Em formação

Ano Dois, Dia 57 Administração Obama, 17 de março de 2010 - História


9h30 O PRESIDENTE recebeu o Briefing Diário Presidencial
sala Oval


10:00 O PRESIDENTE recebeu o Economic Daily Briefing
sala Oval


10:45 O PRESIDENTE reuniu-se com o Taoiseach da Irlanda, Brian Cowen
sala Oval
P
12h35 O PRESIDENTE faz comentários no Almoço do Palestrante Pelosis Amigos da Irlanda
A capital

19h25 O PRESIDENTE e A PRIMEIRA LADY deram a recepção do Dia de São Patrício
Quarto Leste


Introdução

A questão deste volume, por mais importante que seja, não é simplesmente de qual legado Barack Obama deixa no Indo-Pacífico após oito anos no cargo, ou, de fato, de como Donald Trump se envolveu com esse legado durante seus primeiros dois anos no comando. É dos legados históricos do poder americano no Indo-Pacífico do século XXI, dos quais Obama e Trump são constituídos, que enquadram e orientam suas idéias e ações, e que eles desafiam ou reforçam. Os indivíduos e suas administrações são importantes, mas também os conhecimentos e verdades subjacentes sobre o mundo que perduram, às vezes durante séculos, para serem herdados por novos presidentes e seus conselheiros, porque desafiam a política partidária e os caprichos e ciclos da opinião popular. Esses são os legados de que trata este capítulo.

O argumento não é que Obama, Trump ou qualquer outro ocupante da Casa Branca seja de alguma forma irrelevante - que existem entendimentos atemporais e todo-poderosos sobre os Estados Unidos e o Indo-Pacífico que tornam qualquer presidente e sua administração um canal indefeso de discursos determinísticos ou sabedorias. É que, em qualquer discussão sobre o legado presidencial, é útil, em primeiro lugar, recuar para avaliar as condições históricas que explicam como eles poderiam vir a existir e o que o passado nos diz sobre sua provável direção futura.

Este capítulo começa falando sobre debates sobre se o internacionalismo dos EUA representa império ou hegemonia e sua aplicabilidade ao lugar dos Estados Unidos na Ásia e no Pacífico. Para dar sentido a esse lugar e suas diversas manifestações ao longo do espaço e do tempo, argumenta-se que os Estados Unidos têm buscado consistentemente uma posição de hegemonia imperial em toda a Ásia-Pacífico (em vez do Indo-Pacífico mais amplo, sobre o qual este volume em toto está preocupado). A próxima seção argumenta que, nessa busca, os Estados Unidos buscaram construir um Pacífico americano emoldurado pelos valores civilizacionais percebidos e pela autoridade física do eu americano. As formações desse Pacífico americano são traçadas desde os primeiros períodos do expansionismo dos Estados Unidos, mostrando como ele sempre foi visto como uma extensão do território e da identidade dos Estados Unidos. O capítulo então se volta para a presidência de Barack Obama em 2009–17 e como suas políticas e visões de mundo foram informadas por séculos de lógicas históricas sobre os Estados Unidos e seu papel na Ásia-Pacífico. Ele também avalia o que os primeiros dois anos da presidência de Donald Trump revelam sobre os legados profundamente enraizados do Pacífico americano na era pós-Obama, não menos no que diz respeito à reinvenção da região em um "Indo-Pacífico" mais amplo . O capítulo conclui argumentando que os principais legados do Pacífico Americano para as administrações dos Estados Unidos do século XXI são de verdades amplamente inquestionáveis ​​sobre os Estados Unidos como um ator local em uma região que se imagina se estender do oeste dos Estados Unidos até os confins da Ásia , e que um alcance cada vez maior de influência e autoridade significou uma responsabilidade cada vez maior de se sustentar e defender ali.


Conteúdo

Barack Hussein Obama Jr. nasceu em 4 de agosto de 1961 [1], filho dos pais Barack Hussein Obama Sênior e Stanley Ann Dunham, no Havaí. O casal se divorciaria em 1963 devido à tensão causada pela saída de Barack Obama Sênior do Havaí para estudar economia em Harvard, quando Obama tinha 2 anos, após o que sua mãe se casou com Lolo Soetoro, um geólogo. Quando Barack Obama tinha 6 anos, sua mãe o levou para Jacarta, Indonésia, por 4 anos, enquanto ela fazia o doutorado. em Antropologia exigindo trabalho de campo lá. Ela então o deixou no Havaí com seus avós (Stanley e Madelyn Dunham, que se mudaram para o Havaí em 1959) para que ele pudesse estudar nos Estados Unidos. [2] Outros irmãos de Obama incluem sua meia-irmã Maya Soetoro-Ng e 7 outras crianças nascidas de seu pai por 4 mulheres diferentes. [3] Durante grande parte de sua juventude, antes de sua transferência para a Universidade de Columbia, ele usava o apelido de "Barry". No verão de 1988, antes de frequentar a Harvard Law School (ele acabara de ser aceito), ele visitou Kogelo, no Quênia, para saber mais sobre a família de seu pai, seu pai havia morrido em um acidente de carro em 1982. Quando sua mãe morreu em 1995 , ele e sua irmã Maya espalharam suas cinzas na costa sul do Havaí. [2]

Vida pessoal

Barack Obama conheceu e começou a namorar sua futura esposa, uma advogada chamada Michelle Robinson, ela mesma recém-formada pela Harvard Law School, enquanto ele trabalhava na Sidley Austin LLP, um prestigioso escritório de advocacia empresarial. [1] Os dois continuaram namorando à distância enquanto ele terminava a faculdade de direito e, em 18 de outubro de 1982, se casaram com o reverendo Jeremiah Wright na Trinity United Church. [2] Em 1999, seu primeiro filho nasceu, Malia, e em 2001, outra filha, Natasha (frequentemente chamada de Sasha). [1]

Obama ingressou na Trinity United Church do reverendo Jeremiah Wright de 1985 a 1988, durante seu tempo como organizador da comunidade (Veja 1985-1988, seção Organizador Comunitário) Obama se casou na Trinity United Church, credita a Wright sua conversão ao cristianismo, e teve suas duas filhas, Sasha e Malia, batizadas lá. [2]

Educação

Aos 6 anos, Obama frequentou escolas na Indonésia, a primeira uma escola católica enquanto estava no jardim de infância, e depois uma escola pública. Embora a escola pública tivesse principalmente alunos muçulmanos (já que a maioria dos indonésios era muçulmana), as alegações de que era uma escola muçulmana ou de madrassa são falsas. Em 1971, aos 10 anos, Barack Obama mudou-se para o Havaí, e seus avós o ajudaram a ganhar acesso à prestigiosa Punahou Academy em Honolulu por meio de uma bolsa de estudos, enquanto ele estava na 5ª série. [2] Em sua escola de elite com 1.200 alunos, ele era apenas 1 dos 3 alunos negros e estava na segunda seqüência do time de basquete campeão estadual em seu último ano. Durante esse tempo, ele usou maconha regularmente e também fez experiências breves com cocaína. Ele escreveu um poema para a revista literária da escola, Ka Wai Ola. [3]

Em 1979, ele começou um período de 2 anos na faculdade Occidental College em Los Angeles [1], e depois se transferiu para a Columbia University em Nova York, onde se formou em 1983. [4] Durante este tempo, ele supostamente falou em um Anti -Apartheid comício no campus, [2] embora vários líderes estudantis proeminentes tenham dito que não se lembram dele lá. O professor Michael L. Baron ficou impressionado com Obama e escreveu-lhe uma recomendação para a Harvard Law School. [5] No inverno de 1988, Barack Obama decidiu cursar a Harvard Law School e trocou Chicago por Cambridge, Massachusetts. Em seu segundo ano, ele se tornou o primeiro presidente negro do Harvard Law Review, após uma "maratona de votação" em que foi eleito na 19ª votação. [3] Isso gerou atenção nacional e inúmeras ofertas de emprego, que Obama rejeitou, aos 30 anos, para seguir carreira política em Chicago. [1] [2]

Emprego não político

1983-1984, analista financeiro e escritor

Em 1984, Obama trabalhou como redator e analista financeiro para a Business International Corporation, uma pequena editora de boletins informativos e firma de pesquisa que ajudava empresas multinacionais a entender os mercados estrangeiros. Obama trabalhou como redator / pesquisador para um serviço de referência de empresa, Financing Foreign Operations, e escreveu para um boletim informativo, Business International Money Report. Sua supervisora ​​era Cathy Lazere, e ele trabalhava na empresa para pagar seus empréstimos estudantis. [5] [6]

1984-1988, organizador comunitário

Em 1984, Obama foi contratado pelo Grupo de Pesquisa de Interesse Público de Nova York, uma organização sem fins lucrativos que promove reformas ambientais, de consumo e governamentais. Ele também recebia pouco menos de US $ 10.000 por ano como organizador em tempo integral do Harlem's City College para mobilizar estudantes voluntários. [5] De 1985 a 1988, Obama trabalhou como organizador comunitário no South Side de Chicago, pelo qual recebia US $ 1.000 por ano, com US $ 2.000 extras por um carro. Ele ajudou Loretta Herron a obter a aprovação da cidade para um centro de empregos comunitário local. [2] [7] Durante este tempo, Obama se juntou à Trinity United Church do reverendo Wright porque nas palavras de Suzanne Malveaux de CNN, "Era a igreja a se unir se você quisesse ser um dos movedores e agitadores negros de Chicago." Na época, a organização da comunidade envolvia estreita afiliação com igrejas, que foi como Obama conheceu Wright. O lento progresso no combate à contaminação por amianto no projeto habitacional Altgeld Gardens levou à saída de Obama de Chicago e à matrícula na Harvard Law School no inverno de 1988. [2]

1988-1996, Advocacia

Em 1988, Obama trabalhou como Summer Associate em um dos mais prestigiosos escritórios de advocacia corporativos do mundo, Sidley Austin LLP [8] [2], de propriedade de Newton Minow, graças à recomendação da filha de Minow, Martha, professora de Harvard Escola de Direito. Foi no escritório de advocacia de Minow que Obama se encontrou com Michelle Robinson, sua futura esposa. [3] De 1993 a 1996, ele exerceu a advocacia dos direitos civis, depois de se formar em Harvard, na Miner, Barnhill & amp Galland, um pequeno escritório de advocacia com conexões políticas. [8] Foi em Miner, Barnhill & amp Galland que ele conheceu o influente incorporador imobiliário Tony Rezko. [2]

1992-2004, Professor de Direito na Universidade de Chicago

Obama lecionou direito constitucional em tempo parcial na Escola de Direito da Universidade de Chicago [3] de 1992-2004. Ele foi um professor de 1992-96, ministrando 3 cursos por ano, e um professor sênior de 1996-2004. Professores seniores são considerados professores da Faculdade de Direito e considerados professores, mas não em tempo integral ou efetivos. Obama foi convidado a se tornar palestrante sênior várias vezes durante esse período, mas recusou todas as vezes. [9]

1995, Autor

Em 1995, Obama publicou "Dreams From My Father" sobre sua vida e antecedentes familiares. [1]

Prêmios Pessoais

Prêmio Nobel da Paz de 2009

Em 9 de outubro de 2009, Barack H. Obama se tornou o terceiro presidente em exercício dos EUA [10] a receber o Prêmio Nobel da Paz "por seus extraordinários esforços para fortalecer a diplomacia internacional e a cooperação entre os povos". [11] Obama afirmou que ficou" surpreso e profundamente humilde "ao receber o prêmio inesperado, [12] e também disse:" Para ser honesto, não sinto que mereça estar na companhia de tantos de as figuras transformadoras que foram homenageadas por este prêmio - homens e mulheres que me inspiraram e inspiraram o mundo inteiro através de sua corajosa busca pela paz ". [10] O prêmio foi amplamente criticado devido à falta de realizações de Obama na época. [13] ]


Juan Garcia consegue um emprego na administração Obama

Parabéns ao ex-deputado estadual Juan Garcia por seu novo trabalho.

A Casa Branca emitiu um comunicado à imprensa anunciando que Juan Garcia, ex-colega da faculdade de direito de Obama e ex-membro do Texas House, será nomeado secretário adjunto da Marinha (Recursos Humanos e Reserva).

Obama disse sobre a lista de indicados ao governo anunciada junto com Garcia:

& # 8220Estes excelentes servidores públicos são acréscimos bem-vindos à minha equipe, enquanto trabalhamos para colocar os Estados Unidos no caminho da prosperidade e manter nossa nação segura. Estou honrado por eles se juntarem à minha administração e espero trabalhar com eles nos próximos meses e anos. & # 8221

Tenho certeza de que ele fará um bom trabalho. E espero que em alguns anos ele volte ao Texas e concorra a algo novamente. Garcia teve ambições estaduais ao mesmo tempo, antes de sua candidatura bem-sucedida à Casa do Estado contra Gene Seamon. Acredito que esse desejo não tenha desaparecido totalmente. Nesse caso, haverá muitas oportunidades em outros quatro a seis anos.
Tenho certeza de que ele fará um bom trabalho. E espero que em alguns anos ele volte ao Texas e concorra a algo novamente. Garcia teve ambições estaduais ao mesmo tempo, antes de sua candidatura bem-sucedida à Casa do Estado contra Gene Seamon. Acredito que esse desejo não tenha desaparecido totalmente. Nesse caso, haverá muitas oportunidades em outros quatro a seis anos. BOR tem mais.


Joe Biden dá conselhos sobre namoro para meninas (vídeo)

Ao tomar posse de novos senadores na quarta-feira, o vice-presidente Joe Biden deu as boas-vindas às filhas com seu conselho favorito. De novo e de novo e de novo. "Lembre-se de que não há datas até os 30 anos", disse Biden a jovens parentes da senadora Barbara Mikulski, (D-Md.), Sen. Michael Bennet, (D-Colo.), Sen. Chuck Schumer (DN. Y.) e o senador John Thune (RS.D.), entre outros. ABC News compilou um vídeo:

Por Rachel Weiner | 6 de janeiro de 2011, 12h02, horário do leste dos EUA | Permalink | Comentários (32)
Categorias: Eleições de 2010, 44 A Presidência Obama
Salvar e compartilhar: ->


3/30/2010

A violência atravessa a fronteira sul

Arquivado em: Internacional & # 8212 DRJ às 23:12

Um proeminente fazendeiro do Arizona foi baleado e morto no sábado e as autoridades suspeitam que o perpetrador era um imigrante ilegal:

& # 8220 Em uma coletiva de imprensa na segunda-feira, o xerife do condado de Cochise, Larry Dever, disse que Krentz estava verificando a linha de água e cercas na terra que a família de Krentz & # 8217s corria desde 1907. Krentz tinha armas com ele em seu veículo todo-o-terreno, mas não usou eles, de acordo com Dever.

Os investigadores disseram que Krentz aparentemente encontrou uma pessoa quando foi baleado. Krentz foi ouvido contando a seu irmão, & # 8220, estrangeiro ilegal & # 8221, no rádio no sábado, e a área do assassinato é um conhecido corredor de contrabando, de acordo com as autoridades.

Enquanto Krentz ainda estava em seu veículo, mortalmente ferido, ele conseguiu afastar o ATV do local em alta velocidade antes de ficar inconsciente. O ATV ainda estava com as luzes acesas e o motor funcionando quando as autoridades o encontraram.

As pegadas foram identificadas e seguidas a aproximadamente 20 milhas ao sul da fronteira com o México por delegados do xerife, rastreadores da patrulha de fronteira dos EUA e equipes de perseguição de cães do Departamento de Correções, disseram as autoridades. & # 8221

O motivo pode ter sido retaliação por entregar traficantes de drogas:

& # 8220Dever disse a um jornal de Tucson que, embora os investigadores ainda não tenham um motivo, a retaliação foi levantada como uma possibilidade. Um dia antes do tiroteio, o irmão da vítima, Phil Krentz, relatou à Patrulha da Fronteira a atividade de contrabando de drogas no rancho.

Os agentes encontraram 290 libras de maconha no rancho e seguiram rastros até onde encontraram e prenderam oito imigrantes ilegais. Todos ainda estavam sob custódia quando o tiroteio ocorreu. & # 8221

Os líderes do Novo México e do Arizona solicitaram uma presença reforçada da Patrulha de Fronteira na fronteira em resposta a esse assassinato, mas não são apenas os fazendeiros que estão em risco. Tanto os fazendeiros locais quanto os agentes da Patrulha de Fronteira enfrentam perigos aumentados:

& # 8220Contrabandistas de drogas aparentemente instalaram & # 8220 armadilhas de booby & # 8221 para agentes da Patrulha de Fronteira dos EUA nas estradas ao longo da fronteira perto de Deming [NM], disseram funcionários da agência na segunda-feira.

Os dispositivos consistem em arame farpado esticado como varais em trilhas usadas por agentes em veículos todo-o-terreno. As linhas, que são difíceis de detectar, estão a cerca de um metro do solo e parecem ter o objetivo de derrubar um piloto do ATV. & # 8221

Enquanto isso, a violência continua em Juarez, incluindo 5 homens que foram mortos a tiros em uma oficina e outro morto em sua cama.


Fora do anel viário

Meu colega Alex Knapp apontou alguns comentários ultrajantes feitos por John Hagee e Rod Parsley, pregadores malucos cujo endosso McCain cortejou e recebeu.

Os McCain & # 8217s não estão sozinhos, aparentemente, entre nossos maiores aspirantes à presidência por ter associações com malucos religiosos. De longe, a história mais quente sobre memeorandum hoje é um artigo da ABC News intitulado & # 8220Obama & # 8217s Pastor: God Damn America, U.S. to Blame for 9/11. & # 8221

O pastor do senador Barack Obama e # 8217s diz que os negros não deveriam cantar & # 8220God Bless America & # 8221, mas & # 8220 God damn America. & # 8221

O Rev. Jeremiah Wright, pastor de Obama & # 8217s nos últimos 20 anos na Trinity United Church of Christ no lado sul de Chicago & # 8217s, tem uma longa história do que até mesmo os assessores de campanha de Obama & # 8217s admitem ser & # 8220 retórica inflamatória, & # 8221 incluindo a afirmação de que os Estados Unidos provocaram os ataques de 11 de setembro com seu próprio & # 8220 terrorismo. & # 8221

Em uma aparição de campanha no início deste mês, o senador Obama disse: & # 8220Eu não acho que minha igreja seja particularmente controversa. & # 8221 Ele disse que o Rev. Wright & # 8220é como um velho tio que diz coisas que eu nem sempre concordo com & # 8221 dizer a um grupo judeu que todo mundo tem alguém assim em sua família.

O Rev. Wright se casou com Obama e sua esposa Michelle, batizou suas duas filhas e é creditado por Obama pelo título de seu livro, & # 8220A audácia da esperança. & # 8221

A associação de Obama com Wright é, pode-se razoavelmente concluir, mais próxima e mais duradoura do que a de McCain com Hagee e Parsley. Mas eu ignorei todas essas histórias junto com aquelas sobre a associação de Obama & # 8217s com Tony Rezko e McCain & # 8217s relacionamento com Rick Renzi (na verdade, eu & # 8217 misturei Rezko e Renzi em minha mente e tive que procurá-los) para o simples razão pela qual eles não parecem lançar muita luz sobre os candidatos.

Algum de nós acredita que Obama ou McCain são secretamente teóricos da conspiração que reprimiram muitas ideias malucas? Ou que, mesmo que eles realmente acreditassem nesse absurdo, eles tentariam transformá-lo em política? Claro que não.

Infelizmente, o processo de construção de uma coalizão nacional vitoriosa significa apelar para alguns tipos desagradáveis. Os políticos andam na linha tênue ao aceitar o endosso dessas pessoas e esperar que denunciem todas as idéias malucas que qualquer um de seus apoiadores possa nutrir é pedir demais.

Isso não quer dizer que as palavras de Hagee, Parsley, Wright e outros não valham a pena ser examinadas. Eles são influentes que expressam e dão forma às opiniões de muitos americanos. Compreender que o consenso compartilhado da sociedade educada não é universal vale a pena e é esclarecedor. Mas devemos parar antes de assumir a culpa por associação.

Alex está investigando Wright e seu relacionamento com Obama e eu estarei interessado em ver o que ele encontra. Meu palpite, porém, é que ele descobrirá que Wright é um idiota e que Obama o considera um tio maluco. (Talvez ele seja parente daquela tia maluca Ross Perot que mantinha no porão?)

ATUALIZAR: Steve Benen brinca, & # 8220Acho que há uma vantagem política para Obama: ele não pode ser muçulmano e cristão com um pastor radical ao mesmo tempo. & # 8221

Enquanto isso, Jim Geraghty se opõe à alegação de Wright & # 8217s sobre Obama & # 8220, ele não é branco, ele é & # 8217t rico e ele não é & # 8217t privilegiado & # 8221, apontando & # 8220Obama & # 8217s mãe era branca, os Obama & # A receita do 8217 atingiu US $ 1,7 milhão em 2005 e US $ 991.000 em 2006, e ele foi para a Columbia University e a Harvard Law School. & # 8221


Campanha de Obama 2004

Em meados de 2002, Obama começou a considerar uma candidatura ao Senado dos EUA, ele alistou o estrategista político David Axelrod naquele outono e anunciou formalmente sua candidatura em janeiro de 2003. [54] As decisões do titular republicano Peter Fitzgerald e de sua antecessora democrata Carol Moseley Braun de não contestar a corrida lançaram disputas primárias democratas e republicanas abertas envolvendo quinze candidatos. [55] A candidatura de Obama foi impulsionada pela campanha publicitária de Axelrod com imagens do falecido prefeito de Chicago Harold Washington e um endosso da filha do falecido Paul Simon, ex-senador dos EUA por Illinois. [56] Ele recebeu mais de 52% dos votos nas primárias de março de 2004, emergindo 29% à frente de seu rival democrata mais próximo. [57]

O adversário esperado de Obama nas eleições gerais, o vencedor das primárias republicano Jack Ryan, retirou-se da corrida em junho de 2004. [58]

Em julho de 2004, Obama escreveu e fez o discurso principal na Convenção Nacional Democrata de 2004 em Boston, Massachusetts. [59] Depois de descrever as experiências de seu avô materno como um veterano da Segunda Guerra Mundial e um beneficiário do FHA e G.I. do New Deal Programas de lei, Obama falou sobre a mudança das prioridades econômicas e sociais do governo dos EUA. Ele questionou a gestão do governo Bush na Guerra do Iraque e destacou as obrigações da América para com seus soldados. Tirando exemplos da história dos Estados Unidos, ele criticou as visões fortemente partidárias do eleitorado e pediu aos americanos que encontrassem unidade na diversidade, dizendo: "Não há uma América liberal e uma América conservadora existe os Estados Unidos da América." [60] Transmissões do discurso de grandes organizações de notícias lançou o status de Obama como uma figura política nacional e impulsionou sua campanha para o Senado dos EUA. [61]

Em agosto de 2004, dois meses após a retirada de Ryan e menos de três meses antes do dia da eleição, Alan Keyes aceitou a nomeação do Partido Republicano de Illinois para substituir Ryan. [62] Residente de longa data em Maryland, Keyes estabeleceu residência legal em Illinois com a indicação. [63] Nas eleições gerais de novembro de 2004, Obama recebeu 70% dos votos contra 27% de Keyes, a maior margem de vitória em uma disputa estadual na história de Illinois. [64]


Erradicar: Blotting Out God in America

Quando alguém observa a relutância do presidente Obama em acomodar a proteção da consciência religiosa de quatro séculos da América por meio de suas tentativas de exigir que os católicos vão contra suas próprias doutrinas e crenças, fica-se tentado a dizer que ele é anticatólico. Mas essa caracterização não seria correta. Embora ele recentemente tenha escolhido os católicos, ele também tem como alvo as crenças protestantes tradicionais nos últimos quatro anos. Portanto, como ele atacou católicos e protestantes, ficamos tentados a dizer que ele é anticristão. Mas isso também seria impreciso. Ele tem sido igualmente desrespeitoso em seu tratamento terrível aos judeus religiosos em geral e a Israel em particular. Portanto, talvez a descrição mais precisa de sua antipatia pelos católicos, protestantes, judeus religiosos e a nação judaica seria caracterizá-lo como antibíblico. E então, quando sua hostilidade para com as pessoas de fé bíblica é contrastada com seu tratamento preferencial aos muçulmanos e às nações muçulmanas, isso fortalece ainda mais a precisão do descritor antibíblico. Na verdade, houve várias vezes claramente documentadas em que suas posições pró-islã foram a causa de suas ações antibíblicas.

Listados abaixo em ordem cronológica estão (1) numerosos registros de seus ataques a pessoas ou organizações bíblicas (2) exemplos de hostilidade contra a fé bíblica que se tornaram evidentes nos últimos três anos nas forças armadas lideradas por Obama (3) uma lista de seus ataques abertos aos valores bíblicos e, finalmente, (4) uma lista de vários incidentes de sua deferência preferencial pelas atividades e posições do Islã, incluindo permitir que seus conselheiros islâmicos orientassem e influenciassem sua hostilidade contra as pessoas de fé bíblica.

1. Atos de hostilidade contra pessoas de fé bíblica:

    • Junho de 2013 - O Departamento de Justiça de Obama retira o financiamento de um capítulo dos jovens fuzileiros navais na Louisiana porque seu juramento mencionou Deus, e outro programa para jovens porque permite uma oração voluntária liderada por alunos. [1]
      • Fevereiro de 2013 - A administração Obama anuncia que os direitos de consciência religiosa dos indivíduos não serão protegidos pela Lei de Cuidados Acessíveis. [2]
        • Janeiro de 2013 - O pastor Louie Giglio é pressionado a parar de orar na inauguração depois que foi descoberto que ele uma vez pregou um sermão apoiando a definição bíblica de casamento. [3]
          • Fevereiro de 2012 - O governo Obama perdoa empréstimos estudantis em troca de serviço público, mas anuncia que não perdoará mais empréstimos estudantis se o serviço público estiver relacionado à religião. [4]
            • Janeiro de 2012 - A administração Obama argumenta que a Primeira Emenda não oferece proteção para igrejas e sinagogas na contratação de seus pastores e rabinos. [5]
              • Dezembro de 2011 - A administração Obama denigre outras crenças religiosas de outros países como um obstáculo aos direitos dos homossexuais radicais. [6]
                • Novembro de 2011 - O presidente Obama se opõe à inclusão da famosa Oração do Dia D do presidente Franklin Roosevelt no Memorial da Segunda Guerra Mundial. [7]
                  • Novembro de 2011 - Ao contrário de presidentes anteriores, Obama cuidadosamente evita qualquer referência religiosa em seu discurso de Ação de Graças. [8]
                    • Agosto de 2011 - O governo Obama lança suas novas regras de saúde que anulam as proteções da consciência religiosa para trabalhadores médicos nas áreas de aborto e contracepção. [9]
                      • Abril de 2011 - Pela primeira vez na história americana, Obama pede a aprovação de uma lei de não discriminação que não contenha proteção de contratação para grupos religiosos, forçando organizações religiosas a contratar de acordo com mandatos federais sem levar em conta os ditames de sua própria fé, portanto eliminando a proteção da consciência na contratação. [10]
                        • Fevereiro de 2011 - Embora tenha preenchido cargos no Departamento de Estado, por mais de dois anos Obama não ocupou o cargo de embaixador da liberdade religiosa, um oficial que trabalha contra a perseguição religiosa em todo o mundo ele o ocupou somente após forte pressão do público e de Congresso. [11]
                          • Janeiro de 2011 - Depois que uma lei federal foi aprovada para transferir um Memorial da Primeira Guerra Mundial no Deserto de Mojave para propriedade privada, a Suprema Corte dos EUA decidiu que a cruz no memorial poderia continuar de pé, mas a administração Obama se recusou a permitir que o terreno fosse transferido conforme exigido por lei, e recusou-se a permitir que a cruz fosse reerguida conforme ordenado pelo Tribunal. [12]
                            • Novembro de 2010 - Obama cita erroneamente o Lema Nacional, dizendo que é “E pluribus unum” em vez de “In God We Trust”, conforme estabelecido pela lei federal. [13]
                              • 19 de outubro de 2010 - Obama começa a omitir deliberadamente a frase sobre “o Criador” ao citar a Declaração da Independência - uma omissão que ele fez em pelo menos sete ocasiões. [14]
                                • Maio de 2009 - Obama se recusa a hospedar cultos para o Dia Nacional de Oração (um dia estabelecido por lei federal) na Casa Branca. [15]
                                  • Abril de 2009 - Ao falar na Universidade de Georgetown, Obama ordena que um monograma simbolizando o nome de Jesus e # 8217 seja coberto quando ele estiver fazendo seu discurso. [16]
                                    • Abril de 2009 - Em um ato deliberado de desrespeito, Obama nomeou três embaixadores pró-aborto para o Vaticano, é claro, o Vaticano pró-vida rejeitou todos os três. [17]
                                      • Fevereiro de 2009 - Obama anuncia planos para revogar a proteção da consciência para trabalhadores de saúde que se recusam a participar de atividades médicas que vão contra suas crenças, e implementa totalmente o plano em fevereiro de 2011. [18]
                                        • Abril de 2008 - Obama fala desrespeitosamente dos cristãos, dizendo que eles “se apegam a armas ou religião” e têm uma “antipatia por pessoas que não são como eles”. [19]

                                        2. Atos de hostilidade dos militares liderados por Obama em relação às pessoas de fé bíblica:

                                          • Outubro de 2013 - Um briefing de contra-inteligência em Fort Hood diz aos soldados que os cristãos evangélicos são uma ameaça para os americanos e que um soldado doar para tal grupo "era punível segundo os regulamentos militares". [20]
                                            • Outubro de 2013 - padres católicos contratados para servir como capelães militares são proibidos de realizar missas nas capelas da base durante a paralisação financeira do governo. Quando eles se ofereceram para fazer missa livremente pelos soldados, independentemente de se os capelães estavam recebendo ou não pagamento, eles ainda não tiveram permissão para fazê-lo. [21]
                                              • Agosto de 2013 & # 8211 Um manual de treinamento militar do Departamento de Defesa ensina aos soldados que as pessoas que falam sobre & # 8220 liberdades individuais, direitos & # 8217 e como tornar o mundo um lugar melhor & # 8221 são & # 8220 extremistas. & # 8221 Também lista os Pais Fundadores & # 8212 aqueles & # 8220 colonos que buscaram se libertar do domínio britânico & # 8221 & # 8212 como exemplos daqueles envolvidos em & # 8220 ideologias e movimentos extremistas. & # 8221 [22]
                                                • Agosto de 2013 & # 8211 Um sargento sênior foi removido de seu cargo e transferido porque disse a sua comandante abertamente lésbica que ela não deveria punir um sargento que expressasse suas opiniões a favor do casamento tradicional. [23]
                                                  • Agosto de 2013 & # 8211 Os militares não fornecem aos casais heterossexuais licença remunerada específica para viajar a um estado apenas com o propósito de se casar, mas estendeu esses benefícios aos casais homossexuais que desejam se casar, dando-lhes tratamento preferencial não disponível para heterossexuais. [24]
                                                    • Agosto de 2013 & # 8211 A Força Aérea, em meio a ter lançado uma série de ataques contra aqueles que expressavam pontos de vista religiosos ou morais tradicionais, convidou um grupo de drag queen para se apresentar em uma base. [25]
                                                      • Julho de 2013 & # 8211 Quando um sargento da Força Aérea com anos de serviço militar questionou uma cerimônia de casamento do mesmo sexo realizada na capela da Academia da Força Aérea & # 8217s, ele recebeu uma carta de reprimenda dizendo que se ele discordasse, ele precisava sair dos militares. Seu atual realistamento de seis anos foi então reduzido para apenas um ano, com a notificação de que ele & # 8220 estaria preparado para se aposentar no final deste ano. & # 8221 [26]
                                                        • Julho de 2013 & # 8211 Um capelão da Força Aérea que postou um artigo no site sobre a importância da fé e a origem da frase & # 8220Não há ateus em trincheiras & # 8221 foi oficialmente obrigado a remover sua postagem porque alguns ficaram ofendidos com o uso de aquela famosa frase da Segunda Guerra Mundial. [27]
                                                          • Junho de 2013 & # 8211 A Força Aérea dos EUA, em consulta com o Pentágono, removeu uma pintura inspiradora que por anos estava pendurada na Base Aérea de Mountain Home porque seu título era & # 8220Blessed Are The Peacemakers & # 8221 & # 8212 uma frase de Mateus 5: 9 na Bíblia. [28]
                                                            • Junho de 2013 - O governo Obama “se opõe veementemente” a uma emenda à Autorização de Defesa para proteger os direitos religiosos garantidos constitucionalmente de soldados e capelães, alegando que isso teria um “efeito adverso na boa ordem, disciplina, moral e cumprimento da missão”. [29]
                                                              • Junho de 2013 - Em uma base conjunta em Nova Jersey, um vídeo foi feito, baseado em um comercial do Super Bowl, para homenagear os primeiros sargentos. Ele afirmava: "No oitavo dia, Deus olhou para baixo em Sua criação e disse:‘ Preciso de alguém que cuide dos homens da Força Aérea ’. Então, Deus criou um Primeiro Sargento." Como o vídeo mencionava a palavra “Deus”, a Força Aérea exigiu que ele fosse removido. [30]
                                                                • Junho de 2013 - Um Sargento Mestre do Exército é repreendido, ameaçado de ação judicial e recebe um relatório de baixa eficiência, sendo informado de que “não era mais um jogador de equipe”, porque expressou seu apoio ao casamento tradicional em sua própria festa de promoção. [31]
                                                                  • Maio de 2013 & # 8211 O Pentágono anuncia que & # 8220 os membros da Força Aérea são livres para expressar suas crenças religiosas pessoais, desde que não incomodem os outros. & # 8220Proselitizar (induzir alguém a se converter à fé & # 8217s) ultrapassa essa linha, & # 8221 [32] afirmar se compartilhar a fé faz alguém se sentir desconfortável que pode ser uma ofensa corte-matrimonial [33] & # 8212 o equivalente militar de um crime civil.
                                                                    • May 2013 – An Air Force officer was actually made to remove a personal Bible from his own desk because it “might” appear that he was condoning the particular religion to which he belonged. [34]
                                                                      • April 2013 – Officials briefing U.S. Army soldiers placed “Evangelical Christianity” and “Catholicism” in a list that also included Al-Qaeda, Muslim Brotherhood, and Hamas as examples of “religious extremism.” [35]
                                                                        • April 2013 – The U.S. Army directs troops to scratch off and paint over tiny Scripture verse references that for decades had been forged into weapon scopes. [36]
                                                                          • April 2013 – The Air Force creates a “religious tolerance” policy but consults only a militant atheist group to do so — a group whose leader has described military personnel who are religious as ‘spiritual rapists’ and ‘human monsters’ [37] and who also says that soldiers who proselytize are guilty of treason and sedition and should be punished to hold back a “tidal wave of fundamentalists.” [38]
                                                                            • January 2013 – President Obama announced his opposition to a provision in the 2013 National Defense Authorization Act protecting the rights of conscience for military chaplains. [39]
                                                                              • June 2012 – Bibles for the American military have been printed in every conflict since the American Revolution, but the Obama Administration revokes the long-standing U. S. policy of allowing military service emblems to be placed on those military Bibles. [40]
                                                                                • May 2012 – The Obama administration opposed legislation to protect the rights of conscience for military chaplains who do not wish to perform same-sex marriages in violation of their strongly-held religious beliefs. [41]
                                                                                  • April 2012 – A checklist for Air Force Inns will no longer include ensuring that a Bible is available in rooms for those who want to use them. [42]
                                                                                    • February 2012 – The U. S. Military Academy at West Point disinvites three star Army general and decorated war hero Lieutenant General William G. (“Jerry”) Boykin (retired) from speaking at an event because he is an outspoken Christian. [43]
                                                                                      • February 2012 – The Air Force removes “God” from the patch of Rapid Capabilities Office (the word on the patch was in Latin: Dei). [44]
                                                                                        • February 2012 – The Army ordered Catholic chaplains not to read a letter to parishioners that their archbishop asked them to read. [45]
                                                                                          • November 2011 – The Air Force Academy rescinds support for Operation Christmas Child, a program to send holiday gifts to impoverished children across the world, because the program is run by a Christian charity. [46]
                                                                                            • November 2011 – President Obama opposes inclusion of President Franklin Roosevelt’s famous D-Day Prayer in the WWII Memorial. [47]
                                                                                              • November 2011 – Even while restricting and disapprobating Christian religious expressions, the Air Force Academy pays $80,000 to add a Stonehenge-like worship center for pagans, druids, witches and Wiccans at the Air Force Academy. [48]
                                                                                                • September 2011 – Air Force Chief of Staff prohibits commanders from notifying airmen of programs and services available to them from chaplains. [49]
                                                                                                  • September 2011 – The Army issues guidelines for Walter Reed Medical Center stipulating that “No religious items (i.e. Bibles, reading materials and/or facts) are allowed to be given away or used during a visit.” [50]
                                                                                                    • August 2011 – The Air Force stops teaching the Just War theory to officers in California because the course is taught by chaplains and is based on a philosophy introduced by St. Augustine in the third century AD – a theory long taught by civilized nations across the world (except now, America). [51]
                                                                                                      • June 2011 – The Department of Veterans Affairs forbids references to God and Jesus during burial ceremonies at Houston National Cemetery. [52]
                                                                                                      • January 2010 – Because of “concerns” raised by the Department of Defense, tiny Bible verse references that had appeared for decades on scopes and gunsights were removed. [53]

                                                                                                      3. Acts of hostility toward Biblical values:

                                                                                                        • August 2013 – Non-profit charitable hospitals, especially faith-based ones, will face large fines or lose their tax-exempt status if they don’t comply with new strangling paperwork requirements related to giving free treatment to poor clients who do not have Obamacare insurance coverage. [54] Ironically, the first hospital in America was founded as a charitable institution in 1751 by Benjamin Franklin, and its logo was the Good Samaritan, with Luke 10:35 inscribed below him: “Take care of him, and I will repay thee,” being designed specifically to offer free medical care to the poor. [55] Benjamin Franklin’s hospital would likely be fined unless he placed more resources and funds into paperwork rather than helping the poor under the new faith-hostile policy of the Obama administration.
                                                                                                          • August 2013 – USAID, a federal government agency, shut down a conference in South Korea the night before it was scheduled to take place because some of the presentations were not pro-abortion but instead presented information on abortion complications, including the problems of “preterm births, mental health issues, and maternal mortality” among women giving birth who had previous abortions. [56]
                                                                                                            • June 2013 – The Obama Administration finalizes requirements that under the Obamacare insurance program, employers must make available abortion-causing drugs, regardless of the religious conscience objections of many employers and even despite the directive of several federal courts to protect the religious conscience of employers. [57]
                                                                                                              • April 2013 – The United States Agency for Internal Development (USAID), an official foreign policy agency of the U.S. government, begins a program to train homosexual activists in various countries around the world to overturn traditional marriage and anti-sodomy laws, targeting first those countries with strong Catholic influences, including Ecuador, Honduras, and Guatemala. [58]
                                                                                                                • December 2012 – Despite having campaigned to recognize Jerusalem as Israel’s capital, President Obama once again suspends the provisions of the Jerusalem Embassy Act of 1995 which requires the United States to recognize Jerusalem as the capital of Israel and to move the American Embassy there. [59]
                                                                                                                  • July 2012 – The Pentagon, for the first time, allows service members to wear their uniforms while marching in a parade – specifically, a gay pride parade in San Diego. [60]
                                                                                                                    • October 2011 – The Obama administration eliminates federal grants to the U.S. Conference of Catholic Bishops for their extensive programs that aid victims of human trafficking because the Catholic Church is anti-abortion. [61]
                                                                                                                      • September 2011 – The Pentagon directs that military chaplains may perform same-sex marriages at military facilities in violation of the federal Defense of Marriage Act. [62]
                                                                                                                        • July 2011 – Obama allows homosexuals to serve openly in the military, reversing a policy originally instituted by George Washington in March 1778. [63]
                                                                                                                          • March 2011 – The Obama administration refuses to investigate videos showing Planned Parenthood helping alleged sex traffickers get abortions for victimized underage girls. [64]
                                                                                                                            • February 2011 – Obama directs the Justice Department to stop defending the federal Defense of Marriage Act. [65]
                                                                                                                              • September 2010 – The Obama administration tells researchers to ignore a judge’s decision striking down federal funding for embryonic stem cell research. [66]
                                                                                                                                • August 2010 – The Obama administration Cuts funding for 176 abstinence education programs. [67]
                                                                                                                                  • July 2010 – The Obama administration uses federal funds in violation of federal law to get Kenya to change its constitution to include abortion. [68]
                                                                                                                                    • September 16, 2009 – The Obama administration appoints as EEOC Commissioner Chai Feldblum, who asserts that society should “not tolerate” any “private beliefs,” including religious beliefs, if they may negatively affect homosexual “equality.” [69]
                                                                                                                                      • July 2009 – The Obama administration illegally extends federal benefits to same-sex partners of Foreign Service and Executive Branch employees, in direction violation of the federal Defense of Marriage Act. [70]
                                                                                                                                        • May 2009 – The White House budget eliminates all funding for abstinence-only education and replaces it with “comprehensive” sexual education, repeatedly proven to increase teen pregnancies and abortions. [71] He continues the deletion in subsequent budgets. [72]
                                                                                                                                          • May 2009 – Obama officials assemble a terrorism dictionary calling pro-life advocates violent and charging that they use racism in their “criminal” activities. [73]
                                                                                                                                            • March 2009 – The Obama administration shut out pro-life groups from attending a White House-sponsored health care summit. [74]
                                                                                                                                              • March 2009 – Obama orders taxpayer funding of embryonic stem cell research. [75]
                                                                                                                                                • March 2009 – Obama gave $50 million for the UNFPA, the UN population agency that promotes abortion and works closely with Chinese population control officials who use forced abortions and involuntary sterilizations. [76]
                                                                                                                                                  • January 2009 – Obama lifts restrictions on U.S. government funding for groups that provide abortion services or counseling abroad, forcing taxpayers to fund pro-abortion groups that either promote or perform abortions in other nations. [77]
                                                                                                                                                    • January 2009 – President Obama’s nominee for deputy secretary of state asserts that American taxpayers are required to pay for abortions and that limits on abortion funding are unconstitutional. [78]

                                                                                                                                                    4. Acts of preferentialism for Islam:

                                                                                                                                                      • February 2012 – The Obama administration makes effulgent apologies for Korans being burned by the U. S. military, [79] but when Bibles were burned by the military, numerous reasons were offered why it was the right thing to do. [80]
                                                                                                                                                        • October 2011 – Obama’s Muslim advisers block Middle Eastern Christians’ access to the White House. [81]
                                                                                                                                                          • August 2010 – Obama speaks with great praise of Islam and condescendingly of Christianity. [82]
                                                                                                                                                            • August 2010 – Obama went to great lengths to speak out on multiple occasions on behalf of building an Islamic mosque at Ground Zero, while at the same time he was silent about a Christian church being denied permission to rebuild at that location. [83]
                                                                                                                                                              • April 2010 – Christian leader Franklin Graham is disinvited from the Pentagon’s National Day of Prayer Event because of complaints from the Muslim community. [84]
                                                                                                                                                                • April 2010 – The Obama administration requires rewriting of government documents and a change in administration vocabulary to remove terms that are deemed offensive to Muslims, including jihad, jihadists, terrorists, radical Islamic, etc. [85]
                                                                                                                                                                  • May 2009 – While Obama does not host any National Day of Prayer event at the White House, he does host White House Iftar dinners in honor of Ramadan. [86]
                                                                                                                                                                    • 2010 – While every White House traditionally issues hundreds of official proclamations and statements on numerous occasions, this White House avoids traditional Biblical holidays and events but regularly recognizes major Muslim holidays, as evidenced by its 2010 statements on Ramadan, Eid-ul-Fitr, Hajj, and Eid-ul-Adha. [87]

                                                                                                                                                                    Many of these actions are literally unprecedented – this is the first time they have happened in four centuries of American history. The hostility of President Obama toward Biblical faith and values is without equal from any previous American president.


                                                                                                                                                                    Barack Obama and Joe Biden’s Plan

                                                                                                                                                                    On health care reform, the American people are too often offered two extremes – government-run health care with higher taxes or letting the insurance companies operate without rules. Barack Obama and Joe Biden believe both of these extremes are wrong, and that’s why they’ve proposed a plan that strengthens employer coverage, makes insurance companies accountable and ensures patient choice of doctor and care without government interference.

                                                                                                                                                                    The Obama-Biden plan provides affordable, accessible health care for all Americans, builds on the existing health care system, and uses existing providers, doctors and plans to implement the plan. Under the Obama-Biden plan, patients will be able to make health care decisions with their doctors, instead of being blocked by insurance company bureaucrats.

                                                                                                                                                                    Under the plan, if you like your current health insurance, nothing changes, except your costs will go down by as much as $2,500 per year.

                                                                                                                                                                    If you don’t have health insurance, you will have a choice of new, affordable health insurance options.

                                                                                                                                                                    Make Health Insurance Work for People and Businesses – Not Just Insurance and Drug Companies.

                                                                                                                                                                    • Require insurance companies to cover pre-existing conditions so all Americans regardless of their health status or history can get comprehensive benefits at fair and stable premiums.
                                                                                                                                                                    • Create a new Small Business Health Tax Credit to help small businesses provide affordable health insurance to their employees.
                                                                                                                                                                    • Lower costs for businesses by covering a portion of the catastrophic health costs they pay in return for lower premiums for employees.
                                                                                                                                                                    • Prevent insurers from overcharging doctors for their malpractice insurance and invest in proven strategies to reduce preventable medical errors.
                                                                                                                                                                    • Make employer contributions more fair by requiring large employers that do not offer coverage or make a meaningful contribution to the cost of quality health coverage for their employees to contribute a percentage of payroll toward the costs of their employees health care.
                                                                                                                                                                    • Establish a National Health Insurance Exchange with a range of private insurance options as well as a new public plan based on benefits available to members of Congress that will allow individuals and small businesses to buy affordable health coverage.
                                                                                                                                                                    • Ensure everyone who needs it will receive a tax credit for their premiums.

                                                                                                                                                                    Reduce Costs and Save a Typical American Family up to $2,500 as reforms phase in:

                                                                                                                                                                    • Lower drug costs by allowing the importation of safe medicines from other developed countries, increasing the use of generic drugs in public programs and taking on drug companies that block cheaper generic medicines from the market
                                                                                                                                                                    • Require hospitals to collect and report health care cost and quality data
                                                                                                                                                                    • Reduce the costs of catastrophic illnesses for employers and their employees.
                                                                                                                                                                    • Reform the insurance market to increase competition by taking on anticompetitive activity that drives up prices without improving quality of care.

                                                                                                                                                                    The Obama-Biden plan will promote public health. It will require coverage of preventive services, including cancer screenings, and increase state and local preparedness for terrorist attacks and natural disasters.

                                                                                                                                                                    A Commitment to Fiscal Responsibility: Barack Obama will pay for his $50 – $65 billion health care reform effort by rolling back the Bush tax cuts for Americans earning more than $250,000 per year and retaining the estate tax at its 2009 level.

                                                                                                                                                                    Latinos push for Cabinet posts

                                                                                                                                                                    Weeks before Barack Obama won the presidency, he met privately in Washington with his former Democratic rival, Sen. Hillary Rodham Clinton of New York, and Latino political leaders who had fervently backed her bid.

                                                                                                                                                                    The cards were laid upon the table, according to one of the participants. The Hispanic leaders said they expected at least two Latinos to be named to an Obama Cabinet — meeting the standard set by President-elect Bill Clinton in 1992 — but preferred three. Of course, they also wanted sub-Cabinet-level posts.

                                                                                                                                                                    In return, Obama needed assurances that Hispanics — who had overwhelmingly voted for Clinton during the Democratic primaries — would be mobilized in large enough numbers to make him the winner in the battleground states of Nevada , Colorado , New Mexico and Florida .

                                                                                                                                                                    On Election Day , Obama won all four states over Republican John McCain largely because of the Latino vote.

                                                                                                                                                                    Florida Hispanics voted 57 percent-42 percent for Obama, 1 percentage point more than they gave President Bush in 2004. In Colorado, Obama’s Latino margin was 73-27, in Nevada it was 76-22 and in New Mexico, 69 percent of Hispanics backed Obama versus 30 percent for McCain, according to news media exit polls.

                                                                                                                                                                    Latinos in Virginia , another key state, also picked Obama by a 2-1 margin. Nationally, only 30 percent of Hispanics backed McCain, 10 points lower than for Bush in the last election.

                                                                                                                                                                    Hispanics delivered. Now the question is, how much can Latinos expect from Obama?

                                                                                                                                                                    The president-elect has not made any firm commitments. During a speech to the Congressional Hispanicoba Caucus Institute in September, he asked for their policy ideas and their votes and added, “When I’m president, I’ll be asking many of you to serve at every level of government.”

                                                                                                                                                                    Cecilia Munoz, vice president of National Council of La Raza , said, “It’s a foregone conclusion that we should be at the table for policy debates and in a position of authority,” because Hispanics are affected by major issues facing all voters. Latinos will be prominent in an Obama administration “just as we would be in any administration moving forward,” she added.

                                                                                                                                                                    But as the first African-American elected to the presidency, Obama is expected to face enormous pressures from various interests — women, Asian-Americans, Latinos and especially African-Americans — for top positions in his administration.

                                                                                                                                                                    History also has taught Latinos to take nothing for granted.

                                                                                                                                                                    In 1964, President Johnson ’s top adviser, Jack Valenti , cut down a group of Latinos seeking presidential appointments. “You have one percent of the vote, so you have one percent of my attention,” Raul Yzaguirre recalled Valenti saying. Yzaguirre is the past president of National Council of La Raza and head of Arizona State University’s Center for Community Development and Civil Rights .

                                                                                                                                                                    In 1992, Bill Clinton promised during his campaign “to give you an administration that looks like America.” But when a delegation of Hispanic leaders met with his transition chairman, Vernon Jordan , he curtly noted that Latinos had not struggled for civil rights as blacks had, and they would “have to stand in line,” attendees later recalled.

                                                                                                                                                                    No one expects that to happen now. As Tuesday’s election results reflected, times have changed. Latino civil rights groups estimate that at least 10 million Hispanics voted Tuesday, up 32 percent from 2004.

                                                                                                                                                                    Any diminishment of the Hispanic presence in today’s society and politics “would be a colossal mistake,” said Arturo Vargas, executive director of National Association of Latino Elected and Appointed Officials . “Latinos have demonstrated they can have an impact.”

                                                                                                                                                                    After being “kept out” of government, Hispanic leaders maintained now is their time to “catch up” and claim their share of seats at the policy tables of major federal agencies.

                                                                                                                                                                    Hispanics have slowly gained positions at the White House , said Paul Light , a New York University professor who studies presidential appointments.

                                                                                                                                                                    In Clinton’s initial round of appointments to Cabinet and sub-Cabinet positions, Hispanics made up 6 percent. In 2001, 8 percent of Bush’s nominees were Hispanic, Light said.

                                                                                                                                                                    “Hispanics have a reasonable claim to be in positions that have nothing to do with being Hispanic,” Light said. “They don’t want to be shunted aside and they deserve that consideration.”

                                                                                                                                                                    Before the election, two dozen groups that make up the National Hispanic Leadership Agenda turned over to Obama and John McCain policy recommendations that included adding more Hispanics to the federal workforce, increasing Hispanic political appointments and naming more Latinos to the federal bench.

                                                                                                                                                                    The coalition will be collecting résumés to submit to Obama’s transition team. “It behooves us to not just suggest that the administration hire Latinos. We need to also provide good candidates,” said Peter Zamora of the Mexican American Legal Defense and Educational Fund.

                                                                                                                                                                    NALEO’s Vargas worries that, early on, the only names usually mentioned for peterpossible appointment to the Obama administration are New Mexico Gov. Bill Richardson and Obama’s Hispanic adviser Federico Pena — two Democrats who previously served in the Clinton administration.

                                                                                                                                                                    One open question is whether Obama’s inside circle of advisers will be tempted to consider another factor. Hispanics were with Bill Clinton from the start of his presidential campaign and were widely appreciated by Bush, who could not have won the White House without them. Though Latino voters heartily backed Obama on Election Day , many were with Hillary Clinton first .

                                                                                                                                                                    Yzaguirre said he and others addressed that issue frankly with Obama at their meeting several weeks ago. “We said, ‘Look, if you are going to see us as late-comers, that’s not going to work. If you see us as partners from here on, we will have a good relationship.’ And he said he welcomed our support,” Yzaguirre said.

                                                                                                                                                                    Obama promised to listen to them. In coming days, the president-elect and his advisers will get an earful.

                                                                                                                                                                    Gebe Martinez is a longtime journalist in Washington and a frequent lecturer and commentator on the policy and politics of Capitol Hill.

                                                                                                                                                                    Obama calls for swift action on economy

                                                                                                                                                                    President-elect Obama said Friday that the country is facing the greatest economic challenge of our lifetime and “we’re going to have to act swiftly to resolve it.”

                                                                                                                                                                    However in his first news conference since winning the presidency Tuesday, Obama deferred to President Bush and his economic team, noting that the country has only one government and one president at a time.

                                                                                                                                                                    He said the Congress needs to pass an economic stimulus measure either before or just after he takes office in January.

                                                                                                                                                                    But, he said, “immediately after I become president I will confront this economic crisis head-on by taking all necessary steps to ease the credit crisis, help hardworking families , and restore growth and prosperity.”

                                                                                                                                                                    “I’m confident a new president can have an enormous impact,” he added.

                                                                                                                                                                    The president-elect spoke after he and Vice President-elect Joe Biden met privately with economic experts to discuss ways to stabilize the troubled economy.

                                                                                                                                                                    More evidence of a recession came Friday when the government reported that the unemployment rate had jumped from 6.1 percent in September to 6.5 percent in October. Despite dour third-quarter reports from Ford and General Motors, stocks rose some after two days of heavy losses.

                                                                                                                                                                    Obama’s transition to power and early days in office, if not the entire first year of his presidency, almost certainly will be devoted to finding ways to remedy dismal economic conditions. The economy was the top concern of voters demanding a new direction as they ushered into office the Democrat who promised change after eight years of Bush’s policies.

                                                                                                                                                                    He said he will review a letter from Iran’s leader but refrained from directly responding to it. It’s not something “that we should simply do in a knee-jerk fashion,” he said.

                                                                                                                                                                    “We only have one president at a time,” Obama said, adding that he wants to be careful to send the signal to the world that “I’m not the president and I won’t be until Jan. 20.”o

                                                                                                                                                                    Today in History – Nov. 7

                                                                                                                                                                    Today is Friday, Nov. 7, the 312th day of 2008. There are 54 days left in the year.

                                                                                                                                                                    Destaque de hoje na história:

                                                                                                                                                                    On Nov. 7, 1917, Russia’s Bolshevik Revolution took place as forces led by Vladimir Ilyich Lenin overthrew the provisional government of Alexander Kerensky .

                                                                                                                                                                    In 1874, the Republican Party was symbolized as an elephant in a cartoon drawn by Thomas Nast in Harper’s Weekly .

                                                                                                                                                                    In 1893, the state of Colorado granted women there the right to vote.

                                                                                                                                                                    In 1916, Republican Jeannette Rankin of Montana became the first woman elected to Congress.

                                                                                                                                                                    In 1918, during World War I , an erroneous report that an armistice had been signed set off celebrations across the country.

                                                                                                                                                                    In 1940, in Washington state , the Tacoma Narrows Bridge , nicknamed “Galloping Gertie,” collapsed during a windstorm.

                                                                                                                                                                    In 1944, President Roosevelt won an unprecedented fourth term in office, defeating Thomas E. Dewey.

                                                                                                                                                                    In 1962, Richard M. Nixon , having lost California ‘s gubernatorial race, held what he called his “ last press conference ,” telling reporters, “You won’t have Nixon to kick around anymore.”

                                                                                                                                                                    In 1967, President Johnson signed a bill establishing the Corporation for Public Broadcasting .

                                                                                                                                                                    In 1972, President Nixon was re-elected in a landslide over Democrat George McGovern .

                                                                                                                                                                    In 1973, Congress overrode President Nixon’s veto of the War Powers Act, which limits a chief executive’s power to wage war without congressional approval.

                                                                                                                                                                    Ten years ago: John Glenn returned to Earth aboard the space shuttle Discovery , visibly weak but elated after a nine-day mission. A scant four years after leading Republicans to glory, House Speaker Newt Gingrich announced he would resign not just his speakership but also his seat in the House.

                                                                                                                                                                    Five years ago: Six U.S. soldiers were killed in the crash of their Black Hawk helicopter in Tikrit, Iraq . The defending champion U.S. baseball team failed to qualify for the 2004 Athens Olympics, losing to Mexico 2-1 in the quarterfinals of a qualifying tournament in Panama City, Panama .

                                                                                                                                                                    One year ago: An 18-year-old gunman opened fire at his high school in Tuusula, Finland, killing seven other students and the principal before taking his own life. A cargo ship struck the San Francisco-Oakland Bay Bridge , causing the San Francisco Bay’s worst oil spill in nearly two decades. Space shuttle Discovery and its crew returned to Earth, concluding a 15-day space station build-and-repair mission. At the Country Music Association Awards , Kenny Chesney won his second straight entertainer of the year award, while Carrie Underwood made it back-to-back trophies as female vocalist of the year.

                                                                                                                                                                    Today’s Birthdays: Evangelist Billy Graham is 90. Opera singer Dame Joan Sutherland is 82. Actor Barry Newman is 70. Singer Johnny Rivers is 66. Singer-songwriter Joni Mitchell is 65. Singer Nick Gilder is 57. Actor Christopher Knight (“ The Brady Bunch “) is 51. Actress Julie Pinson is 41. Rock musician Greg Tribbett (Mudvayne) is 40. Actor Christopher Daniel Barnes is 36. Actors Jeremy and Jason London are 36. Actress Yunjin Kim (“Lost”) is 35. Rock musician Zach Myers ( Shinedown ) is 25.

                                                                                                                                                                    Thought for Today: “Vanity is as ill at ease under indifference, as tenderness is under the love which it cannot return.” — George Eliot , English author (1819-1880).

                                                                                                                                                                    Michelle Obama’s election outfit gets dressing down

                                                                                                                                                                    All ears were listening to President-elect Barack Obama ‘s victory speech this week but fashion-watchers were looking closely at his wife Michelle’s dress — and the verdict was not so good.

                                                                                                                                                                    Despite comparisons during the campaign to stylish 1960s first lady Jacqueline Kennedy , Michelle Obama was derided in opinion polls for her choice of a black and neon-red dress from Narciso Rodriguez ‘s spring 2009 ready-to-wear collection.

                                                                                                                                                                    In an online poll by USA Today , 65 percent of more than 10,000 readers believed the Harvard-educated corporate lawyer and future first lady “had an off day” and 35 percent said “She looks fantastic as always.”

                                                                                                                                                                    An online poll by People magazine mirrored those results, while a Los Angeles Times online poll found 45 percent hated the dress and 34 percent loved it.

                                                                                                                                                                    “The normally impeccable Michelle O made a questionable choice for her husband’s historic election night victory,” wrote Lesley Scott , editor of fashion and lifestyle blog http://www.fashiontribes.com . “It’s less than flattering.”

                                                                                                                                                                    “However, every fashionista worth her salt takes risks,” Scott said, “which means the occasional misstep.”

                                                                                                                                                                    Not everyone disliked Obama’s choice, which was shown on the catwalk only two months ago and is not yet available in stores. New York magazine hailed Obama for being able to hold her own against France’s first lady Carla Bruni-Sarkozy, a former supermodel.

                                                                                                                                                                    “We have a feeling she’ll continue to mix affordable pieces with designer pieces as First Lady , but this wardrobe choice proves this woman knows fashion and we have an exciting four years of political fashion ahead of us,” the magazine said.

                                                                                                                                                                    “What will she choose for the inaugural ball? The suspense is so exciting! And you know what else is great about this? We don’t have to envy France for Carla Bruni anymore!”

                                                                                                                                                                    Interest in Obama’s fashion has soared since she won particular praise for the purple sheath dress and black belt she wore in June when her husband clinched the nomination as the Democratic Party ‘s presidential candidate .

                                                                                                                                                                    While Republican candidate John McCain’s wife Cindy and his vice presidential running mate Sarah Palin drew criticism for their high-end wardrobes, Obama won fans for affordable style.

                                                                                                                                                                    Obama wore a $150 dress on “The View” talk show, which became an instant hit. For “ The Tonight Show with Jay Leno ” last week, she donned an outfit from chain store J.Crew.

                                                                                                                                                                    She has even inspired a website — http://www.mrs-o.org — dedicated to taking “a regular look at what and who she’s wearing” and encouraging enthusiasm for “the budding style icon, Mrs O.”

                                                                                                                                                                    Obama already has a fashion track record, appearing in Vogue and being named twice on Vanity Fair ‘s international best-dressed list.

                                                                                                                                                                    Names surface for top Obama administration jobs

                                                                                                                                                                    President-elect Obama is weighing an array of Washington insiders and outsiders, including some Republicans, for top administration posts, according to Democratic officials.

                                                                                                                                                                    Obama has signaled that he will make no Cabinet-level appointments immediately, and his deliberations are tightly held by his closest aides. But that hasn’t stopped Democrats and interest groups from circulating lists and offering recommendations to the Obama transition team.

                                                                                                                                                                    Some are surprising, such as former Bush Secretary of State Colin Powell as possible education secretary . Others are high-profile governors or members of Congress. Yet many are also little known to the general public — and may remain so.

                                                                                                                                                                    Obama has less than 11 weeks to staff his new administration. Some names often mentioned as possible appointees to top posts:

                                                                                                                                                                    Defense Secretary Robert Gates .

                                                                                                                                                                    Former Navy Secretary Richard Danzig .

                                                                                                                                                                    Sen. Chuck Hagel , R-Neb., critic of Iraq war , retiring from Senate.

                                                                                                                                                                    Sen. Jack Reed , D-R.I., member of Senate Armed Services Committee.

                                                                                                                                                                    Timothy Geithner , president of Federal Reserve Bank of New York .

                                                                                                                                                                    Former Federal Reserve Chairman Paul Volcker .

                                                                                                                                                                    Lawrence Summers , former treasury secretary and one-time Harvard University president .

                                                                                                                                                                    Gov. Bill Richardson , D-N.M., former U.N. ambassador and energy secretary.

                                                                                                                                                                    Sen. John Kerry , D-Mass., 2004 presidential nominee.

                                                                                                                                                                    Sen. Richard Lugar , R-Ind., former chairman of Senate Foreign Relations Committee .

                                                                                                                                                                    Sen. Chuck Hagel, R-Neb., critic of Iraq war, retiring from Senate.

                                                                                                                                                                    Eric Holder, former deputy attorney general .

                                                                                                                                                                    Arizona Gov. Janet Napolitano .

                                                                                                                                                                    Rep. Artur Davis , D-Ala., member of House Judiciary Committee.

                                                                                                                                                                    Massachusetts Gov. Deval Patrick , former assistant U.S. attorney for civil rights .

                                                                                                                                                                    Former Rep. Philip Sharp, D-Ind., president of Resources for the Future think tank.

                                                                                                                                                                    Kansas Gov. Kathleen Sebelius .

                                                                                                                                                                    Lisa P. Jackson, commissioner of New Jersey Department of Environmental Protection .

                                                                                                                                                                    Mary Nichols, head of California Air Resources Board .

                                                                                                                                                                    Kathleeen McGinty, former secretary of Pennsylvania Department of Environmental Protection.

                                                                                                                                                                    HEALTH AND HUMAN SERVICES SECRETARY

                                                                                                                                                                    Former Senate Majority Leader Tom Daschle , D-S.D.

                                                                                                                                                                    Howard Dean , chairman of Democratic National Committee , physician, former Vermont governor.

                                                                                                                                                                    Kansas Gov. Kathleen Sebelius.

                                                                                                                                                                    Jane Garvey, former head of Federal Aviation Administration .

                                                                                                                                                                    Rep. James Oberstar , D-Minn., chairman of House transportation committee.

                                                                                                                                                                    Mortimer Downey, former deputy transportation secretary.

                                                                                                                                                                    Former Oregon Gov. John Kitzhaber .

                                                                                                                                                                    Former Alaska Gov. Tony Knowles .

                                                                                                                                                                    Sen. Ken Salazar , D-Colo., former executive director of Colorado Natural Resources Department .

                                                                                                                                                                    HOMELAND SECURITY SECRETARY

                                                                                                                                                                    James Lee Witt , former FEMA director.

                                                                                                                                                                    Los Angeles Police Chief Bill Bratton.

                                                                                                                                                                    Former New Jersey Gov. Tom Kean, chairman of 9/11 commission.

                                                                                                                                                                    Rep. Jane Harman , D-Calif., chairwoman of Homeland Security intelligence subcommittee.

                                                                                                                                                                    NATIONAL SECURITY ADVISER

                                                                                                                                                                    James B. Steinberg, former deputy national security adviser.

                                                                                                                                                                    Susan Rice, former assistant secretary of state for African affairs .

                                                                                                                                                                    Colin Powell , former secretary of state, former chairman of Joint Chiefs of Staff .

                                                                                                                                                                    Former North Carolina Gov. Jim Hunt .

                                                                                                                                                                    Arne Duncan , chief executive officer of Chicago public schools .

                                                                                                                                                                    Inez Tenenbaum , former South Carolina schools superintendent .

                                                                                                                                                                    Tom Buis, president of National Farmers Union.

                                                                                                                                                                    Former Iowa Gov. Tom Vilsack .

                                                                                                                                                                    Rep. Collin Peterson , D-Minn., chairman of House Agriculture Committee.

                                                                                                                                                                    OFFICE OF BUDGET AND MANAGEMENT DIRECTOR

                                                                                                                                                                    Rep. John Spratt Jr ., D-S.C., chairman of House Budget Committee.

                                                                                                                                                                    Gene Sperling , economic aide to President Clinton .

                                                                                                                                                                    Jason Furman, Obama ‘s campaign economic policy director .

                                                                                                                                                                    HOUSING AND URBAN DEVELOPMENT SECRETARY

                                                                                                                                                                    Valerie Jarrett , Obama friend, chairman and CEO of Habitat Co.

                                                                                                                                                                    Rep. George Miller , D-Calif., chairman of House Education and Labor Committee.

                                                                                                                                                                    Former Rep. David Bonior, member of Obama’s Transition Economic Advisory Board .

                                                                                                                                                                    Andy Stern , president of Service Employees International Union .

                                                                                                                                                                    Obama’s day on Wall Street

                                                                                                                                                                    visit here would be a huge step toward familiarizing yourself with the crisis that will define most of your first term as president. Mishandle it, and this could be your only term.

                                                                                                                                                                    JPM 37.00 , -1.26 , -3.3% ) , Ken Lewis of Bank of America Corp. (BAC:

                                                                                                                                                                    BAC 20.24 , +0.12 , +0.6% ) , Lloyd Blankfein of Goldman Sachs Group (GS:


                                                                                                                                                                    Assista o vídeo: President Kagame meets with US President Donald Trump at World Economic Forum in Davos (Janeiro 2022).