7:0-Sieg ﲾr Boston Town bei, genauso im Finale des Gainsborough News Charity Cup. In seiner zweiten Saison erzielte er 28 Tore in 21 Spielen und war, trotz eines an seinem 19. Geburtstag erlittenen Beinbruchs in einem Spiel des Gainsborough News Charity Cup gegen The Wednesday, der beste Torschütze seiner Mannschaft der Saison 1888�. Während der Saison 1889/90 gewann Spiksley mit seiner Mannschaft Trinity zwei Pokale, zum einen den Lincolnshire F.A. Cup und zum anderen den Gainsborough News Charity Cup. Während der Saison 1890/91 gehörte er zu der bekannten Mannschaft von Trinity, die den Titel der Midland League gewann.

Sheffield Wednesday

Im Januar 1891 war er kurz vor einer Vertragsunterschrift beim FC Accrington, erbat sich aber noch eine Bedenkzeit zur Pr࿏ung des Vertrages. Während der Reise nach Accrington legte er in Sheffield einen Zwischenstopp ein und wurde von den beiden Vorständen John Holmes und Fred Thompson ﲾrzeugt, stattdessen bei Sheffield Wednesday zu unterschreiben. In der Folge blieb er die n์hsten elf Spielzeiten bei Wednesday und erzielte 100 Tore in 293 Ligaeinsätzen, dazu kamen weitere 14 Tore in 28 FA-Cup-Spielen seines Vereins. Im Pokalfinale 1896 erzielte er beim 2:1-Sieg Wednesdays ﲾr die Wolverhampton Wanderers beide Treffer. Neben den beiden Toren galt er mit seinen guten Spielzügen auch sonst als spielbeherrschendes Mannschaftsmitglied. Mit seinem Verein gewann er auch die English Second Division im Jahr 1900 und die English First Division im Jahr 1903.

Einsätze von Spiksley bei Sheffield Wednesday:

Saison 1891/92 1892/93 1893/94 1894/95 1895/96 1896/97 1897/98 1898/99 1899/1900 1900/01 1901/02 1902/03 TOTAL
Einsätze: 3 31 33 33 35 28 32 30 34 14 27 34 324
Tore: 2 18 16 10 13 10 17 3 10 4 5 8 116

Southern United

In der Saison 1905/06 wechselte Spiksley zur Mannschaft von Southern United in London, die in der Southern League Division 2 spielte.

Spiele für die englische Nationalmannschaft

Spiksley gehörte siebenmal zum Aufgebot der englischen Nationalmannschaft und erzielte sieben Tore. Beim Gewinn der British Home Championship in den Jahren 1893 und 1898 gehörte er zum Team. Im Jahr 1893 erzielte er bei seinem ersten Einsatz in der Nationalmannschaft beim 6:0-Erfolg gegen die walisische Fu�llnationalmannschaft drei Treffer. Zu den anderen Torschützen des Tages gehörten Jack Reynolds und John Goodall. Weitere drei Tore erzielte er beim 5:2-Sieg gegen die Schottische Fu�llnationalmannschaft. Sein siebtes Tor im dritten Spiel erzielte er beim 2:2-Unentschieden im Jahr 1894 gegen die irische Fu�llnationalmannschaft. Zu seinen Mannschaftskameraden bei diesem Einsatz gehörten Steve Bloomer und Ernest Needham. Am 14. März 1903 traf Spiksley einmal beim 3:0-Sieg des Englischen Meisters der English League XI Sheffield Wednesday ﲾr den Schottischen Meister der Scottish League XI im Celtic Park.

Für die Gesamtzahl der von Spiksley für die Nationalmannschaft erzielten Tore werden von verschiedenen Quellen unterschiedliche Zahlen genannt. In seinem Buch 50 Years of Football 1895� zählt Sir Frederick Wall, der Sekretär des englischen Fu�llverbandes im Jahr 1893 Spiksley einen Hattrick in der Begegnung mit Schottland zu. bei seinem ersten Länderspiel wurde das letzte Tor des 6:0-Sieges ﲾr Wales in den Spielberichten der meisten Zeitungen, darunter auch der The Times und der Athletic News, nie einem bestimmten Spieler offiziell zugeordnet, daher wurde das Tor wohl falsch gezählt. Einige Zeitungen, darunter der Guardian, zählten es mit und schrieben es Spiksley zu. Spiksley selbst hat immer angegeben, in seinem ersten Einsatz für die Nationalelf einen Hattrick erzielt zu haben, ebenso wie in seinem zweiten Spiel gegen Schottland.

Einsätze von Spiksley für die englische Nationalmannschaft:

Datum: 13. März 1893 1. April 1893 3. März 1894 7. April 1894 7. März 1896 28. März 1898 2. April 1898
Gegner: Gales Schottland Irland Schottland Irland Gales Schottland
Ergebnis: 6:0 5:2 2:2 2:2 2:0 3:0 3:1


Flying Over an Olive Grove - The Remarkable Story of Fred Spiksley A Flawed Football Hero

Flying Over An Olive Grove is the first great working-class football story. Born at a unique moment in the history of the beautiful game, Fred Spiksley was amongst a new wave of teenagers who from 1885 onwards could aspire to be a professional footballer and dodge the inevitability of industrial labour. He became the first player to score a hat-trick against Scotland and i Flying Over An Olive Grove is the first great working-class football story. Born at a unique moment in the history of the beautiful game, Fred Spiksley was amongst a new wave of teenagers who from 1885 onwards could aspire to be a professional footballer and dodge the inevitability of industrial labour. He became the first player to score a hat-trick against Scotland and in 1896 he guided Sheffield Wednesday to FA Cup glory with 4 goals and 8 assists during the cup run. His first goal in the final is considered by some to be the fastest ever goal in FA Cup final history.

At his peak he was the fastest winger in England and possessed total ball control. He was a player with such ability that he was able to take his club and country to the pinnacle of football during an era where his slender frame did not suit the rough treatment that was often meted out to him. With Fred Spiksley on the field no match was ever lost. Even with two broken ribs, he had the pluck and tenacity to remain on the field and score the winning goal in an epic FA Cup tie at Olive Grove, the ground where he made his name 'the Olive Grove Flyer'. He scored over 300 career goals and won every major honour in the game, and holds the record for the highest goals-to-game ratio of any winger in the history of English football. His fame extended around the World as he became the first professional footballer to coach across three continents. In Europe he managed the Swedish national team and guided 1FC Nuremberg to the German Championship in 1927.

Football presented Fred Spiksley, a small lad from the backstreets of Lincolnshire, with a lifetime of adventure. He would be chased along the touchline by the future Queen of England, share the stage with Charlie Chaplin and in 1914 escape from a German prison. An addicted gambler and self confessed womaniser, Fred Spiksley's character meant that he was not always the hero off the pitch that he was on it. Flying Over An Olive Grove brings Fred Spiksley's remarkable but long forgotten story to a new audience and contains a superb collection of images, including the earliest known photograph of an international goal being scored. . mais


Fred Spiksley

Flying Over An Olive Grove is the first great working-class footballer story. Born at a unique moment in the history of the beautiful game, Fred Spiksley was amongst a new wave of teenagers who, in 1885, could aspire to be a professional footballer and dodge the inevitability of industrial labour. He became the first player to score a hat-trick against Scotland and in 1896 he guided Sheffield Wednesday to FA Cup glory with 4 goals and 8 assists. His first goal in the final is considered by some to be the fastest ever goal in FA Cup final history.

Flying Over An Olive Grove

At his peak he was the fastest winger in England and possessed total ball control. He was a player with such ability that he was able to take his club and country to the pinnacle of football during an era where his slender frame did not suit the rough treatment that was often meted out to him. With Fred Spiksley on the field no match was ever lost. Even with two broken ribs, he had the pluck and tenacity to remain on the field and score the winning goal in an epic FA Cup tie at Olive Grove, the ground where he made his name ‘the Olive Grove Flyer’. He scored over 300 career goals and won every major honour in the game, and holds the record for the highest goals- to-game ratio of any winger in the history of English football. His fame extended around the World as he became the first professional footballer to coach across three continents. In Europe alone, he managed the Swedish national team and guided1FC Nuremberg to the German Championship in 1927.

Football presented Fred Spiksley, a small lad from the backstreets of Lincolnshire, with a lifetime of adventure. He would share the stage with Charlie Chaplin, escape from a German prison in 1914 and be chased along the touchline by the future Queen of England. An addicted gambler and self confessed womaniser, Fred Spiksley’s character meant that he was not always the hero off the pitch that he was on it. Flying Over An Olive Grove aims to bring Fred Spiksley’s remarkable but long forgotten story to a new audience and contains a superb collection of images, including the earliest know photograph of an international goal being scored.

See the Calendar story from the TV…

Pay for your goods through Paypal.

1) Secure payments for customers are guaranteed through Paypal. Email Mark with your order and Mark will then send you a Paypal request.
2) Paypal payments are easy to organise and there is no cost to the customer. You can pay with your credit card through Paypal. Also, the customer doesn’t need to have a Paypal account and no bank details are disclosed.
3) Make sure to put your address in the email so that goods can be sent to the right place in the UK. FREE postage and packing to the UK. Postage to Europe and the rest of the world is extra (email Mark for price).
4) Returns – Your Satisfaction Guaranteed : We’re sure you’ll love Markwrite products. If you don’t, simply return for a full refund (excluding postage).