Em formação

Gisborough Priory



Gisborough Priory

Na freguesia de Guisborough.
No histórico condado de Yorkshire.
Autoridade Moderna de Redcar e Cleveland.
Condado de 1974 de Cleveland.
Condado medieval de Yorkshire North Riding.

Referência da grade do mapa do sistema operacional: NZ61691608
Latitude 54.53631 & deg Longitude -1.04976 & deg

O Priorado de Gisborough foi descrito como um provável local Eclesiástico Fortificado.

Este local é um monumento tombado protegido por lei. Este é um edifício listado de Grau 1 protegido por lei *.

Licença para crenelar supostamente dada para cercar e embater no priorado em 1376. Jackson escreve & quotEste muro e uma vala cercados de cerca de noventa acres e tinham dois portões. & Quot

Esta suposta licença é não inscrito, embora seja mencionado (mas não referenciado) em várias fontes, incluindo o livro-guia do patrimônio inglês, embora às vezes datado de 1375. É notório que o VCH não menciona essa suposta licença. O grande portão normando sobreviveu, embora tenha sido destruído. Este claramente não é defensivo e não tem uma ponte levadiça ou levadiça, a parede do recinto sobrevive apenas em fragmentos. É muito longo para ser defensável. O prior recebeu uma licença para seu mansum de Giseburgh em 1344, mas a redação deste sugere um edifício separado do Priory que Gatehouse provisoriamente identifica como uma casa perdida em War Fields (ver Gisborough Castle and Priors House). É bem possível que a suposta licença de 49 Eduardo III seja uma leitura incorreta de 18 Eduardo III, embora seja difícil ver como tal leitura incorreta poderia acontecer em algarismos árabes ou romanos.
Observe que a cidade moderna se escreve Guisborough, mas a abadia mantém uma grafia mais antiga Gisborough.

Links para bancos de dados arqueológicos e arquitetônicos, mapeamento e outros recursos online


Gisborough Priory

O Priorado de Gisborough é um Priorado Agostiniano fundado em 1119 por Robert de Brus. Foi destruída por um incêndio, mas reconstruída em 1289. Foi dissolvida em 1539 e agora é uma ruína dominada pelo East End sobrevivente. Ele está localizado no centro da cidade de Guisborough, está sob os cuidados do English Heritage, mas é administrado pelo Gisborough Priory Project.

As ruínas do priorado vistas do oeste.

O East End visto do oeste.

O East End visto do sul.

Os restos da passagem de serviço.

Vista das ruínas da passagem de serviço mostrando a igreja paroquial adjacente.

Entre em contato conosco

Se você deseja entrar em contato conosco, clique na caixa abaixo.

Se desejar ser informado sobre as atualizações do site e os próximos eventos históricos, basta nos fornecer seu endereço de e-mail e nós o manteremos informado.


Razões para agendamento

Desde o tempo da missão de Santo Agostinho para restabelecer o Cristianismo em 597 DC
ao reinado de Henrique VIII, o monaquismo formou uma faceta importante de ambos
vida religiosa e secular nas Ilhas Britânicas. Assentamentos de religiosos
comunidades, incluindo mosteiros, foram construídas para abrigar comunidades de monges,
cônegos (padres), e às vezes irmãos leigos, vivendo uma vida comum de
observância religiosa sob alguma forma de disciplina sistemática. É estimado
a partir de evidências documentais de que mais de 700 mosteiros foram fundados na Inglaterra.
Estes variam em tamanho, desde grandes comunidades com várias centenas de membros até
pequenos estabelecimentos com um punhado de irmãos. Eles pertenciam a uma ampla
variedade de ordens religiosas diferentes, cada uma com sua filosofia. Como um
resultado, eles variam consideravelmente nos detalhes de sua aparência e layout,
embora todos possuam os elementos básicos da igreja, acomodação doméstica para
comunidade e edifícios de trabalho. Os mosteiros foram inextricavelmente entrelaçados em
a estrutura da sociedade medieval, atuando não apenas como centros de adoração,
aprendizagem e caridade, mas também, por causa das vastas propriedades de alguns
ordens, como centros de imensa riqueza e influência política. Eles eram
estabelecidas em todas as partes da Inglaterra, algumas em cidades e outras nas regiões mais remotas
de áreas. Muitos mosteiros atuaram como focos de amplas redes, incluindo paróquias
igrejas, casas de caridade, hospitais, propriedades agrícolas e aldeias de inquilinos. Alguns 225
dessas casas religiosas pertenciam à ordem de Santo Agostinho. o
Os agostinianos não eram monges em sentido estrito, mas sim comunidades de
cânones - ou padres - vivendo sob o governo de Santo Agostinho. Na inglaterra eles
veio a ser conhecido como 'canhões negros' por causa de suas vestes de cor escura e para
distingui-los dos cistercienses que usavam roupas leves. A partir do dia 12
século em diante, eles empreenderam um trabalho muito valioso nas paróquias, executando
casas de caridade, escolas e hospitais, bem como manutenção e pregação em
igrejas paroquiais. Foi das igrejas que eles derivaram muito de seus
receita. Os agostinianos deram uma grande contribuição para muitas facetas da cultura medieval
vida e todos os seus mosteiros que exibem sobrevivência significativa
vestígios arqueológicos são dignos de proteção.

Gisborough Priory foi uma das primeiras 20 casas de cônegos regulares a ser
fundada neste país e foi uma das primeiras no norte. Foi o
maior fundação do norte e desempenhou um papel importante na primeira onda de
assentamento monástico medieval, e permaneceu um dos mais ricos
mosteiros até a dissolução. Embora tenha poucos restos de pé,
escavações e levantamento geofísico mostraram que uma grande variedade de monastérios
edifícios e características sobrevivem extensivamente em todas as áreas abertas de seu
delegacia. Além disso, a extremidade leste sobrevivente da igreja do priorado é extremamente
bem preservado e é um dos melhores exemplos da arquitetura gótica inicial
na existência. A janela leste é uma das maiores de sua data no
país. De igual importância é o grande corpo de evidências documentais
associado ao priorado.


Mosteiros semelhantes ou semelhantes a Gisborough Priory

Cidade e freguesia no lado sul do rio Tees em North Yorkshire, Inglaterra, no distrito de Redcar e Cleveland, tendo anteriormente formado o seu próprio distrito real como um distrito de North Riding of Yorkshire. O bairro de Guisborough tinha uma população de 7.662 no censo de 2011. Wikipedia

Condado histórico do norte da Inglaterra e o maior do Reino Unido. Devido ao seu grande tamanho em comparação com outros condados ingleses, as funções foram assumidas ao longo do tempo por suas subdivisões, que também foram sujeitas a reformas periódicas. Wikipedia

As ruínas de Kirkham Priory estão situadas nas margens do rio Derwent, em Kirkham, North Yorkshire, Inglaterra. Fundado na década de 1120 por Walter l & # x27Espec, senhor da vizinha Helmsley, que também construiu a Abadia de Rievaulx. Wikipedia

Priorado medieval dos cânones agostinianos regulares na vila de Bradenstoke, Wiltshire, Inglaterra. Em uma crista acima do lado sul do Vale Dauntsey. Wikipedia

A Abadia de Bolton em Wharfedale, North Yorkshire, Inglaterra, leva o nome das ruínas do mosteiro agostiniano do século 12, agora conhecido como Priorado de Bolton. Em Yorkshire Dales, próximo à aldeia de Bolton Abbey. Wikipedia

Mansão do século 19, agora um hotel, em Guisborough, Redcar e Cleveland, Inglaterra. Edifício listado como Grau II. Wikipedia

Castelo em ruínas com vista para o vale de Kilton Beck, perto da vila de Kilton, no condado histórico de North Riding of Yorkshire, na Inglaterra. Construída no século XII, foi descrita como em estado de ruína no século XIV, estando totalmente abandonada no século XVI. Wikipedia

Priorado inglês das canoneiras agostinianas, agora em ruínas, em Shropshire, na freguesia de Boscobel, cerca de 13 km a noroeste de Wolverhampton, perto da junção 3 da autoestrada M54. Dissolvido em 1536, tornou-se famoso por seu papel na fuga de Carlos II da Inglaterra após a Batalha de Worcester em 1651. Wikipedia

Priorado em ruínas em uma ilha rodeada pelo rio Wey e sua antiga vila perto do limite da aldeia (terras paroquiais) de Ripley e Pyrford em Surrey, Inglaterra. Fundada pela primeira vez por um bispo de Winchester. Wikipedia

Vila no bairro de Redcar e Cleveland e no condado cerimonial de North Yorkshire, Inglaterra. Parte da freguesia de Lockwood. Wikipedia

Vila na freguesia de Skelton e Brotton, no bairro de Redcar e Cleveland, no Nordeste da Inglaterra. Governado pela autoridade unitária de Redcar e Cleveland. Wikipedia

Em parte arruinou o antigo priorado agostiniano no isolado Vale de Ewyas, um vale antes glaciado de lados íngremes na área das Montanhas Negras do Parque Nacional Brecon Beacons em Monmouthshire, sudeste do País de Gales. Estrada velha para Hay-on-Wye em Llanthony. Wikipedia

Mosteiro agostiniano a cerca de três quilômetros ao sul da vila de Cottingham, em East Riding of Yorkshire, Inglaterra. Os edifícios monásticos originais desapareceram há muito, embora as ruínas de uma casa de fazenda, construída em 1584, permaneçam no local e incorporem algumas das pedras do Priorado. Wikipedia

A Igreja Priory de St Mary e St Cuthbert, Bolton Abbey é uma igreja paroquial listada como Grau I da Igreja da Inglaterra em Bolton Abbey, dentro do Parque Nacional de Yorkshire Dales em North Yorkshire, Inglaterra. Agora situado dentro de um monumento programado sob a Lei de Monumentos Antigos e Áreas Arqueológicas de 1979. Wikipedia

Igreja paroquial em Bridlington, East Riding de Yorkshire, Inglaterra, na Diocese de York. No lugar de um convento agostiniano fundado em 1113, que foi dissolvido durante a dissolução dos mosteiros. Wikipedia

Catedral da cidade no bairro de Harrogate, North Yorkshire, Inglaterra. Localizado na confluência de dois afluentes do rio Ure, o Laver e o Skell. Wikipedia

Paróquia civil na autoridade unitária de Redcar e Cleveland, com associação cerimonial com North Yorkshire, Inglaterra. 2.022. Wikipedia

Mosteiro cisterciense em ruínas em Kirkstall, a noroeste do centro da cidade de Leeds, em West Yorkshire, Inglaterra. Situado em um parque público na margem norte do Rio Aire. Wikipedia

Vila no bairro de Redcar e Cleveland, na freguesia de Guisborough. Mina de Ironstone em Dunsdale, em 1872. Wikipedia

Aldeia na autoridade unitária de Redcar e Cleveland e no condado cerimonial de North Yorkshire, Inglaterra. Situado na estrada A174, 1,6 km a leste de Loftus, 16 km a leste de Guisborough, no North York Moors National Park. Wikipedia

Estação ferroviária que atende a vila de Boosbeck, no condado cerimonial de North Riding of Yorkshire, na Inglaterra. Inaugurado em 1878 e fechado para passageiros em 1960, com serviços de frete interrompidos em 1964. Wikipedia

Vila no bairro de Redcar e Cleveland e no condado cerimonial de North Yorkshire, Inglaterra. Na A173, entre Great Ayton e Guisborough e está perto da base de Roseberry Topping. Wikipedia

Área de autoridade unitária no Nordeste da Inglaterra, dentro do condado cerimonial de North Yorkshire. Os principais assentamentos são Redcar, Saltburn-by-the-Sea, Guisborough e cidades e vilas de Brotton, Eston, Grangetown, South Bank, Kirkleatham, Loftus e Skelton. Wikipedia

Eixo de uma velha cruz de pedra em Guisborough em Redcar e Cleveland, Inglaterra. Fica perto do ponto onde a antiga estrada de Ruthergate costumava cruzar a Hutton Lane. Wikipedia

Pequeno povoado perto de Guisborough em Redcar e Cleveland, Inglaterra. O recalque linear espalhou-se ao longo da A173. Wikipedia

Área em Redcar e Cleveland, em North Yorkshire, Inglaterra. Na margem sul do rio Tees, e fica a 5 km do centro de Middlesbrough. Wikipedia

Representada hoje pelas ruínas mais bem preservadas e acessíveis entre as nove casas da Ordem dos Cartuxos que existiam na Inglaterra na Idade Média e que eram conhecidas como casas de fretamento. A Mount Grace Charterhouse foi fundada em 1398 por Thomas Holland, primeiro duque de Surrey, filho do rei Ricardo II e meio-irmão Thomas, conde de Kent. Wikipedia

Antiga estrada perto de Guisborough em Redcar e Cleveland, Inglaterra, agora fora de uso. Ele segue para o sul de Ruther Cross na Hutton Lane antes de terminar Kemplah Hill em um corte bem marcado. Wikipedia


GUISBOROUGH

Gighesborc, Ghigesburg (xi cent.) Gyseburne (xii – xiv cent.).

A esta paróquia pertencem a aldeia de Barnaby e os municípios de Guisborough, Commondale, Hutton Lowcross, Pinchingthorpe e Tocketts.

O solo é em algumas partes rico em argila e argila, em outras muito pobre e leve com um subsolo geralmente de lias, mas em Barnaby, Guisborough e Commondale Moors de oólito inferior.

O município de Guisborough fica entre o município de Tocketts no norte, os de Hutton Lowcross e Commondale no oeste e sul, e a freguesia de Skelton no leste, incluindo Barnaby, contém mais de 7.033 acres, dos quais cerca de 2.100 acres são terras aráveis , 3.600 acres de grama e 1.300 acres de bosques e plantações. (nota 1)

A cidade de Guisborough, que fica ao sul da estrada de Stokesley a Skelton, foi construída principalmente ao longo de Westgate, uma rua larga que vai de oeste a leste. Não há dúvida de que em 1413 ocorreu o incêndio que destruiu sessenta e nove casas com chaminés. (nota 2)

A igreja de São Nicolau está situada a leste e adjacentes a ela no sul estão as ruínas de Guisborough Priory: a igreja conventual parece realmente ter ofuscado a da paróquia literalmente (nota 3), bem como metaforicamente. O prior e o convento do rico priorado agostiniano de Santa Maria em 1344 tiveram licença para amearar a sua residência. (nota 4) Aqui, de acordo com um escritor do século 16, 'o Pryor de Gisbroughe. . . Kepte uma casa muito pomposa, tanto que o towne, consistindo de 500 famílias e odde, não tinha mais, mas morou tudo na abadia. Duas portarias tinham alojamentos, e todas as casas de ofícios se abriam para uma casa dwelleinge, da qual dois dos Bulmers, cavaleiros, na memória do homem, eram carregadores. (nota 5) O sentimento no distrito era fortemente contra as mudanças religiosas feitas por Henrique VIII. Quando o arquidiácono de Cleveland estava no convento em 1o de julho de 1535, evidentemente para providenciar o repúdio formal da autoridade papal pelo clero, quatro curas vieram dizer-lhe que haviam sido ameaçados caso publicassem os artigos do rei. (nota 6) Em 11 de julho, enquanto o pároco de Guisborough fazia a declaração exigida da supremacia real, um homem chamado John Atkynson ou Brotton arrancou o livro de suas mãos e o rasgou em pedaços. (nota 7) No auge da sublevação de Bigod, um homem veio de Stokesley para Guisborough com uma carta que queria que o oficial de justiça proclamasse na Cruz, mas o prior recusou-se a permitir que o oficial de justiça agisse, e os comuns fizeram o mensageiro leia ele mesmo. (nota 8) O prior Pursglove, indicado de Cromwell, conseguiu seguir um curso seguro para ele e seu convento, mas o ex-prior Cokerell e Sir John Bulmer pagaram com a vida por sua inclinação para o lado popular.

As ruínas do priorado, embora extremamente escassas (nota 9), dão ampla evidência da antiga extensão e magnificência dos edifícios conventuais. Os vestígios existentes consistem na extremidade leste da igreja do priorado, as fundações da extremidade oeste, uma casa subterrânea abobadada situada a sul do bloco claustral e da portaria. O muro do distrito foi originalmente entrado por dois portões, mas apenas um deles está agora com as partes do muro de limite imediatamente adjacentes. O local, que é praticamente nivelado, agora está incluído nos jardins de Guisborough Hall. A igreja do priorado era um edifício cruciforme com um comprimento interno total de 350 pés, consistindo de uma nave com corredor e quire, transeptos, dois ocidentais e provavelmente uma torre central. A parede norte formava o limite sul do adro da paróquia, que agora inclui o local do transepto norte. A igreja foi incendiada acidentalmente em 1289 e a reconstrução foi aparentemente realizada imediatamente, começando como de costume na extremidade leste. Evidentemente, a nave só foi concluída um século depois, enquanto a fachada oeste, por ter sofrido menos com o incêndio, nunca foi reconstruída a partir dos alicerces. O quire passou a ser representado apenas pelo extremo leste, que, com exceção do rendilhado da janela, está praticamente intacto e é um dos melhores exemplares da época no concelho. Ele tinha uma largura interna de 30 pés e 8 pol., Com corredores laterais de 15 pés e 7 pol. De largura, sendo que todo o braço tinha 70 pés e 2 pol. Dentro das paredes externas. A principal empena leste, flanqueada por maciços pináculos crocketed, é quase preenchida por uma abertura de janela agudamente pontiaguda de cerca de 50 pés de altura por 23 pés de largura, e anteriormente preenchida com rendilhado geométrico, do qual a característica mais notável era uma grande roda em cúspide na cabeça. As ombreiras desta janela são terminadas internamente com hastes estreitas anexadas com capitéis folheados e uma cavidade profunda preenchida com folhagem entalhada realizada em torno do arco. Em ambos os lados estão fixados dois escudos com os braços ao norte de Brus de Skelton, Argent um leão azul e Thweng, Argent a fesse gules entre três popinjays vert, e ao sul de Brus novamente e outro escudo de armas não identificado. A parede abaixo da janela leste foi totalmente destruída entre as ombreiras, mas, das partes restantes em ambas as extremidades, foi enriquecida com uma elaborada arcada de parede que também foi transportada pelas extremidades dos corredores e provavelmente completamente em volta do braço leste do a Igreja. Cada arco contém dois subarcos com um círculo de oito cúspides acima deles e brotando de uma série de feixes de luz com capitéis foliados. Todo o braço oriental foi abobadado em pedra e as molas ainda permanecem contra a parede oriental, os eixos da abóbada principal sendo carregados cerca de 3 ou 4 pés acima da base da clara. O espaço entre a abóbada e o telhado era iluminado por uma janela traceada de cinco vigas na empena ainda intacta. As extremidades dos corredores são de caráter semelhante, mas as janelas orientais de três luzes perderam seu rendilhado geométrico. Nos ângulos exteriores encontram-se dois grandes vícios, sendo o do norte ainda acessível, comunicando-se com uma passagem na espessura da parede e transportada pelas soleiras das três janelas a nascente. As aberturas de cada lado da janela central por onde entra e sai da parede são ornamentadas com pequenas empenas de crockete. Das paredes laterais do quire apenas o oriental responde das duas arcadas e os restos fragmentários acima delas são deixados. Eles foram divididos verticalmente em duas porções quase iguais, sendo a inferior ocupada pela arcada principal. Os pilares, de forma cilíndrica, eram compostos por oito fustes engatados com quilha nas bordas externas com capitéis foliados que sustentavam arcos ricamente moldados. O trifório, que era combinado com a história clara, tinha uma frente aberta com painéis e cada divisão era fornecida com uma passagem estreita na parede.Externamente, a extremidade leste tem um efeito um tanto pesado, produzido pelo número e maciço dos contrafortes. Os ângulos externos dos corredores têm quatro cada, dois diagonais e dois retangulares, e todos terminam com frontões de empena. Acima das escadas do tipo newel erguem-se pesados ​​pináculos octogonais crocketed e as paredes do corredor leste são terminadas com um parapeito horizontal e copa. Os contrafortes orientais são ornamentados com rendilhado cego e um pedestal profundo moldado é levado ao redor da base. Todo o resto da igreja foi arrasado provavelmente logo após a Dissolução, mas uma parte das fundações da fachada oeste e das torres, juntamente com as bases de três dos pilares da nave no lado norte, foram descobertos por Almirante Chaloner em 1867. Os pilares da nave do final do século 14 ou início do século 15 são cilíndricos com doze eixos anexados com bases octogonais, o todo medindo 2,15 m de diâmetro. A junção da nova obra com a antiga é aparente na baía ocidental, que era um pouco mais estreita do que as baías adjacentes a leste. Os dois pilares da torre oeste e a fachada oeste são partes da igreja anterior e ainda exibem vestígios de descoloração causada pelo incêndio que consumiu o tecido em 1289. Os pilares são quadrados no plano com quatro respostas de forma semicircular anexadas às faces e consistindo de cinco poços agrupados e em quilha com bases 'hold-water' de caráter de meados do século XIII. Da frente oeste, apenas a parede sul da torre sudoeste e uma parte da parede oeste da torre noroeste permanecem. Ambos os fragmentos pertencem ao século XIII e o primeiro conserva as bases de dois fustes de abóbada nos ângulos e vestígios de um torno no ângulo sudeste. A nave parece ter tido uma largura interna total de cerca de 73 pés 2 pol., Que foi aumentada sob as torres ocidentais para 82 pés 2 pol. A posição do transepto sul é facilmente rastreável na relva após uma seca prolongada e é aproximadamente marcada por duas linhas de cerca viva que se estendem ao norte e ao sul. A parede oeste ficava cerca de 144 pés a leste da parede oeste da nave, de modo que esta última tinha provavelmente oito vãos de comprimento. Permitindo uma largura razoável para o transepto, chega-se ao comprimento aproximado de 170 pés.

Os edifícios domésticos ficavam ao sul da igreja. O claustro tinha cerca de 114 pés de leste a oeste e as bases da entrada dos cânones na igreja ainda permanecem no ângulo noroeste, a porta tendo 5 pés de largura com dois orifícios em cada batente. Contra a torre sudoeste estão alguns vestígios de um edifício que se projeta cerca de 3 metros mais a oeste, mas as partes descobertas são muito incompletas para determinar seu uso. A cerca de 50 metros ao sul deste edifício fica uma parte de uma abóbada subterrânea do século 13. Três baías permanecem intactas e há vestígios de uma quarta a leste. A abóbada brota de cachorros moldados em forma de sino, mas as paredes externas foram tão reforçadas e reparadas que todos os vestígios dos edifícios adjacentes foram perdidos. Dentro deste edifício são preservadas as pernas e os pés de uma efígie de um cavaleiro de cantaria. cerca de 1300 com sobretudo e esporas de rowel. Os pés apoiam-se em uma luta de leão e basilisco.

Alinhado com a arcada norte da nave e a cerca de 170 pés daquele edifício, ergue-se a portaria, que dá para um largo largo defronte da igreja matriz. É a primeira porção existente dos edifícios do priorado, datando da segunda metade do século XII. Um único arco de forma semicircular profundamente moldado abre-se para a rua, surgindo do lado conventual dois arcos, um maior e um menor, também semicircular. O espaço entre as duas paredes (24 pés por 10 pés) tem as molas de uma abóbada de pedra. Prédios contíguos ao portão de entrada nos lados leste e oeste, mas seus restos estão em grande parte obscurecidos por contrafortes modernos. Existem, no entanto, restos de lareiras no edifício ocidental e também no oriental, e abrindo-se deste último estão duas pequenas câmaras na espessura da parede norte, a maior iluminada por uma pequena janela.

A uma curta distância ao sul deste edifício está um antigo pombal de pedra octogonal em ruínas, mas agora coberto.

A casa e o local do priorado foram alugados por Henrique VIII em novembro de 1540 para Thomas Leigh por 21 anos (nota 10) e vendidos em 1550 para Sir Thomas Chaloner por Eduardo VI. (nota 11) Os chaloners, que sucederam aos cônegos como senhores do feudo, estabeleceram-se no antigo salão que antes ficava a sudoeste dos edifícios do priorado voltados para o oeste. É mostrado no desenho de Knyff (c. 1708) como uma grande casa simples de três andares com janelas de guilhotina quadradas, provavelmente não muito construída ou então recém-construída e ampliada. Os jardins formais ficavam atrás da casa a leste e nordeste, incluindo o pombal octogonal mencionado acima. Em frente à casa havia um pátio separado pelo arco de um lençol de água ornamental com uma fonte (nota 12) no centro. O salão foi demolido por volta de 1825, a única parte que resta agora é a cervejaria, que é usada como escritório da propriedade.

A atual residência da família Chaloner, Longhull, meia milha a leste da cidade, foi construída em 1857.

Perto da igreja ao norte fica a escola primária, um edifício moderno. (nota 13) A escola foi fundada em 1561 como o hospital de Jesus por Robert Pursglove, (nota 14) o ex-prior. Um pouco a oeste fica o mercado onde deve ter se erguido o pelourinho no qual foi fixada a cabeça de Sir John Fauconberg, executado por rebelião em 1405. (nota 15)

Uma gravura do século 17 ou 18, descrita por Ord, (nota 16) mostrava a cidade em sua maior parte coberta de palha, e no mercado uma velha cruz com degraus circulares de pedra e o pedágio de 'aparência mais antiga e primitiva' na frente do qual ficavam barracas e matadouros para peixes. (nota 17) O local apresenta agora um aspecto inteiramente moderno: a cruz foi reconstruída e no local do pedágio fica a prefeitura erguida em 1821 e ampliada cinquenta anos depois. (nota 18) Um escritor em 1769 elogiou especialmente os habitantes de Guisborough como 'corteses, bem-educados e prestativos e muito organizados e limpos em suas casas'. (nota de rodapé 19) A experiência de John Wesley na cidade em sua segunda visita, em 22 de junho de 1761, (nota de rodapé 20) não foi tão agradável. Ele pregou no mercado e não só foi quase sufocado pelo fedor de peixe fedorento, mas a princípio foi gritado pelo povo, que 'rugiu como as ondas do mar'. No entanto, eles logo ficaram quietos e muitos ficaram suficientemente impressionados para ouvir outro discurso às 5 horas da manhã seguinte. Ele veio a Guisborough sete vezes depois (nota 21) e nunca mais se queixou de grosseria ou desatenção. Os Wesleyanos tinham uma capela aqui em 1811 (nota de rodapé 22) e os Metodistas Primitivos em 1857 (nota de rodapé 23) provavelmente pouco antes. (nota 24) Os quacres tinham uma capela em Guisborough em 1689 (nota 25), como têm atualmente a capela Congregacionalista foi construída em 1811 (nota 26), mas em 1705 uma casa foi separada para a adoração de dissidentes protestantes. (nota 27) No início do século 17, o catolicismo romano era bastante forte na paróquia: quatorze pessoas foram apresentadas por não-conformismo nas sessões trimestrais em abril de 1609, (nota 28) dezesseis em 1611, (nota 29) e dezessete, sem contar quatro filhos, em julho de 1614. (nota de rodapé 30) Após essa data, o número apresentado diminuiu, até que em 1627 diminuiu para um (nota de rodapé 31), mas em 1690 quatro pessoas foram apresentadas como não-conformistas. (nota 32)

O teatro e as escolas primárias públicas (nota 33) estão situados em Northgate, uma rua que vai de Westgate para o norte até a estrada Skelton em frente a Wilton Lane, na esquina da qual fica a oficina do sindicato. A partir deste ponto, a estrada Skelton leva a leste-nordeste até o cemitério, que foi construído em 1871-3 e desde então foi ampliado. Paralelo a Westgate, no sul, fica a Fountain Street, que vai até Rectory Lane, onde fica a reitoria, construída por volta de 1859 e restaurada alguns anos depois de um incêndio. (nota 34) A glebe em 1818 foi devolvida como imprópria para residência e em 1834 não havia nenhuma. (nota 35)

O hospital que leva o nome do almirante Chaloner, que o fundou em 1865, está situado também ao sul da cidade, no início da estrada para Whitby. A estação da ferrovia Middlesbrough e Guisborough, inaugurada em 1854, fica perto do hospital do outro lado de Belman Gate, uma estrada mencionada no final do século 12 como Belmundgate e a Rua de Belmund, (fn. 36) e em 1396 pelo seu nome atual. (fn. 37) Ele segue para sudeste, passando pela Fazenda Belmont até o Banco Belman, onde no século 17 o alúmen era trabalhado. A presença de pedra de alume aqui parece ter sido descoberta pelo segundo Sir Thomas Chaloner (nota 38) e em janeiro de 1606-7 ele, com Lord Sheffield, Sir David Foulis e Sir John Bourchier, recebeu o monopólio do alúmen fabricar por trinta e um anos. (nota 39) No mês seguinte, eles concederam seus direitos a William Turner e outros em troca de parte dos lucros do ex-aluno trabalhado em suas terras (nota 40) e suas ações em 1609 foram compradas pelo rei. Todo o interesse nessas minas pelo que restou dos trinta e um anos pertencia, portanto, à Coroa (nota de rodapé 41) e foi arrendado em 1625 por Carlos I a Sir Paul Pindar e William Turner. (nota 42) Há muitas coisas, entretanto, que a Patente de 1625 não deixa claro. Sir Thomas Chaloner por testamento (nota 43) deixou para seus filhos por sua primeira esposa dois terços dos lucros (nota 44) provenientes das minas de alumínio que ele havia transferido em custódia para seu cunhado, senhor William Fleetwood, e o terço restante para seus filhos com sua segunda esposa. A patente de 1625 relata que Chaloner em 1608 vendeu dois terços de sua parte dos lucros para Fleetwood (nota 45), mas dá a impressão de que a Coroa em 1609 havia adquirido os interesses de Fleetwood e Chaloner. Os lucros mencionados no testamento de Chaloner devem, portanto, ter sido sua parte de uma anuidade de £ 6.000 a pagar aos quatro titulares de patentes após sete anos. (nota 46) Thomas Chaloner, um dos filhos mais novos de Sir Thomas, recebia uma pensão ou subsídio das minas de £ 26 13s. 4d. em 1625, e isso seria pago a ele no futuro por Píndaro e Turner. (nota 47) Tanto quanto pode ser visto, portanto, não é verdade que Sir Thomas Chaloner foi privado de suas minas pela Coroa. (nota 48) Mas é claro que não é impossível que o arranjo fosse injusto para os herdeiros de Chaloner ou fosse considerado por eles como tal, e que Tiago e Thomas Chaloner fossem induzidos por um rancor pessoal contra o rei a se tornarem regicidas. Um importante proprietário de terras na paróquia tomou o outro lado na Guerra Civil, conforme aparece pela ordem do rei em 1643 para a restauração a William Lee de Pinchingthorpe, por sua lealdade, de um cavalo roubado pelo exército real (nota 49) evidentemente, na época do noivado, lutou em Guisborough e venceu pela força parlamentar no início daquele ano. (nota 50)

A fabricação de alumínio declinou muito no final do século XVIII (nota 51) e no início do século XIX foi extinta. (nota 52) Por volta de 1850, foi feita uma tentativa de reanimá-lo, mas acabou falhando. (nota 53)

Guisborough deve a prosperidade de que desfrutou nos últimos cinquenta anos às minas de ferro daqui. Destes (nota 54), o Chaloner Pit está ao noroeste da cidade, o Belmont ao sul um terço, o Spa Wood, no leste do município perto da fronteira de Skelton, está situado não muito longe de um spa que teve por algum tempo uma pequena reputação, mas na época de Ord já estava negligenciada. (nota 55)

Entre os topônimos no final do século 12 estão Scharth e Adelwaldslet (nota 56) Cachoeira, (nota 57) a leste de Longhull, e Ponte da Cachoeira, (nota 58) são mencionadas no século 13, como são Kerlinghou (nota de 59) (em 1540 'Carlyngehode,' (nota de 60) agora Carling Howe), no noroeste, 'Ravensdale,' perto de Howl Beck, (nota de 61) 'Foxoles,' (nota de rodapé 62) possivelmente perto da Fazenda Foxdale, a leste da Fazenda Belmont, 'Kempclive' (nota 63) agora Kemplah, a oeste de Belman Bank, 'a Fonte de Santa Hilda' (nota 64) e 'Roulandic'. (nota 65) Em 1540 (nota 66) ocorre 'Rounde Close', onde agora há uma fazenda perto de Skelton Beck, 'Cony Garthe', provavelmente na direção de Rabbit Hills ao sul de Westworth Plantation, 'Dereclose,' (nota 67) 'Lyvery Gresse', 'Seggerstone Grasse', uma casa chamada 'Gylde', sem dúvida relacionada com a corporação de Santa Maria, e 'Snelisgrave', sobrevivendo na plantação de Snails Griff perto de Chaloner Pit.

A aldeia de Barnaby ocupa a porção noroeste da freguesia. O país é constituído principalmente de charnecas, mas a leste há um cinturão de madeira que começa em Moordale Wood, no norte, e se estende até Park Wood em Scugdale, onde havia bosques no século XIII. (nota 68) Barnaby Grange provavelmente marca o local da Granja pertencente ao Priorado de Guisborough na Dissolução (nota 69) e possivelmente o da mensagem principal pertencente ao convento três séculos antes. (nota 70) Desde 1871, existe uma escola primária pública na aldeia.

Entre os topônimos do século 13 estão 'Briggedale' e 'Windhyl,' (nota 71) aparentemente Windy Hill no sudeste perto de Hutton Lowcross, 'Hovedlandes,' 'Scortbuttes' (nota 72) e 'Keldfelde. ' (nota 73) Sweet Hills, norte de Barnaby Side, 'Banke Close', (nota 74) agora Bank Field mais para o nordeste, 'Sandwaite' (nota 75) ou Sandwathe no sudeste do distrito e 'Whynnye Close' (nota 76) obviamente perto de Whinny Wood no nordeste, são todos mencionados no século XVI.

No sul da freguesia encontra-se o concelho de Commondale com uma extensão de 3.032 hectares, a maior parte dos quais é charneca. O terreno é alto, mas especialmente no noroeste, onde se eleva em Wayworth Moor a 925 pés e em North Ings Moor a mais de 1.000 pés.

O município é bem regado por afluentes do Esk, Sleddale Beck, Raven Gill, Whiteley Beck em parte de seu curso conhecido como Commondale Beck e Hobhole Beck.

A aldeia fica principalmente no lado leste de Raven Gill em sua junção com Whiteley Beck perto de um vau. Há uma capela Wesleyana que data de cerca de 1878. A escola parece datar de 1873-4, quando um Conselho Escolar foi estabelecido aqui. (nota 77)

Skelderskew Grange, que ficava a noroeste da aldeia, pertencia originalmente a Guisborough Priory, (nota de 78) e pode ter sido o cenário do ataque a Nicholas Cokerell, (nota de 79) irmão do ex-prior de Guisborough, durante o levantamento de Bigod. (nota de rodapé 80) Após a dissolução, a granja foi concedida, com algumas outras terras em Commondale, por Henrique VIII a Sir Ralph Bulmer (nota de 81) e com sua morte em 1558 desceu para suas oito filhas (nota de 82) dois dos quais em 1564 venderam suas ações para Robert Yoward. (nota de rodapé 83) No final, o filho mais novo de Robert, Ralph, que herdou a propriedade de seu pai aqui em 1577, (nota de 84) deve ter comprado o restante da participação de Bulmer (nota de 85) porque em 1589 ele transferiu o mensagem principal de Skelderskew para Thomas Pylley, sen., e Thomas Pylley, jun. (nota 86) O nome de Thomas Pylley de Skelderskew, cavalheiro, ocorre em 1627 (nota 87), mas antes de Ord escrever em 1846, a casa havia desaparecido. (nota 88)

Skelderskew é mencionado no início do século 12 como 'Schelderscoh' (nota de rodapé 89), outros nomes que ocorrem nessa época são 'Colemanergas,' agora Coldman Hargos, a leste da vila, 'Depehil' Ford, em 1302 'Depilbrigge,' ( nota de rodapé 90) a atual Dibble Bridge, 'Hinderscoh' e 'Golstandale'. Os seguintes locais são anotados na Rol de Subsídio de 1301–2 (nota 91): 'Wayewathe,' agora Wayworth, ao sul daquela charneca, 'Hullersbusk' ou Thunderbush, ao sul de Whiteley Beck perto da vila, Thornhill, em Commondale Moor , 'Sleddal Cote' e 'Schalingthanyte', ou seja, Pé de Escala no sul do município. Aqui em 'Scalthwayte' em 1578, uma casa foi vendida por um certo John Wilson a William Marshall, (nota de 92) de quem passou em 1587 para Thomas Lascelles apelido Jackson. (nota de rodapé 93) Seu filho Henry (nota de rodapé 94) estabeleceu em 1639 sobre si mesmo e seu filho Robert, com o restante para o filho de Robert, que o segurou em 1644 quando ele morreu. (nota 95) Em 1540 há menção de 'Mady' (nota 96) ou Maddy, House near Dibble Bridge, e em 1550 de 'Wheteley' (nota 97) obviamente Whiteley, Close.

Estação Commondale nos North Yorks. e o ramal de Cleveland da ferrovia North Eastern (nota 98) fica ao sul da vila, perto da junção de Raven Gill e Sleddale Beck.

O município de Hutton Lowcross tem cerca de 1.569 acres de extensão. Lowcross, que no início do século 14 não fazia parte de Hutton, (nota 99) parece ter ocupado a porção norte do município atual, pois o hospital de St. Leonard Lowcross foi dito estar situado na fronteira de Barnaby e Hutton. (nota 100) O local do hospital de leprosos, que provavelmente havia desaparecido antes da Dissolução, é desconhecido. (nota 101)

A estrada principal de Stokesley a Guisborough segue para oeste e leste ao longo do norte do município e, a partir dela, uma pista leva ao sul, passando por Hutton Field Farm até a vila de Hutton, onde há uma estação do ramal Middlesbrough e Guisborough da ferrovia North Eastern. Aqui há um salão missionário, erguido por Sir Joseph Pease, Bart., Que viveu por alguns anos em Hutton Hall, agora a residência do Sr. James Warley Pickering. O salão, que fica a sudeste da vila em um grande parque, foi construído por Sir Joseph Pease em 1866-7, aparentemente no local ou próximo ao antigo solar (nota 102), que foi vendido por Eduardo VI em 1550 para Sir Thomas Chaloner. (nota 103) O antigo salão foi destruído quando o novo foi construído.

A escola, fundada em 1857, está situada ao sul do corredor. A oeste fica a Home Farm, provavelmente o 'Hoton Howse' comprado por Chaloner com o salão em 1550 em suas paredes ainda podem ser vistos pedaços de pedra trabalhada, (nota 104) os restos do lazareto de Lowcross ou de um convento cisterciense fundado em Hutton antes de 1167, mas logo removido para Nunthorpe. (nota 105)

Ao sul e sudeste da Home Farm há um cinturão de florestas altas, Hall Head Farm sendo sucedido no sudeste por Sawmill Wood, e este último no leste por Hutton Wood, que é mencionado em 1231 em conjunto com ' Rethergate, '(nota 106) conhecido em 1550 também como Coddale, (nota 107) agora Codhill. Além da floresta, ao sul, o solo ainda se eleva, atingindo uma altura de 1.000 pés em Hutton Moor. A oeste do município fica Bousdale, onde viviam os Yowards que por um longo período alugaram a Mansão Hutton da Coroa, mas em 1846 sua casa havia desaparecido completamente. (nota de 108) Em 1691, um lugar foi designado em Bousdale para a adoração de dissidentes protestantes. (nota 109)

Pinchingthorpe, um município no oeste da paróquia, possui cerca de 859 acres.Um pouco a sudeste da aldeia está Pinchingthorpe Hall, onde antigamente viviam os Lee, os senhores da mansão, cujo nome é preservado em Lee's Wood, a leste do corredor. Agora é ocupada pelo coronel Penry Williams, JP. A charneca que Christopher Conyers estava ansioso para fechar no início do século 16, para aborrecimento de alguns dos proprietários livres, (nota 110) provavelmente ficava aqui, onde o terreno é mais alto no município. A alguma distância da aldeia, a oeste, está Spite Hall, (nota 111), que parece ter sido construído por Roger Lee depois que ele atribuiu o antigo salão e parte das propriedades senhoriais a seu filho em 1727 (nota de rodapé 112 ), mas provavelmente nunca teve muita importância e, em 1844–5, foi descrito como uma cabana miserável. (nota 113) Pinchingthorpe House, residência de Sir Alfred Edward Pease, Bart., está situada a oeste da estrada principal e ao norte da aldeia, em um local anteriormente ocupado por uma fazenda. (nota 114)

Uma mensagem importante em Pinchingthorpe foi comprada em 1562 (nota de rodapé 115) de Cuthbert Chilton (nota de rodapé 116) por George Conyers e vendida "com seu wainescote, janelas de vidro, chumbo, fornos e cestournes" pelos Carlells (nota de 117) em 1611 por £ 400 a Clement Colmore (nota de rodapé 118) de quem foi herdado em 1622 por seu neto Abraham Colmore. (nota 119)

Entre os topônimos dos séculos 12 e 13 estão Keldesic (nota 120) Pulaynbrigge, (nota 121) Wandayle, Wathebrig, (nota 122) Assefole (nota 123) e Pinzuncroft (nota 124) em 1515 lá há menção a 'Lyng Close' (nota 125) e, em 1570, a 'Bushopp Garthes', 'the Law Ynges' e 'the Marre'. (nota 126)

A estação de Pinchingthorpe, no ramal Middlesbrough e Guisborough da ferrovia North Eastern, fica fora do município, ao norte.

O município de Tocketts, ao norte de Guisborough, tem quase 668 acres de extensão, 196 acres sendo terra arável, 256 acres de pasto e 74 acres de bosques e plantações. (nota 127) Dunsdale Beck, que forma a fronteira oeste e noroeste, corre entre margens arborizadas até sua junção com Skelton Beck. No sul, ele é acompanhado por Howl Beck, que em seu curso para o norte divide o município em duas porções quase iguais. Ao sul de Tocketts Mill em Hall Pasture ficava anteriormente a mansão dos Tocketts mencionada em 1536 no testamento de Roger Tocketts. (nota de 128) Tornou-se em 1764 propriedade e residência do General Hale em seu casamento com Mary Chaloner, (nota de 129) foi comprada por Robert Chaloner em 1809 logo após a morte do general, e alguns anos depois foi demolida. (fn. 130) A leste de Hall Pasture fica a estrada de Guisborough a Skelton, a partir da qual, mais ao sul, uma estrada, formando a fronteira do município neste lado, conduz a noroeste pela ponte Tocketts, passando por alguns tijolos e ladrilhos em desuso trabalha para Thornton Fields, onde há uma mina de ferro. (nota de rodapé 131) A outra mina de pedra de ferro do município, Waterfall Mine, fica a leste da estrada de Guisborough, não muito longe de Skelton Beck.

A casa em Tocketts, certificada em 1705 como ponto de encontro para dissidentes protestantes (nota de rodapé 132), não parece ter sido substituída por nenhuma capela aqui.

Entre os topônimos, Scalestedes, Herteflath e Waynedales ocorrem no século 12 ou 13, (n. 133) Adam Park em 1534, (n. 134) 'Swarthey Hedde,' perto de Waterfall Mine, em 1540, (n. 135) e Thornton Field em 1539 (nota de rodapé 136) e 1630. (nota de rodapé 137)

Mansões

Pouco antes da Conquista, Copsi, um dos seguidores de Tosti, deu ao priorado de Durham uma carucata em GUISBOROUGH. (nota de rodapé 138) Em 1086, entretanto, Durham não tinha nada em Guisborough. Naquela época, o rei possuía 1 carucate, (nota 139) Earl Hugh 6 oxgangs, (nota 140) soke de North Lofthouse, Robert Malet 3 carucates e 2 oxgangs, antes da propriedade de Leisinc, (nota 141) e o O conde de Mortain 25 carucates em Guisborough, Middleton e Hutton, anteriormente detidos por Uctred. (nota de rodapé 142) Logo após a compilação de Domesday Book, Robert de Brus tinha um carucate em Guisborough, (nota de rodapé 143) sem dúvida o que o rei tinha, mas alguns anos depois ele parece ter assegurado tudo aqui, e ele deu em frankalmoign para Guisborough Priory em sua fundação cerca de 1119–24 toda Guisborough, estendido em 20 carucates e 2 oxgangs, correspondendo aproximadamente aos modernos municípios de Guisborough e Commondale. (nota 144) O feudo permaneceu com o convento até a dissolução do convento em 1538, quando caiu nas mãos da Coroa. Em 1550, Eduardo VI vendeu a casa e o local do falecido priorado e algumas das terras da propriedade por £ 998 13s. 4d. a Sir Thomas Chaloner, kt., e sua esposa Joan, (nota 145) e em 1558 a rainha Mary concedeu a Chaloner o feudo e o município de Guisborough e a reversão do restante das terras da propriedade por um aluguel de £ 135 15s. 4¼d. um ano. (nota de rodapé 146) Chaloner morreu em 1565 (nota de nota 147) deixando com sua segunda esposa Ethelreda Frodsham (nota de 148) um ​​filho e herdeiro Thomas, que posteriormente descobriu a pedra de alume em Belman Bank. O feudo foi estabelecido por Sir Thomas Chaloner (nota de rodapé 149) em 1604 em seus filhos no macho da cauda (nota de rodapé 150) e em sua morte em 1615 desceu a seu filho mais velho William, (nota de nota 151) em 1620 criado um baronete. (nota de rodapé 152) William morrendo sem filhos na Turquia por volta de 1641 (nota de rodapé 153) a mansão foi para seu sobrinho Eduardo, filho de seu irmão Eduardo. (nota de rodapé 154) De Edward Chaloner, nomeado cavaleiro em 1672, (nota de rodapé 155) o feudo foi herdado em 1680 (nota de rodapé 156) por seu filho William. (nota de rodapé 157) Na Páscoa de 1713, parece ter pertencido a Eduardo, filho de Guilherme (nota de rodapé 158), que foi sucedido em 1737 por seu filho William (nota de nota 159) e este último, aparentemente em 1756, (nota de nota de 160 ) por seu filho de mesmo nome. Robert Chaloner, que herdou o feudo em 1793 de seu pai William (nota 161), foi devolvido ao Parlamento em 1820 para ir a York. (nota de rodapé 162) Ele morreu em 1842 (nota de rodapé 163) e o feudo passou para seus dois filhos sucessivamente, primeiro para Robert e depois para Thomas. (nota 164)

Guisborough Priory. Argent, um leão azul com um baston gules.

Chaloner. Sable um cheveron entre três querubins ou.

O almirante Thomas Chaloner não deixou filhos quando morreu em 1884, e a mansão, após a morte de sua viúva, tornou-se propriedade de seu sobrinho neto, o filho mais novo de Charlotte Anna, esposa de Richard Long de Rood Ashton, Wilts., E apenas filho de Margaret Chaloner, irmã do almirante, e William Wentworth Fitzwilliam Hume-Dick. (nota de 165) O coronel Richard Godolphin Walmesley Long, que assumiu o nome de Chaloner em 1888, é o atual senhor do feudo.

Uma concessão de warren livre em suas terras de propriedade em Guisborough, Barnaby, Lounsdale e Skelderskew foi feita ao Prior e ao convento de Guisborough em 1263. (nota 166) Eles também receberam na mesma data o direito de realizar um mercado semanal em Segunda-feira em Guisborough, e uma feira anual ali na vigília, festa e dia seguinte da Assunção da Bem-Aventurada Virgem Maria. (nota 167)

Posteriormente, devem ter sido concedidas feiras adicionais, pois em 1696 afirmava-se que os Chaloners não só tinham sempre o mercado semanal e a feira em agosto (nota 168), mas também um na vigília, festa e amanhã da Natividade de a Santíssima Virgem Maria, e uma terceira na segunda e terça-feira seguinte ao Domingo de Pentecostes. William Chaloner então recebeu a licença real para deter mais dois, um na terceira segunda-feira de abril e na terça-feira seguinte, e o outro na primeira segunda-feira de novembro e na terça-feira seguinte. (nota de rodapé 169) O mercado semanal foi interrompido por um tempo, mas foi reaberto em 1855 (nota de rodapé 170) e agora é realizado na terça-feira.

Em fevereiro de 1409–10, o prior e o convento obtiveram a vista do frankpledge na cidade e na freguesia de Guisborough. (nota 171)

Provavelmente havia um moinho aqui em 1086 (nota de rodapé 172); certamente havia em 1119-1124 pelo menos dois que foram dados por Robert de Brus ao priorado, com soke e multure. (nota de rodapé 173) O moinho de Ravenesdale (nota de rodapé 174) e o moinho de oeste (nota de rodapé 175) são mencionados, um no século 12, o outro um pouco mais tarde. Em 1539-1540, havia dois moinhos de água para milho e um moinho de vento pertencentes à mansão. (nota de rodapé 176) Dois moinhos de água ainda existiam em 1767 (nota de rodapé 177), mas em 1794 só restava um. (nota 178)

A padaria comum com seus fornos foi vendida com o feudo em 1558 a Sir Thomas Chaloner. (nota 179)

BARNABY (Bernaldby, Bernoteby, xiii cent. Barnalby, xvi cent.) Não parece ser mencionado antes do início do século 13, mas parte dele provavelmente foi incluído em Hutton, pois Scugdale parece ter estado na taxa de Brus (fn. 180) por volta de 1230. Parte dos honorários de um cavaleiro em Barnaby foi realizada em 1314 de Henry de Percy, (nota de 181), mas nada mais se ouviu sobre este senhorio.

Gregório, filho de Walter de Barnaby, em 1230 deu a Guisborough Priory 15 oxgangs em Barnaby para serem mantidos por ele e seus herdeiros para o serviço estrangeiro e 22 acres em frankalmoign. (nota de rodapé 182) O convento também recebeu uma carucata de Ricardo, filho de Filipe de Barnaby, em 1251 (nota de rodapé 183) e várias doações menores (nota de rodapé 184) de modo que por volta de 1300 eles tinham 40 oxgangs aqui. (nota de 185) Sua propriedade em Barnaby parece ter ido com Guisborough Manor para Sir Thomas Chaloner. (nota de rodapé 186) O vilarejo, entretanto, em 1872 pertencia ao Sr. John Greenwood, que morreu em 1874, e atualmente é propriedade de seu filho, o capitão Charles Staniforth Greenwood.

COMMONDALE (Colmondale, século xvi.) Não é mencionado pelo nome no Domesday Book, mas provavelmente foi incluído em Guisborough, pois a maior parte dele certamente foi na doação feita ao Priorado de Guisborough por volta de 1119-24 por Robert de Brus, que deu aos cânones a charneca até a entrada de Skelderskew e daí toda a charneca e madeira do lado oeste, pois a água levava a 'Colemanergas', e daí tudo que a água levava até Esk para 'Dephil'. (nota 187)

O distrito inteiro estava provavelmente incluído na doação a Sir Thomas Chaloner. (nota de rodapé 188) Um feudo de Commondale, possessão tardia de Guisborough Priory, foi certamente vendido pela rainha por £ 172 em 1573 para Percival Gunson (nota de rodapé 189), mas se é o mesmo que o senhorio ou feudo de Commondale de que Robert Yoward em 1577 e Ralph Yoward em 1583 (nota 190) detinham dezenove vinte e quatro quartos, é impossível dizer, e depois da última data nenhum dos dois é mencionado novamente. As propriedades de Gunson e Yoward nunca foram verdadeiras feudos ou foram logo absorvidas pelas posses de Chaloner.

Em 1535, o priorado tinha aqui um moinho de água (nota 191) e em 1540 havia um moinho de água e também um moinho de fulling. (nota 192)

Parte da grande taxa mantida pelo conde de Mortain em 1086 foi em HUTTON LOWCROSS (Hotun, xi cent. Hoton, xiii-xvi cent. Loucross, xiii cent. Lokkerhousse, xvi cent.), Que foi provavelmente um dos três "feudos" antes detidos por Uctred. (nota de 193) Do Conde de Mortain Hutton parece ter passado para Brus, 7 carucates lá em 1279 estando na taxa de Brus. (nota de 194) O senhorio foi com a morte do terceiro Peter de Brus para sua irmã Lucy (nota de 195) de Thweng, e dela descendeu para sua neta Lucy, (nota de nota 196) que, no entanto, em janeiro de 1337 –8 renunciou à alfândega e aos serviços devidos ao feudo, que doravante seria mantido por Guisborough Priory em frankalmoign. (nota de 197) Os Huttons (Hoton), que mais tarde foram encontrados como inquilinos na propriedade, podem ser rastreados até Sir Humphrey de Hutton, que em meados do século 12 deu uma casa em Hutton para a Abadia de Whitby. (nota de rodapé 198) Outro toft em Hutton foi dado à abadia pelo filho de Humphrey, Hugh. (nota de rodapé 199) Ricardo, filho de Hugh de Hutton, tinha um moinho e era claramente senhor do feudo, visto que tinha direitos completos sobre o pasto comum, pântano e turbário de Hutton, e fala em uma concessão de 'seus homens de Hutton . ' (nota de rodapé 200) Dois acordos quanto ao turbário foram feitos em 1231 (nota de rodapé 201) e 1237 (nota de rodapé 202) entre ele e seu irmão Humphrey de um lado e o Priorado de Guisborough do outro. É impossível estabelecer a relação dos detentores anteriores com Richard de Hutton, que em 1279 mantinha 7 carucates em Hutton. (nota de rodapé 203) O feudo passou de Ricardo para Hugh de Hutton, e em 1290 deste último para seu filho John, (nota de rodapé 204) que o manteve em 1303, (nota de nota 205) 1316 (nota de nota. 206) e 1319 , (nota de rodapé 207) e em 1335 passou para o Priorado de Guisborough. (nota 208) Na dissolução (nota 209), caiu para o rei e desde então permaneceu propriedade da Coroa.

Um moinho de água pertencia ao feudo em 1290 (nota 210) e antes. (nota de rodapé 211)

No PINCHINGTHORPE (Torp, xi cent. Thorp, xii cent. Pynchunthorp, xiii e xiv cent.) Em 1086 havia dois "feudos", cada um consistindo de 3 carucates e cada um valendo 10s. antes da Conquista, um havia sido mantido por Ulchil e então era do rei (nota de rodapé 212), o outro que antes havia sido de um certo Edmundo estava nas mãos de Robert Malet (nota de rodapé 213), mas foi desperdiçado.

Um quarto dos honorários de um cavaleiro em Pinchingthorpe foi realizado em fevereiro de 1282–3 em Randle de Nevill, como havia acontecido antes com seu avô Robert. (nota de rodapé 214) A soberania de Nevill aqui em 1388 pertencia a John Lord Nevill de Raby (nota de rodapé 215), mas não é mencionado posteriormente.

Os Pinciuns ou Pinchuns que por fim deram seu nome ao município podem ser rastreados até William I inciun, em meados do século XII. (nota de rodapé 216) É impossível, entretanto, descobrir a extensão da propriedade de William ou de seu filho John, (nota de 217) ou dizer se eles eram parentes de Walter, filho de John de Pinchingthorpe, que ocupou o feudo em fevereiro 1282–3 (nota de rodapé 218) e vendeu-o em janeiro de 1300–1 para Adam de Thorp. (nota de rodapé 219) O feudo foi estabelecido por Adam em 1319–1320 em John de Bradley para toda a vida, com o restante para Walter, filho de John de Thorp, e Margaret, sua esposa e seus herdeiros. (nota de rodapé 220) Os herdeiros de Walter de Thorp, que é mencionado em conexão com Pinchingthorpe em 1332 (nota de rodapé 221) e 1347, (nota de rodapé 222) possuíam aqui em 1389 algumas terras pelo serviço de cavaleiros (nota de rodapé 223), evidentemente os 2 carucates que pertenceram em 1302 a Adam de Thorp (nota de rodapé 224) e em 1428 foram considerados como estando na posse de Walter de Thorp. (nota de 225) Em 1459, a mansão estava nas mãos de Christopher Conyers de Hornby e Sir John Conyers e sua esposa Margery, que parecem ter passado para os curadores (nota de 226) para Sir John Conyers em 1473, que o havia adquirido recentemente (nota 227) decidiu que era seu irmão Brian e a esposa de Elizabeth Nelson Brian. (nota de 228) Brian morreu em 1478 (nota de rodapé 229) deixando um filho e herdeiro Christopher, (nota de 230) cujos dois filhos herdaram o feudo por sua vez, John em 1543 (nota de 231) e George nove anos depois. (nota de rodapé 232) Com a morte de George em 1570 (nota de rodapé 233), passou sob um acordo de fevereiro de 1569–70 (nota de 234) para Leonard Conyers, irmão de Lord Conyers de Skelton, um primo distante (nota de 235) e em seu falecimento sem herdeiros do sexo masculino em 1576 para Roger Lee, MD, (nota de 236) filho da filha de Christopher Conyers, Agnes. (nota de rodapé 237) Roger Lee vivia em 1593 (nota de rodapé 238), mas aparentemente foi sucedido antes de 1611 por seu filho William (nota de rodapé 239) e ele por volta de 1650 por seu filho Roger. (nota de rodapé 240) A mansão descendeu em 1718–19 ao filho de Roger, também chamado Roger, (nota de rodapé 241) que se casou com Maria, filha de George Rokeby em 1710 (nota de nota 242), ele ainda vivia em 1741 (nota de nota. 243), mas em 1727 havia transferido parte de sua propriedade para seu filho James (nota de 244), que morreu em 1762. Seu filho e herdeiro James Lee sucedeu e morreu em 1817. Seu filho James morreu em 1828 deixando um filho John Roscliffe Lee , que com sua segunda esposa Catherine, filha de William Hayes de Birmingham, teve um filho Richard Gervase William Lee, que ele sucedeu nas propriedades da família em 1872 e é o atual senhor do feudo. (nota 245)

A outra 'mansão' Domesday de Pinchingthorpe depois caiu para Robert de Brus. (nota de 246) A taxa de Brus aqui é mencionada por volta de 1239 (nota de 247) e 3 carucates em 1290 foram mantidos por Lucy de Thweng, (nota de 248) neta de um dos co-herdeiros de Brus. (nota de 249) Por ela, o senhorio foi transferido em 1346 para John Darcy le Fitz (nota de 250), mas depois de 1398 (nota de 251) não há mais notícias.

Estes 3 carucates foram mantidos em 1290 por Hugh de Hutton, (nota 252) e foram dados em 1335 com o feudo de Hutton ao Priorado de Guisborough. (nota de 253) O prior e o convento os mantiveram em 1428 (nota de rodapé 254), mas depois devem tê-los concedido aos Bulmers, pois Sir William Bulmer em 1515 tinha terras aqui (nota de 255) descritas em 1531 como o feudo de Pinchingthorpe realizada pelo Prior de Guisborough. (nota 256) Foi dessas terras que Christopher Conyers exigiu uma ação judicial, uma reivindicação pela qual em 1515 ele e Sir John Bulmer entraram em conflito. (nota de 257) A mansão Bulmer passou sob um acordo para o filho de William, John, (nota de 258) e, finalmente, para o filho de John, Ralph, que o possuía quando ele morreu em 1558 (nota de 259), mas depois dessa data não é mencionado novamente. A terra que Ralph Bulmer possuía parece ter sido dada pela Coroa em 1588 como um acessório de Wilton Manor para Sir Thomas Cornwallis, (nota de rodapé 260) cujo neto a possuía em 1627 (nota de 261) as posses de Sir John Bulmer o filho mais novo, John, parece ter sido vendido por ele a Roger Lee (nota de rodapé 262) e adicionado à outra mansão de Pinchingthorpe.

Antes da Conquista, a Copsi havia doado 10 oxgangs de terra em TOCKETTS (Toscotun, xi cent. Theoscota, xii cent. Tocotts, xvi cent.) Para Durham Priory, (nota de 263) que, no entanto, não continha nada aqui quando Domesday Book foi compilado. Naquela época o Conde de Mortain tinha aqui 2 carucates, então resíduos, Richard segurando do conde uma 'mansão' antes mantida por Uctred. (nota de rodapé 264) Posteriormente, ele entrou em posse do Brus, cuja taxa lá é mencionada por volta de 1239 (nota de rodapé 265) e 1279 (nota de rodapé 266) e foi dividido na morte do terceiro Pedro de Brus entre dois de suas irmãs, Lucy de Thweng e Margaret de Roos. (nota de rodapé 267) Os honorários de Lucy desceram para sua neta Lucy de Thweng, (nota de nota 268) foi transmitida por ela em 1346 a John Darcy 'le Fitz' (nota de rodapé 269) e no século 15 passou pelo casamento (nota de rodapé 270) para os Conyers. (nota de 271) Os honorários de Margaret de Roos atribuídos por ela a Marmaduke de Thweng (nota de 272) foram herdados pelos filhos de Marmaduke (nota de 273) e por fim veio para os Lumleys. (nota de 274) Um carucado foi dito em 1303 como pertencente ao honorário de Meynell (nota de rodapé 275) e em 1428 ao de Nevill. (nota 276)

Tocketts. Argent, um leão azul com um baston gules.

A família de Tocketts, posteriormente encontrada na posse do feudo, provavelmente derivou sua origem de Guilherme, filho de Roger de Caratil, (nota de 277) que viveu no final do século 12, (nota de 27) e teve quatro filhos, Roger, Robert, Michael e William ligaram para Magnus. (nota de 279) Em 1279, William de Tocketts tinha metade dos honorários de um cavaleiro em Tocketts e em outros lugares. (nota de 280) Em 1281, uma parte de uma taxa em Seaton e Tocketts foi mantida por Adam de Seaton e John de Tocketts e a metade de uma taxa de Matthew de Glaphou e Adam de Tocketts, (nota de 281) com toda a probabilidade do filho de Adão e herdeiro de Roger de Tocketts, que dizem ter tido terras em Tocketts em 1269. (nota de rodapé 282) Em 1302–3 o herdeiro de João, que então estava sob a custódia do rei, e Adão mantinha Tocketts entre eles (nota de 283) como John e Adam de Tocketts também fizeram em 1316. (n.284) Parte da propriedade de Adam em 1338 (nota de rodapé 285) e 1340 (nota de rodapé 286) estava nas mãos de Richard de Tocketts, e em 1428 James Tocketts tinha tudo o que John tinha e muito que Adam tinha anteriormente. (nota de 287) Tiago morreu em 1430 (nota de nota 288) e seu sucessor, que tinha o mesmo nome, morreu em 1461 (nota de 289) quando o feudo (nota de nota 290) foi herdado por seu neto João. (nota de rodapé 291) De João passou em 1519 (nota de rodapé 292) para seu irmão William (nota de rodapé 293) e em 1526 para outro irmão Roger. (nota de rodapé 294) Ela descendeu em 1538 para o filho de Roger, Roger, (nota de rodapé 295) que morreu em 1586 deixando um filho e herdeiro George. (nota de 296) Os Tocketts possivelmente já estavam envolvidos em dificuldades devido à sua crença religiosa. Um padre examinado em 1593 (nota de rodapé 297) afirmou que havia celebrado a missa na mansão aos servos. A esposa do Sr. Tocketts, agora morta, disse ele, era católica romana e alguns dos servos nunca iam à igreja, mas Tocketts mandou alguns deles embora desde que a Comissão para os Jesuítas chegou, e ele próprio se conformou. Essas medidas de defesa, no entanto, foram inúteis. O feudo de Tocketts foi alugado em dezembro de 1599 pelos comissários da rainha por 21 anos a um aluguel de £ 18 para pagar as multas incorridas por não-conformidade pelo falecido proprietário Roger Tocketts. (nota de 298) George Tocketts, posteriormente um católico romano declarado, foi apresentado por não-conformidade de 1609 a 1616. (nota de 299) Ele foi sucedido antes de 1624 (nota de 300) por seu filho Roger Tocketts, (nota de 301) que com seu irmão William fez em 1630 um assentamento do feudo. (nota de 302) Guilherme, que herdou o feudo de Roger por volta de 1650, (nota de 303) também era católico romano e, em conseqüência, teve dois terços de suas propriedades sequestradas. (nota de rodapé 304) Eles parecem, entretanto, ter sido devolvidos a seu filho e herdeiro Roger em 1653 em uma declaração de que ele era um protestante. (nota 305)

A mansão foi mantida em 1656 (nota de rodapé 306) e 1666 (nota de rodapé 307) por Roger e em 1688 por seu filho George (nota de 308) e foi finalmente vendida por George Tocketts em 1715 para James Pearce e James Close, ( nota de rodapé 309) talvez curadores para a venda em 1716 para Edward Chaloner. (nota 310) Desde então, teve a mesma descendência que Guisborough Manor, sendo o atual proprietário o Coronel Richard Chaloner de Guisborough Hall.

Igrejas

A igreja de ST. NICHOLAS consiste em capela-mor de 52 pés 6 pol. por 25 pés, com sacristia norte e câmara de órgão, nave de 90 pés por 25 pés (nota 311) com corredor norte e sul e torre oeste parcialmente dentro da baía ocidental de da nave e formando externamente o pórtico de entrada. O edifício tem poucas obras antigas (nota 312), exceto na capela-mor, arcadas da nave e torre, tendo sido quase totalmente reconstruído ou restaurado no final do século XVIII e novamente em 1903-1908. As partes mais antigas mencionadas são do final do século 15 ou início do século 16 e não têm grande interesse arquitetônico, embora o design da torre com seu arco externo elevado e entrada recuada seja incomum.

Graves, escrevendo por volta de 1808, descreve o edifício como "um edifício simples, mas limpo, em vez de uma construção moderna com alguns reparos tardios". (nota de 313) Na época, mas recentemente, passou por uma reconstrução bastante drástica, provavelmente por volta de 1796 (nota de nota 314), quando as paredes do corredor parecem ter sido derrubadas e reconstruídas e um novo e amplo telhado de baixa inclinação erguido sobre todo o corpo da Igreja. Aparentemente, também se fez algum trabalho na capela-mor nesta época, visto que os topos dos contrafortes parecem ser da mesma época e os arcos da arcada da nave foram mutilados de acordo com a ideia então prevalecente de restauro. (nota 315) A sacristia e a câmara do órgão foram acrescentadas em 1889, e a reconstrução posterior, que começou em 1903, compreendeu a construção de novos telhados para a capela-mor, nave e corredores, uma nova janela leste, novas janelas para ambos os corredores, e uma restauração geral da capela-mor (nota 316) nave e torre.

Externamente, a capela-mor divide-se em três vãos por contrafortes de três etapas, e apresenta um cordão ao nível da soleira e contrafortes diagonais nos ângulos. Existem três janelas antigas, cada uma das três luzes com rendilhado perpendicular no lado sul, sendo a mais ocidental, porém, uma restauração. No norte há duas janelas semelhantes, a do oeste agora se abrindo para a sacristia. As janelas são todas do tipo final do século XV, mas as pontas pontiagudas são inseridas em um arco externo mais plano com largas ombreiras abertas, e é possível que as janelas tenham sido trazidas dos edifícios do priorado após a Dissolução e inseridas em sua posição atual, (nota 317) a aparência externa dificilmente sugere que eles tenham sido dispostos dessa maneira junto com a parede. Toda a parte superior da empena leste é nova. O amplo arco quadriculado da capela-mor é de duas ordens chanfradas, ambas descendo ao solo do lado da nave, sendo o interior a esguichar-se na parede em direcção à capela-mor. Acima do arco em direção à nave, permanece a linha da ampla cobertura do século XVIII.

A nave é de seis vãos com arcadas norte e sul de arcos planos quadriculares de duas ordens chanfradas, sem capô, saltando de delgados pilares octogonais com capitéis e bases moldados. O detalhe é pobre e tardio e mostra os efeitos da restauração do século XVIII. O corredor norte tem 14 pés de largura, mas o do sul tem apenas 12 pés 6 pol. E ambos têm telhados planos de carvalho.

A janela oeste do corredor sul é a velha janela leste restaurada, e é de três luzes trevo com rendilhado perpendicular. Conserva alguns fragmentos de vitrais medievais e alguns datados do século XVIII. (nota 318) As paredes do corredor são divididas externamente em seis compartimentos por contrafortes e terminam com parapeitos retos.

A torre tem uma extensão de cerca de 9 pés e é aberta para a nave por um arco alto pontiagudo de duas ordens chanfradas, uma característica que se repete do lado de fora, a porta oeste e a janela sendo recuadas em linha com a parede oeste da nave. O arco externo é de três ordens de chanfros ocos com um molde de capota de projeção ousada e sobe a toda a altura do andar inferior da torre acima das paredes do corredor, formando um portal ocidental não inexpressivo. A porta e a janela são modernas. A torre é de três estágios marcados por cordas, sendo o estágio intermediário muito curto com um mostrador de relógio voltado para a cidade no lado oeste. As janelas do campanário são aberturas altas e pontiagudas de duas lâmpadas com quadrifólio na cabeça, no painel de popa e no molde do capô. Há um torno no meio da parede sul que sobe até a altura do piso do campanário e é acessado pelo final do corredor. A torre termina com um parapeito fortificado.

As baias, o púlpito e todos os acessórios da capela-mor e da nave são modernos. A fonte data de 1872. O banco Chaloner na extremidade leste do corredor sul é simples, sem tratamento arquitetônico de qualquer tipo, e é acessado por uma porta externa no lado sul. Ele mede 16 pés 6 pol. Por 15 pés 6 pol. E é elevado 2 pés e 3 pol. Acima do chão da igreja.

No piso da nave, na extremidade leste, em frente ao arco da capela-mor, há um latão com inscrição rimada de Susanna Pickering, falecida em 1641 (nota 319) e na extremidade oeste do corredor sul está o monumento de Brus de a igreja do priorado. (nota 320) A ocorrência da rosa Tudor no canto nordeste sugere que o monumento foi erguido por Mary Tudor, filha de Henrique VII e esposa do rei Jaime IV da Escócia. Outros detalhes também apontam para a primeira metade do século 16 como a data de sua ereção, o dispositivo de um galo em pé sobre um carretel, que ocorre em três lugares, sendo sem dúvida o rebus de James Cokerell, que foi anterior em 1519-34 e uma concha, que ocorre no lado norte, provavelmente faz referência ao padroeiro do prior (São Tiago).

O monumento, que é um cenotáfio em forma de tumba de mesa, com 2,7 metros de comprimento por 3 metros de largura, foi removido do convento para a igreja paroquial algum tempo após a Dissolução e em 1661 foi gravado por Hollar no segundo volume de Dugdale's Monasticon. A gravura mostra o lado sul e a extremidade oeste, e é uma 'representação bastante precisa, embora um tanto convencional' em questão de detalhes, no entanto, a precisão está longe de ser perfeita. John Warburton, o arauto, c. 1718, fornece um desenho aproximado do lado norte, e afirma que a tumba ficava 'perto da entrada ou da porta oeste', e que o assento do guardião da igreja era fixado nela de forma que 'nenhuma inscrição' pudesse ser vista. É provável, porém, que apenas as duas faces se encontrassem então no alpendre, e que o túmulo tivesse sido originalmente colocado no canto sudoeste da capela-mor, onde a base permaneceu até há bem pouco tempo. Algum tempo no início do século XVIII, o monumento parece ter sido removido, as laterais fixadas no alpendre e o tampo usado para a mesa da comunhão. As pontas, no entanto, parecem ter sido tratadas de forma diferente, sendo que a face leste foi posteriormente levada para Hardwick Hall, perto de Sedgefield, co. Durham, onde por volta de 1754 John Burdon embelezava o parque com ruínas falsas e outros edifícios ornamentais, e onde permaneceu até ser removido por volta de 1865 pelo almirante Chaloner, que o colocou nas ruínas do priorado. A extremidade oeste foi perdida, mas é bem possível que também tenha sido levada para Hardwick e ainda possa estar lá. No momento da última restauração da igreja, as várias partes do monumento foram reunidas e o túmulo foi reerguido em sua posição atual. É composto por seis lajes de calcário carbonífero, os lados tendo 11 pol. De espessura e a porção moldada do topo 9 pol. Os lados são ornamentados por uma série de nichos rasos com cabeças trevoadas, cinco de cada lado, e entre eles em ambos os casos quatro nichos menores com cabeças semicirculares e cúspides em trifólio. Acima de cada um desses nichos menores está um escudo de forma quadrada e pontiaguda. Os nichos maiores contêm estatuetas de cavaleiros em armaduras, aqueles no sul representando os Bruses do ramo escocês ou Annandale, e os outros os Bruses ingleses da linha Danby e Skelton. Os cavaleiros ingleses seguram escudos com o leão de Brus em seus seios com ambas as mãos, enquanto as figuras do lado escocês carregam escudos heráldicos em seus braços esquerdos. As figuras do lado inglês representam Adão I, Adão II, Pedro I, Pedro II e Pedro III (nota 321) (m. 1272), e as do lado escocês Robert I, William, Robert III, Robert IV (o concorrente) e Robert V. Do lado inglês os quatro pequenos nichos são preenchidos com figuras dos quatro doutores da igreja, Santo Agostinho, São Gregório, São Jerônimo e Santo Ambrósio, em pé sobre pedestais de forma semi-octogonal representando capitéis esculpidos. Os quatro escudos acima são esculpidos com (1) os braços do priorado, (2) uma mitra transfixada por um báculo, (3) um galo em um carretel e (4) um falcão ou águia com asas expostas, segurando em seu garras um anel de gimmel. Os spandrels contêm representações da lua cheia e estrelas, o sol em esplendor, uma patena, um cálice, uma concha de peregrino e três pergaminhos. No lado sul, ou escocês, os pequenos nichos contêm as figuras dos quatro evangelistas, os escudos acima ostentando seus respectivos símbolos. As esculturas nos tímpanos referem-se principalmente à Paixão, ao pé sagrado, à sagrada mão perfurada por um furador, uma bolsa ou bolsa com dinheiro e um cálice sendo representados. Há também um escudo carregado com três castelos ou possivelmente caixas de dados, e o dispositivo do galo e do carretel que aqui ocorre pode, neste caso, referir-se à Paixão. Dois dos spandrels são esculpidos com figuras humanas (ou anjos), um é obliterado e o outro tem um objeto como uma lanterna. As costas dos nichos em que se encontram os cavaleiros são decoradas com rendilhado cego, e os recessos são recortados mais profundamente no lado sul. No ângulo nordeste, a laje final se sobrepõe à lateral e é esculpida na extremidade de retorno com uma figura da Virgem coroada em pé sobre um pedestal dentro de um nicho longo e estreito, acima do qual está um escudo com a rosa Tudor, o todo formando uma feição distinta da outra obra no lado norte. A extremidade leste do monumento apresenta uma arcada de três nichos sustentados por pequenos cachorros, sendo todo o espaço inferior ocupado por um conjunto de figuras representativas do prior sentado, habitado de batina e manto e segurando no joelho com as duas mãos um escudo com as armas do priorado. Em ambos os lados ajoelham-se grupos de cânones, seis à esquerda e dez à direita, sendo este último parcialmente esculpido na extremidade de retorno da laje sul. Os spandrels da arcada contêm uma figura segurando um bastão (provavelmente um peregrino), a Virgem coroada com Nosso Senhor nos braços e rodeada de raios de glória, e o galo e o carretel novamente. A extremidade oeste perdida foi substituída por uma laje plana. O desenho em Dugdale mostra que ele foi esculpido com a figura de um rei em pé, vestido com uma longa túnica e manto e usando uma coroa. Sua mão direita segura um cetro, enquanto a esquerda sustenta um escudo carregado com as armas reais da Escócia. Ele é apoiado em ambos os lados por figuras menores usando coroas, mas vestindo uma armadura, os três provavelmente representando Robert Brus, seu pai e avô.

Na torre está um anel de seis sinos lançado por T. Mears de Londres em 1824. (nota de rodapé 322)

O prato consiste em uma xícara de prata dourada de 1604, em forma de tazza, com a tampa encimada por uma torre triangular, e a tigela e a tampa ornamentadas com um repoussé reticulado, uma xícara de 1641 feita por Robert Harrington de York, semelhante em design, mas simples , e com a inscrição, 'Tho. Pickering, Henry Lyell, Tho. Proddy e Robert Browne Churchwardens 1640 'uma xícara de 1652 com a inscrição,' A guift of William Wicklife Cittizen de Londres Para a Paróquia de Gisbrough em Yorkeshire 1652 'uma patena de 1679, com a marca do fabricante W.H. uma patena de 1680, de desenho semelhante, mas com a marca T.A. e um frasco de 1730. (fn. 323)

Os registros começam em 1661.

A igreja missionária de ST. PETER, ao qual está anexado um cemitério, está relacionado com a igreja matriz, e foi construída em 1898. É composta por capela-mor com sacristia, nave e alpendre sul.

Advowson

O Domesday Book registra que na propriedade do Conde de Mortain em Guisborough, Middleton e Hutton havia uma igreja com um padre. (nota de rodapé 324) Somente em 1426, entretanto, a igreja de São Nicolau (nota de rodapé 325) é mencionada. A igreja foi presumivelmente incluída, embora não seja nomeada, na concessão de Guisborough feita por volta de 1119-1124 por Robert de Brus ao priorado de Santa Maria. Foi apropriado para aquela casa antes de 1291 (nota de rodapé 326), mas nenhum vicariato foi ordenado, e em 1309 foi descoberto que o prior e o convento tinham o direito de servir a igreja por um padre estipendiário. (nota de rodapé 327) Após a dissolução do priorado, a apresentação à cúria coube ao rei, e foi concedida por ele em 1545 ao Arcebispo de York e seus sucessores (nota de nota 328), que a mantiveram desde então.

A reitoria teve a mesma história do advogado.

Em 1426 havia um altar de Santa Maria aqui (nota 329) e em 1536 Roger Tocketts legou ao altar-mor “uma bolsa de veludo. . . para oferecer o sacramento em seke folkes, 'e 4s. 'para os lyghtes de Oure Ladie.' (nota de rodapé 330) Em 1508, é feita referência a uma imagem da Santíssima Trindade. (nota de rodapé 331) Uma fraternidade da Bem-aventurada Virgem Maria existia em Guisborough em 1478 (nota de rodapé 332), mas provavelmente estava ligada ao convento em vez de à igreja paroquial.

No início do século 16, um pregador ou conferencista em Guisborough recebia 100 marcos por ano, que depois de 1625 deveriam ser pagos pelos fazendeiros das fábricas de alum. (fn. 333)

Na igreja do priorado havia altares de São Nicolau e Santa Catarina mencionados no século 13, (nota de fn. 334) um da Santa Cruz mencionado no dia 14, (nota de nota 335) e outro de 'Jesus Cristo Crucificado' no início de o século 16. (nota 336) A capela de Santa Hilda, descrita como sendo o novo salão do Priorado de Guisborough, sem dúvida foi construída pela primeira vez em 1302, quando Thomas Bishop de Whithorn ofereceu uma indulgência em seu benefício. (nota 337) Parece duvidoso que a capela da Bem-aventurada Maria dentro do priorado de Guisborough, para a qual uma capela seria transferida de Stokesley em 1375, (nota 338) não fosse a própria igreja conventual.

Uma capela em Barnaby é mencionada várias vezes no final do século 12 ou início do século 13, (nota de rodapé 339) e pode ser possivelmente a capela 'Holmeswath (nota de nota 340)', para o sacerdote da qual Dame Helen Gilson em 1451 legou 3s. 4d. (nota 341) mas nada mais se sabe a respeito e nenhum vestígio permanece. Houve uma vez em Tocketts uma capela de St. James sobre a qual um acordo foi feito entre o prior e o convento com William e John. Tocketts, (nota 342) aparentemente no início do século XVI. (nota de rodapé 343) O sacristão do priorado deveria encontrar um capelão para celebrar missa ali nas segundas, quartas e sextas-feiras de cada semana, mas aos domingos e festivais William e John e seus herdeiros deveriam frequentar a igreja paroquial onde a capela deveria ser mantida pelos Tocketts, que também forneceriam todo o mobiliário necessário. John Tocketts em 1519 fez uma herança de 6s. 8d. à capela de Tocketts para uma vestimenta de padre (nota 344) e em 1536 Roger Tocketts deixou 3s. 4d. 'para o payntinge de St. James.' (nota de 345) Nada mais se sabe sobre ele e há muito desapareceu sem deixar vestígios.

Instituições de caridade

A escola ou hospital de Jesus, fundada por Robert Pursglove, escrivão, pela Carta Patente da Rainha Elizabeth datada de 25 de junho de 1561, é regulamentada por um esquema sob o Endowed Schools Acts, aprovado em 24 de junho de 1885.

A renda das dotações, que consiste em uma fazenda e uma taverna em Bolam e uma fazenda em Little Smeaton e alguns aluguéis de baixa renda, chega a cerca de £ 450 por ano. A proporção da dotação aplicável ao apoio e manutenção dos doze aposentados pobres originalmente na fundação foi por uma ordem datada de 22 de julho de 1904, feita de acordo com a Lei do Conselho de Educação de 1899, determinada em £ 216 por ano. Os doze aposentados também têm direito à soma de £ 24 por ano como renda de £ 600 da North Eastern Railway 4 por cento. ações garantidas detidas pelos curadores oficiais, representando o investimento do produto da venda em 1875 de uma casa em Stonegate Street, York, extinta por seu melhor sustento por testamento do Rev. Richard Lumley, datada por volta de 1694.

O dito Richard Lumley extinguiu uma propriedade em Carlton Miniott, perto de Thirsk, contendo cerca de 67 acres, produzindo cerca de £ 100 por ano, para o titular, com a condição de que (entre outras coisas) ele deveria catequizar todos os domingos os filhos da paróquia.

A escola conhecida como Providence School foi fundada por assinaturas públicas em 1790, e os trustes declarados por escritura datada de 22 de setembro de 1804.É regulamentado por um esquema ao abrigo do Endowed Schools Acts, aprovado em 6 de novembro de 1877, segundo o qual as antigas instalações foram autorizadas a ser vendidas e os fundos de dotação aplicados para a promoção da educação. O fundo de dotação consistia anteriormente em £ 3.200 consoles, dos quais uma soma de £ 1.683 foi em 1878 fornecida para o último propósito. Agora consiste em £ 2.422 7s. 4d. consola com os curadores oficiais, que inclui uma quantia de £ 936 10s. 8d. consoles, representando receitas de vendas em 1869 de terras e aluguéis pagos de fazenda então aplicados para fins de caridade, e uma soma de £ 52 15s. 3d. consoles, anteriormente conhecidos como Poor's Money.

Uma soma de 9s. um ano emitindo terras em Pinchingthorpe pertencentes ao Sr. RGW Lee em relação à caridade de Matthew Sanderson também é recebido pelo conselho distrital urbano, que por uma ordem de 18 de novembro de 1905 foi nomeado pelos Comissários da Caridade para serem os curadores da instituição de caridade .

Em 1865, o falecido almirante Chaloner, C.B., estabeleceu um hospital para homens que sofreram acidentes nas minas, e o mesmo doador cedeu o local para o salão de temperança na Rua Chaloner.

Caridade da Sra. Puncher. - Em 1867, o Sr. William Puncher, em memória de sua falecida esposa, estabeleceu uma quantia de £ 1,000 consoles, sob fiança, a renda deles a ser gasta no reparo da placa de mármore na capela-mor da igreja , o restante a ser distribuído anualmente no dia de Natal igualmente entre seis viúvas pobres de boa reputação acima de sessenta anos de idade, chefes de família residentes, batizados na igreja paroquial e membros da Igreja da Inglaterra. As ações são mantidas pelos curadores oficiais, e a receita é devidamente aplicada pelos curadores administradores, o senhor do feudo e o titular e os guardiães da igreja.

Em 1875 Charles Attwood, por testamento comprovado em 31 de março, legou dez anuidades de £ 25 por ano cada uma para o benefício de pessoas pobres em necessidade física, sem distinção de seita religiosa, nesta paróquia, em oito paróquias do condado de Durham, e em Alston em Cumberland. As anuidades são fornecidas com os dividendos de certos títulos coloniais, transferidos em 1888 para os curadores oficiais, que também detêm uma soma de £ 146 14s. consols, representando atrasos de anuidade aplicáveis ​​em Guisborough.

A capela Wesleyana, fundada pela escritura de 1811, é regulamentada por um esquema de Comissários de Caridade de 1880, segundo o qual a propriedade fiduciária foi dirigida para ser mantida sob os trusts da escritura modelo Skircoat datada de 1832.

Em 1867, John Small, por testamento comprovado em 6 de fevereiro deste ano, legou um legado representado por £ 624 18s. consola com os fiduciários oficiais a receita deles, no valor de £ 15 12s. 4d., é aplicável para o benefício dos membros pobres da sociedade Metodista residente em Guisborough.

Município de Commondale. - Joseph Dunn, conforme consta da inscrição em sua lápide no cemitério da igreja em Kildale, 1716, à esquerda, entre outros presentes de caridade, 20s. um ano para os pobres desta cidade. A anuidade é paga pela Commondale Brick and Pipe Company.


Guisborough

‘Fortificação de Gigr’. Ch- Ghigesburg, Gighesborc, Ghigesborg, Giseborne 1086, Gisebur (g) h c.1130-15 século, Gi-Gysburgh 1285-1577, Gysborow, -borough 1530, Gi- Gyseburne (1119) século 15-1430, Gi- Gysburn 1228-1483. Nome pessoal nórdico antigo Gigr, genitivo secundário singular Giges, + Inglês antigo variando com nórdico antigo borg e inglês antigo Burna.

As informações sobre este nome de local foram fornecidas por Victor Watts por comunicação pessoal.

Livro Domesday

Sob o título "Terras do Rei" está escrito

“Em Chigesburg, Ulchel (tinha) 1 carcaça de terra para castrado. Terreno para meio arado.

Sob o título "Terra do Conde", está escrito

“Em Ghigesburg, 17 carucates.”

Sob o título “Terras de Robert Malet”, diz

"Em Ghigesborg, Leisinc tinha 3 carucates e 2 bovates de terra para castrado, onde podem estar 2 arados. Agora, Robert tem 1 arado ali e 3 vilões com 1 arado. T.R.E. valia 5s. 4d agora (vale a pena) o mesmo. '

(Um carucado tinha cerca de 100 acres. Um bovino tinha cerca de 15 acres. Geld era um imposto que precisava ser pago. T.R.E. significa & # 8220 na época do Rei Eduardo, o Confessor & # 8221)

Ver Tradução de William Farrer em "The Victoria History of the County of York" vol.2 (ed.) W.Page (1912).

Proprietários de terras primitivos

O conde Robert de Mortain possuía terras consideráveis ​​aqui na época do Domesday Book, mas durante o reinado de Henrique I, toda a cidade de Guisborough caíra nas mãos de Robert de Brus do Castelo de Skelton. Em 1119, Robert de Brus fundou o Priorado de Guisborough e concedeu o feudo de Guisborough aos cônegos de lá. Permaneceu nas mãos dos cônegos até que o convento foi dissolvido por Henrique VIII em 1538. Em 1550, a família Chaloner comprou o convento e oito anos depois eles se tornaram senhores do feudo de Guisborough.

Ver “The Victoria History of the Counties of England: Yorkshire North Riding” vol.2 (ed.) W.Page (1923).

Uma menção antecipada

Nas sessões Helmsley Quarter em julho de 1613, um alfaiate de Guisborough e taverneiro foi apresentado aos magistrados & # 8220 por sofrer uma grande desordem em sua casa no domingo, 2 de janeiro. 1613 no período do serviço da tarde e ampc. e por não vender cerveja de acordo com a taxa limitada & ampc. & # 8221

Uma menção inicial na literatura apareceu em & # 8220A Description of England and Wales & # 8221 vol. 10, F.Newberry e T.Carnan (1770):

& # 8220A seis milhas ao norte a leste de Stokesley está Gisborough, ou Guisborough, uma cidade situada na estrada de Whitby a Durham. Ergue-se em terreno ascendente, numa localização aprazível e com um ar puro notável, um belo cenário de verdura cobre todos os campos próximos, que são adornados com abundância de flores silvestres, quase todo o ano, de onde foi comparada para Puteoli na Itália. A cidade é bem construída e seus habitantes são famosos por sua civilidade e limpeza. Aqui existiu antigamente uma abadia, cuja igreja parece, por suas ruínas, ter sido um pouco inferior às melhores catedrais da Inglaterra. Perto desta cidade existem minas de ferro e alúmen, mas estes últimos estão agora quase abandonados. Esta cidade tem um mercado às segundas-feiras, e seis feiras, que se realizam às segundas e terças-feiras a partir do dia 11 de abril, para o linho e gado com chifres na terça-feira na semana de Pentecostes, para o gado com chifres e para o linho no dia 27 de agosto, o 19 e 20 de setembro, e na primeira segunda-feira após 11 de novembro, para gado com chifres. & # 8221

O Subsídio de Leite de 1301

Mais de 80 pessoas em Guisborough tiveram que pagar esse imposto governamental sobre bens móveis. Muitos mais foram isentos. Eram quase tantos quanto Whitby, o movimentado porto marítimo de North Riding. O maior contribuinte foi Adam de Tokotes, pagando quase 10 xelins. O total de impostos pagos foi de pouco mais de £ 7 15 xelins.

Derivado de “Yorkshire Lay Subsidy” editado por W.Brown (Yorkshire Archaeological Society Record Series) 1897.

Edifícios Selecionados

Guisborough Priory (1119, mas muito alterado após um incêndio em 1289)

Pombal do Priorado (século 14)

Igreja de São Nicolau (c. 1500 em uma fundação muito mais antiga)

Market Cross (meados do século 18, alterada em 1817)

Antiga marcenaria em Hutton Gate. Grau 2 estrelas listado. (meados do século 19)

Gisborough Hall (1857, ampliado em 1902)

Alguns edifícios perdidos

O Hospital de Jesus (1561) demolido c. 1888.

Toll Booth (mencionado em 1599) demolido em 1821.

Nºs 1 a 5 Market Place (século 18) demolido em 1963.

Igreja Wesleyana (1811) demolida em 1963.

Reitoria (1859, destruída por um incêndio em 1868 e reconstruída) demolida em 1966.

Biblioteca de Guisborough (1965) destruída por um incêndio em 1996.

Pessoas importantes:

Robert Pursglove (1503 / 4-1580) Um clérigo de Derbyshire que se tornou prior de Guisborough. Ele também fundou a Grammar School and Hospital em Guisborough.

Thomas Chaloner (1564-1615) Um homem de muitas partes que cresceu em Londres. Ele trouxe a indústria de alum para Cleveland.

Joshua Ward (1684 / 5-1761) Um médico charlatão de Guisborough que se tornou muito conhecido em Londres depois de tratar do Rei George II. Ele inventou dois medicamentos, Ward & # 8217s Pill e Ward & # 8217s Drop com alguns ingredientes perigosos. Ele foi enterrado na Abadia de Westminster.

John Wright (1807-1882) Um poeta de Guisborough que ficou conhecido como “O Bardo de Cleveland”.

Fred Priest (1874-1922) Um jogador de futebol nascido em Guisborough que jogou pelo Sheffield United quando foram campeões da Football League em 1898 e vencedores da Copa F.A. em 1899 e 1902.

Willie Applegarth (1890-1958) Um atleta de Guisborough que ganhou a medalha de ouro nos 4 x 100 metros nos Jogos Olímpicos de 1912.

Elinor Lyon (1921-2008) Escritora de livros infantis, nascida em Guisborough.

Bob Champion (1948-) Um jóquei de Guisborough que venceu o Grand National em 1981 em Aldaniti.

Selina Scott (1951-) Uma locutora de notícias nascida em Guisborough e apresentadora de televisão nacional.

Mark Benton (1965-) Ator de televisão e cinema nascido em Guisborough.

Katy Livingston (1984-) Esportiva de Guisborough que representou seu país no pentatlo moderno nos Jogos Olímpicos de 2008.

O imposto sobre o lar de 1673

O antigo Wapentake de Langbaurgh se estendia de Yarm, no leste, até Lythe, perto de Whitby, no oeste, e do rio Tees ao rio Esk. Em 1673, Guisborough era sua maior cidade. 105 casas em Guisborough tinham 1 ou 2 lareiras, enquanto outras 28 casas eram maiores, com 3 ou 4 lareiras. Havia 7 casas ainda mais substanciais com 5 ou 6 lareiras, enquanto as maiores residências da cidade eram as de “Tho Wilson” com 7 lareiras, “Sr. Ja Lynne” com 10 lareiras e “Sr Edw Challoner Kt” com 17 lareiras. Para além destas 143 propriedades, existiam 68 habitações unifamiliares que situavam-se abaixo do limiar de tributação, perfazendo um total de 203 fogos. Isso era mais do que você encontraria em Stockton ou Hartlepool em 1673.

Ver “The Hearth Tax List for the North Riding of Yorkshire, Michaelmas 1673, Ripon Historical Society (2011).

Diretórios

Baines & # 8217 Directory de 1823 retratou Guisborough como uma cidade movimentada. Incluídos neste diretório estavam 15 mercearias, 3 lojistas, 6 açougueiros, 4 padeiros, 4 negociantes de vinho e bebidas espirituosas, 2 químicos, 9 drapers, 5 modistas e costureiras, 5 alfaiates, 5 fabricantes de chapéus de palha, 9 fabricantes de botas e sapatos, 4 livreiros , 3 fabricantes de relógios e relojoeiros e 6 ferragens. Foram nomeadas 17 pousadas e tabernas. O diretório também listava vários marceneiros e marceneiros, encanadores e vidraceiros, pedreiros, ferreiros, tanoeiros, carpinteiros, moleiros, fazendeiros, jardineiros, esfoladores, seleiros, costureiros de linho, fabricantes de linho e fabricantes de cordas.

Kelly & # 8217s Directory de 1913 tem uma lista menos completa que relaciona 21 negociantes gerais, 12 mercearias, 10 açougueiros, 5 confeiteiros, 3 fruticultores, um padeiro, 4 drapers, 8 alfaiates e outfitters, 3 relojoeiros, uma química, uma papelaria, um tabacaria, 2 negociantes de ferragens, 2 negociantes de carvão e 8 fabricantes de botas e calçado. Havia 3 varejistas de cerveja, 11 pousadas e tabernas e 5 lojas de peixe e batatas fritas.

Uma Seleção de Datas

1119 Robert de Brus do Castelo Skelton fundou Guisborough Priory, uma casa dos cônegos agostinianos.

1263 Um mercado semanal e uma feira de três dias todo mês de agosto foram concedidos.

1289 Grande parte do priorado foi destruída por um incêndio que começou acidentalmente.

1405 O chefe de Sir John Fauconberg foi colocado no pedágio por se rebelar contra o rei.

1536 O prior James Cockerill entregou o priorado aos comissários do rei Henrique VIII.

Robert Pursglove foi nomeado prior. Ele provou ser um servo leal da Coroa.

1537 James Cockerill foi executado por sua parte em um protesto contra o fechamento dos mosteiros: a Peregrinação da Graça

1550 Thomas Chaloner comprou as terras do Priorado da Coroa.

1561 O prior Pursglove fundou o Jesus Hospital e uma escola em Guisborough.

1569 Vários rebeldes capturados após o Levante do Norte foram executados em Gisborough.

1643 A Batalha de Guisborough. Um exército parlamentar derrotou uma força realista.

1651 George Fox visitou Guisborough. As reuniões dos quacres na cidade começaram no ano seguinte.

1759 John Wesley pregou em Guisborough pela primeira vez.

1768 Um Quaker Meeting House foi construído na cidade.

1777 Uma capela metodista foi construída.

1790 A Escola Providence foi fundada.

1811 A Igreja Wesleyana foi dedicada. A Capela Ebenezer foi construída pelos Independentes, mais tarde conhecidos como Congregacionalistas.

1814 Uma nova carta de mercado para a cidade foi emitida.

1821 A prefeitura é construída para substituir a antiga cabine de pedágio.

1839 A Guisborough Union Workhouse foi inaugurada.

1853 A mina de pedra de ferro Belmont foi aberta ao sul da cidade e a mina de pedra de ferro Chaloner foi aberta ao norte.

1854 A primeira linha ferroviária de passageiros para Guisborough entrou em serviço.

1857 Thomas Chaloner construiu Long Hull, sua nova casa de família.

1861 A Capela Metodista Primitiva da Chapel Street foi inaugurada.

1864 Um capacete romano foi descoberto perto de Guisborough.

1865 A Fundição de Guisborough foi ampliada cerca de 5 anos depois de começar a funcionar.

1871 Guisborough Water Company foi formada.

1873 O Hospital do Almirante Chaloner foi criado para mineiros de ferro feridos.

1881 Northgate Schools abertas.

1888 O Prior Pursglove’s Hospital foi reconstruído como Guisborough Grammar School.

1894 Guisborough foi designado como um distrito urbano com seu próprio conselho.

1907 A capela Metodista Primitiva foi dedicada.

1911 O cinema Empire é inaugurado. Fechou na década de 1960.

1928 A delegacia de polícia de Guisborough foi construída.

1933 A mina Belmont é fechada. A mina Chaloner foi fechada seis anos depois.

1939 A última mina de ironstone na área de Guisborough interrompeu a extração.

1941 A & # 8220starfish & # 8221 local de engodo de guerra foi construído nas charnecas acima de Guisborough como parte das defesas contra ataques aéreos Teesside & # 8217s.

1948 A enfermaria da casa de trabalho tornou-se o Guisborough General and Maternity Hospital.

1958 A Escola Secundária do Condado de Guisborough foi construída. Mais tarde, foi chamada de Laurence Jackson School.

1964 Os serviços de transporte ferroviário de passageiros de Guisborough foram interrompidos.

1965 A Biblioteca de Guisborough foi construída. Foi destruído por um incêndio em 1996.

1968 A piscina foi inaugurada. Foi remodelado em 2009 e 2015.

1972 O Prior Pursglove Sixth Form College foi inaugurado.

1973 O Guisborough Town Football Club foi fundado.

1974 O Conselho do distrito urbano de Guisborough foi dissolvido quando o condado de Cleveland foi formado.

1988 Uma reunião pública em Sunnyfield House votou unanimemente contra um novo conjunto habitacional, alegando que muitas casas novas já haviam sido construídas em Guisborough.

1989 Guisborough Town F.C. venceu a Copa da Liga do Norte e se classificou para a Copa F.A.

1995 O desvio de Guisborough foi concluído para aliviar o congestionamento ao longo de Westgate.

1999 A fábrica de camisas de Burton é fechada.

2004 Guisborough venceu a North Yorkshire e South Durham Cricket League pelo quarto ano consecutivo.

2015 A antiga Blackett Hutton Foundry foi demolida.

Esta lista de datas foi compilada usando a linha do tempo de Grace Dixon & # 8217s no Boletim 56 (1997) da Sociedade de História Local de Cleveland e Cleveland e Teesside e outras fontes secundárias.


GUISBOROUGH: Informações geográficas e históricas do ano 1890.

Wapentake de Langbaurgh (Divisão Leste) - Poor Law Union de Guisborough - Distrito do Tribunal do Condado de Stokesley - Divisão Sessional Petty de Langbaurgh East - Reitorado Rural de Guisborough - Arquideaconaria de Cleveland - Diocese de York.

Esta freguesia, situada na parte mais pitoresca de Cleveland, inclui, além do município de seu próprio nome, os de Common Dale, Hutton Lowcross, Pinchingthorpe e Tocketts, tendo uma área total de 13.165 acres e uma população de 7.232 almas. O solo é de carácter variado mas geralmente fértil, excepto nos pântanos, que ocupam uma parte considerável da freguesia. Ironstone é abundante, mas embora a mineração do minério sem dúvida tenha adicionado imensamente à riqueza do distrito, não se pode dizer que tenha adicionado à beleza da paisagem. Os depósitos ferríferos variam em espessura, e nas minas de Chaloner a divisão principal tem em média cerca de 13 pés.

O município de Guisborough compreende 7.014 acres, incluindo 4.000 acres de charnecas, e tinha em 1881 uma população de 6.616. O valor tributável para o ano atual é & libra 27,200. Os curadores do falecido almirante Chaloner são senhores do feudo e principais proprietários de terras, Capitão C. T. Greenwood, J.P. e D.L., de Swarcliffe Hall, perto de Ripley, é dono do vilarejo de Barnaby, contendo cinco fazendas.

o Cidade, A 16 km de Middlesbrough, está agradavelmente situado em um vale estreito, mas fértil, rodeado por algumas das melhores paisagens do norte da Inglaterra. Camden, encantado com a beleza de sua posição e arredores, assim o descreve: "O lugar é realmente bom, e pode em ponto de agradabilidade e uma variedade graciosa, se comparar com Puteoli na Itália e em ponto de salubridade, ele supera em muito. A frieza do ar que o mar ocasiona, é qualificada e quebrada pelas colinas entre o solo, é frutífera e produz grama e belas flores em grande parte do ano ”. É um local de considerável antiguidade, mas não parece haver qualquer fundamento para a suposição de Baxter, de que foi o Urbs Caluvium dos romanos, nem ele tem qualquer autoridade para supor que foi na época dos saxões a sede de um "famoso mosteiro".

O nome foi escrito de várias maneiras: Guisborough, Guilsbrough, Gisbrough ou Guisbrough (às vezes Gysburne), e pelos escribas normandos no Domesday Book, Ghigesburgh. A partir desse valioso registro, ficamos sabendo que Ghigesburgh continha três feudos, um dos quais era o antigo domínio da coroa, o segundo era mantido por Uchtred e o terceiro por Lesing, mas na Conquista, esses proprietários saxões foram caçados e suas terras dadas para o conde de Moreton. A cidade deve ter sido um lugar notável naquele período inicial, pois possuía uma igreja e um padre residente. Esses feudos foram posteriormente transferidos pelo Conquistador para Robert de Brus, Senhor de Skelton.

o Priorado, o orgulho e a glória de Guisborough, e uma das instituições monásticas mais ricas, magníficas e extensas do reino, foi fundada pelo segundo Robert de Brus em 1119. Os presos professavam o governo agostiniano. A casa foi generosamente dotada pelo fundador, que declara em seu foral que "pelo conselho e conselho do Papa Calixtus II. E Thurstan, Arcebispo de York, ele fundou um certo mosteiro de uma ordem religiosa em Gysburne, para a honra de Deus e da Bem-Aventurada Virgem Maria e que ele deu aos cônegos que ali servem a Deus, todas as Gysburne e outras terras que ele enumera, no valor de vinte carucates e dois oxgangs, com as igrejas, moinhos e todas as coisas pertencentes às ditas terras . " O fundador morreu em 1141 e foi sepultado na igreja do Priorado.

A pequena nobreza vizinha competia entre si para acumular riquezas e favores para o prior e os cônegos e sucessivos reis estendiam consideravelmente seus privilégios. Henry I. confirmou a carta do fundador e concedeu a eles sac e soc, tol, team e infangentheof * e também permitiu que realizassem um mercado em Guisborough todas as segundas-feiras e uma feira anual na véspera, festa e amanhã de a Assunção (15 de agosto). Eles tinham warren grátis em suas terras de propriedade de Guisborough, Ugthorpe, Bernaldby, Lounsdale, Ureby, Hutton Lowcross e Bousdale, e um parque de veados de 80 acres, agora chamado Park Wood. Henry IV. acrescentou a seus privilégios feudais a visão de Frankpledge na paróquia de Guisborough, a desamparada e a perdição na mesma, e o retorno de documentos e mandados.

* Sac. O poder de impor multas a inquilinos e vassalos dentro do senhorio.
Soc. O poder e autoridade de administrar justiça.
Para mim. Uma taxa ou pedágio pago para compra ou venda, & ampc.
Equipe. O direito de julgar seus homens de confiança e servos.
Infangentheof. O privilégio de julgar ladrões sob seu senhorio.

As amplas posses e numerosos privilégios e imunidades desta casa conferidos ao prior quase principesco poder dentro de seu domínio, e permitiu-lhe exercer uma hospitalidade irrestrita. O privilégio dos pobres de morrer de fome é a concessão dos tempos posteriores - então, eles só tinham que pedir na porta do convento e eles receberam a comida e o abrigo que desejavam e seguiram seu caminho regozijando-se. A dissolução dos mosteiros foi longa e severamente sentida por eles, pois dessas casas dependiam principalmente para sua subsistência. O Priorado de Guisborough mantinha a cidade inteira, como aprendemos em uma carta endereçada a Sir Thomas Chaloner, e preservada na Biblioteca Cottonian: - "É manifesto que aquela parte do país chamada Cleveland foi maravilhosamente inalada mais do que agora pois dentro de alguns myles, os seguintes senhores tiveram seus assentos: no Castelo Kyldale, os Perceys, Earles of Northumberland em Aton, Nevyll of Westmoreland no Castelo Whariton, Lord Menell no Castelo Skelton, Lord Somers no Castelo Danby , o Lorde Latymer no Castelo Harlsey, Sir James Strangwaies no Castelo Wilton, Sir Ralf Bulmer no Castelo Mulgrave, Sir Ralf - em Ingleby, o Lorde Eure. Todos esses grandes personagens moram juntos em um pequeno cirecuite, e no mydeste deles o Prior de Gysbrough, que mantinha uma casa muito pomposa, de tal forma que o towne, consistindo de 500 chefes de família, e não tinha lande, mas lyved tudo na abadia duas casas com portões tinham alojamentos, e todas as casas de ofícios pertencentes a um casa de habitação, da qual dois dos Cavaleiros Bulmers de minha memória eram residentes, tendo mesada quando eles vinham de uma tina abundante, principalmente para entreter estranhos, e tantos cavalos no inverno no estábulo quanto no verão em grasse. . . Mas todos esses alojamentos se foram, e o countrye como uma sombra permanece luto. "

Guisborough ocupava um lugar de destaque entre as casas conventuais do reino - seus priores foram convocados ao parlamento e possuíam todo o poder e autoridade dos bispos dentro dos limites de suas várias casas. Os nomes de vinte e quatro priores foram registrados de William de Brus, o irmão do fundador, que foi o primeiro, a Robert Pursglove, em cujo tempo o fiat de Dissolução foi publicado. A renda anual do priorado era, de acordo com os cálculos de Dugdale, £ 628 3s. 4d., Uma soma provavelmente equivalente em poder de compra a cerca de £ 6.000 de nosso dinheiro atual. Aos dezessete cânones foram atribuídas pensões, variando de & pound3 a & pound6 13s. 4d. a cada um, mas a Pursglove, o Prior, foi atribuída a bela pensão de & libras166 13s. 4d., Em parte como solatium pela perda de seu priorado, mas principalmente como recompensa por seus serviços como Comissário nas investigações de outros estabelecimentos monásticos. Ele foi posteriormente nomeado bispo sufragâneo de Hull, mas sua principal reivindicação à lembrança repousa na Escola e Hospital que ele fundou e doou na cidade, dos quais mais em breve.

Eduardo VI., No 4º ano de seu reinado, em consideração ao pagamento de & libra 998 13s. 4d., Concedeu o lugar do priorado e propriedade a Sir Thomas Chaloner, Cavaleiro e Rainha Maria, em 1558, concedeu-lhe o feudo, para ser mantido pelo serviço militar. Os descendentes do donatário ainda estão na posse.

Pouco foi registrado sobre os priores individuais que governaram este estabelecimento rico e importante, e dos muitos cônegos que passaram suas vidas dentro de suas paredes durante os quatro séculos de sua existência, o nome de apenas um foi resgatado do esquecimento - Walter de Hemingford, um dos melhores historiadores do século XIV. Com este escritor, ficamos sabendo que o priorado, com seu vasto estoque de livros, pratos e paramentos, foi destruído por um incêndio em 16 de maio de 1289, devido ao descuido intencional de um encanador que havia sido contratado para consertar o telhado. Bonitas doações dos De Brus e de outras famílias locais foram derramadas para reparar a perda, e logo surgiu das cinzas da pesada estrutura normanda uma majestosa e elegante pilha gótica, cuja beleza e magnificência, apesar da mão corrosiva do tempo e ainda o vandalismo mais destrutivo de uma raça degradada, tão incapaz de apreciar as criações do gênio quanto de executá-las, ainda pode ser traçado no punhado de ruínas cinzentas.

O priorado estava situado no lado leste da cidade, dentro de um cercado de cerca de 90 acres, cercado por diques e um muro de guerra. O trabalho de destruição começou com Henrique VIII., Que despojou os edifícios de sua cobertura de chumbo foi continuado pelos fanáticos fanáticos da Comunidade e uma população ignorante de tempos posteriores, a quem as paredes imponentes serviam como uma pedreira de pedras prontas que freqüentemente prostituíam para os usos mais vis. O Sr. Ord, em sua História de Cleveland, observa: "Atualmente, vemos vestígios da antiga abadia em cada bairro da cidade e vizinhança. Casas velhas, paredes antigas, edifícios antigos de todo tipo, estão cheios deles. Eu tenho visto com meus próprios olhos os pilares e pedestais quebrados desta augusta pilha profanada para o uso vil de postes de portão, barris de água da chuva e pedras de passagem sobre um esgoto comum. Um rico portal ornamental do venerável priorado forma o entrada para uma privada. Vi com tristeza, vergonha e indignação as colunas ricamente ornamentais e as arquitraves esculpidas do templo de Deus sustentando a palha de um porquinho. 'A esses usos básicos podemos voltar, Horácio.' "

Onde tão pouco resta, seria inútil tentar qualquer reconstrução hipotética do priorado, com o propósito de localizar seus vários apartamentos, escritórios e ampc. a única parte que pode ser apontada com certeza é a igreja, da qual ainda resta a extremidade da capela-mor, com cerca de 30 metros de comprimento e 30 metros de empena. A partir desse fragmento, podemos ter alguma idéia da grandeza e magnificência da pilha nobre quando estava em sua totalidade. A grande janela oriental, cujo arco ainda está completo, e contém alguns fragmentos de seu rendilhado original, é um dos exemplos mais requintados do estilo gótico pontiagudo mais puro que pode ser encontrado no país. Enquanto olhamos através da abertura escancarada, de 18 metros de altura por 7 metros de largura, ficamos maravilhados com sua vastidão e elegância de seu contorno. Acima desta está outra janela de cinco luzes, que iluminou o telhado e de cada lado estão dois contrafortes maciços, encimados por pináculos de crockets octogonais. Os dois internos são ornamentados com nichos sob dosséis de crocketed, nos quais provavelmente existiram as estátuas de santos. Entre cada par está uma janela menor de belas proporções, que possivelmente iluminou um corredor ou capela de cada lado da capela-mor. Na espessura da parede encontra-se uma escada em caracol que conduz ao clerestório.

É muito lamentável que, após a Reforma ter varrido os habitantes do claustro, o fanático fanatismo, gerado por aquela grande mudança de fé, tenha levado à destruição desenfreada dessas grandes igrejas da antiga abadia, monumentos do gênio arquitetônico que envergonhou as criações mais nobres dos dias modernos. Mas, por mais utilitarista que seja a época atual, um espírito melhor e mais sábio agora prevalece, e todos os esforços são feitos para preservar essas antigas ruínas da abadia que pontilham nossa terra e apontam, como as pontas dos dedos do tempo, para idades e pessoas faleceu há muito tempo.

Muito foi feito aqui nos últimos anos para recuperar o que foi perdido e preservar o pouco que resta. Os montes de lixo acumulado foram removidos e o chão, as bases dos pilares e as fundações foram expostos. Durante o andamento do trabalho, muitas descobertas interessantes foram feitas. O chão do coro foi descoberto, e muitos dos belos azulejos heráldicos com as armas de Bruce, que haviam formado seu pavimento, ainda permaneceram no local. Poucos centímetros abaixo foi encontrado um caixão de pedra, contendo o esqueleto de um homem de alta estatura e avançado em anos. Supõe-se que sejam os restos mortais de Robert Bruce, o competidor pela coroa escocesa contra Baliol, e avô do grande campeão da liberdade escocesa. Ele morreu em 1294, em Lochmaben em Annandale, e foi enterrado, a seu próprio pedido, ao lado de seu pai neste priorado. Sobre ela, pode ser, ficava a bela tumba monumental de mármore preto, gravada no Monasticon de Dugdale em 1660. Esta foi posteriormente removida para a igreja paroquial, e por algum tempo ficou perto da porta da capela-mor. As laterais podem ser vistas embutidas nas paredes da varanda. Eles são elaboradamente esculpidos, com figuras de cavaleiros vestidos com armaduras e seus dispositivos heráldicos, priores, cânones e outros. A laje do túmulo forma o topo da atual mesa de comunhão. Uma extremidade, se é que realmente é assim, foi recuperada do condado de Durham e agora está preservada nas ruínas do priorado; a outra extremidade, que trazia a efígie do rei Robert Bruce, está, deve-se temer, irremediavelmente perdida.

Abaixo de algumas massas caídas de alvenaria, a cerca de 170 pés da janela leste, foram encontradas três lajes monumentais, uma inscrita em letras pretas do século 15 e alguns caixões de pedra e carvalho. Em um dos últimos estava o esqueleto de um homem, cuja altura deve ter sido, de acordo com o Dr. Merryweather, que a mediu, 6 pés. 8 pol., Mas não havia inscrição nem dispositivo armorial para contar a história dessa gigantesca peça de mortalidade em ruínas. O priorado era o local de sepultamento favorito da nobreza e da nobreza da vizinhança, e seus caixões de pedra podem ser vistos espalhados entre as ruínas, tendo "se mostrado mais duráveis ​​do que o edifício majestoso sobre o qual esbanjaram seus tesouros".

O Sr. Ord, em sua "História de Cleveland", fez uma restauração fantasiosa da igreja do priorado, na qual mostra uma torre central coroada por uma torre elevada, mas o exame cuidadoso feito quando o local foi limpo de lixo e as raízes de nogueiras e amoreiras, não revelou os vestígios de quaisquer fundações que poderiam ter suportado tal ereção.

A nave e os transeptos desapareceram por completo, mas perto do local permanece um edifício com telhado estriado, rodeado de pesados ​​contrafortes. Tem havido muitas conjecturas quanto ao seu propósito original. Uma escada dá acesso à parte superior, existindo um corredor que supostamente teve sua saída na igreja. O único outro fragmento que resta é o arco de cabeça redonda que perfura a parede que circunscreve o convento e seu recinto. Esta parede era maciça e elevada, e provavelmente foi construída por volta de 1375, ano em que Eduardo III concedeu ao prior e aos cônegos uma licença para fortificar seu convento.

O selo do mosteiro tinha sobre ele a figura da Virgem com o Menino sob um dossel, com uma certa série de palavras que se referiam à Santíssima Virgem e a Santo Agostinho. Um selo um tanto semelhante foi recolhido há alguns anos em Danby, onde o prior tinha uma casa de campo. O anel com o sinete dos priores ainda está em bom estado de conservação e pertence ao período do século XIV. Também traz a figura da Virgem com o Menino, e ao redor da borda do selo estão certas letras iniciais de uma frase que foi lida "Ave Maria nostram ora Gyseburnae domum" (Hall Mary, reze por nossa casa de Gyseburne).

Os terrenos do priorado foram lindamente dispostos em jardins, e a Sra. Chaloner permite que os visitantes os vejam, as ruínas e o gigantesco castanheiro-da-índia, cujo tronco tem oito metros de circunferência.

Uma ruína monástica dificilmente estaria completa sem sua lenda, e aqui temos uma ligeira variação da velha, velha história, que obscuramente sugere a existência de uma passagem subterrânea do priorado para o campo de plantação em Tocketts, onde está um baú de ouro , guardado por um corvo que mantém constante vigilância sobre o precioso conteúdo uma vez que o tesouro foi invadido por uma pessoa que esperava se apropriar de alguns de seus lingotes, mas quando chegou à caixa, seu guardião, o corvo, de repente se transformou em seu Majestade satânica, que espancou o intruso com tão terrível severidade, e de outra forma excitou tal susto, que nem ele, nem qualquer outra pessoa, jamais se aventurou dentro do recinto depois. ("Cleveland" de Ord)

Os Chaloners ergueram seu salão perto do priorado, mas nos primeiros anos do século atual eles se mudaram para Long Hull, e o antigo salão foi demolido. Sir Thomas Chaloner, donatário do local do priorado, foi nomeado cavaleiro após a batalha de Musselburgh, em 1547, e lutou ao lado do imperador Carlos V., em Argel. Ele se destacou em favor de Henrique VIII, que o fez primeiro secretário do conselho e a rainha Elizabeth marcou seu apreço por suas habilidades ao enviá-lo como embaixador, primeiro para Fernando, imperador da Alemanha, e depois para Filipe, da Espanha. Neste último tribunal, em conseqüência das relações tensas entre os dois países, ele foi sujeito a muitas indignidades. Ele foi um homem de letras, além de um soldado, e publicou, além de vários poemas, o "Right Order of the English Republic", em dez livros, que dedicou ao amigo Burleigh. Seu filho e sucessor, Sir Thomas, foi um distinto naturalista e foi escolhido por James I. para supervisionar a educação de seu filho, o Príncipe Henry. Por seus serviços, ele foi presenteado com a soma de £ 4.000, como um presente gratuito. Embora a família devesse tanto à generosidade real, dois dos filhos deste segundo Sir Thomas, no reinado seguinte, transferiram sua lealdade ao partido parlamentar e sentaram-se como juízes no julgamento de Charles J. Um deles assinou a morte - gritou com o infeliz rei, mas foi posteriormente denunciado como um bêbado por Cromwell na dissolução do parlamento obstrutivo.

Durante as guerras parlamentares, um combate inteligente ocorreu perto da cidade, entre 700 das tropas reais sob o comando do coronel Slingsby e um grande corpo de cabeças redondas comandadas por Sir Hugh Cholmley e Sir Matthew Boynton. Os realistas foram derrotados e seu líder feito prisioneiro. O local onde a luta aconteceu ainda é chamado de Campos de Guerra.

Ao segundo, Sir Thomas pertence a honra de ter introduzido pela primeira vez a manufatura de alúmen neste país. Observando, diz-se, a semelhança do delicado tom verde da vegetação perto de Guisborough, e do distrito produtor de alúmen de Puzzeoli, na Itália, que ele havia notado durante suas viagens por aquele país, ele concluiu que era proveniente de a presença do mesmo mineral. Um exame dos estratos revelou a existência de um sal aluminoso em abundância considerável. Ele determinou a construção de obras para a extração do alúmen, mas como não estava familiarizado com o processo de fabricação, segundo a história, ele subornou alguns dos trabalhadores do Papa para acompanhá-lo em particular até a Inglaterra, para onde, diz um relato, ele os contrabandeava em barris. Isso exasperou tanto o Papa, que, até então, desfrutava de um lucrativo monopólio do comércio de alúmen, que, dizem, fulminou um anátema tanto contra o sedutor quanto contra o seduzido. A primeira parte desta história pode ser verdadeira, pois as rochas de alume da Itália foram descobertas de maneira semelhante, mas a última parte está sujeita a sérias dúvidas. Pode-se admitir que vários dos papas, por meio de ameaças de excomunhão, tentaram preservar seu monopólio desse comércio, mas o anátema é provavelmente invenção de uma época posterior. Aqueles que leram Tristram Shandy se lembrarão da maldição de Ernulphus, que não varia nem um tiquinho desse anátema, conforme dado por Grose em suas Antiguidades, mas por nenhuma autoridade melhor do que a de "um jornal impresso em Whitby". O anátema não é mencionado pelos primeiros escritores e o Dr. Fuller, que escreveu seus Worthies of England menos de cinquenta anos após o estabelecimento das obras de alum aqui, diz que os operários foram trazidos de Rochelle, na França, "dos quais um era Lambert Russell de nome e valão de nascimento, falecido há pouco tempo. "

As obras estavam situadas em Belman Bank, cerca de duas milhas S.E. da vila, e continuaram até ao final do século passado. A fabricação foi reiniciada em 1852 ou 1853, mas agora foi descontinuada por vários anos.

Em um local isolado e romântico a cerca de 1 e frac12 milhas S.E. da cidade havia um antigo spa, que foi descoberto em 1822. A água tinha um gosto e cheiro ligeiramente sulfurados e teria sido benéfica em casos de digestão prejudicada e distúrbios cutâneos. Fluía a uma taxa de trinta litros por minuto e era muito frequentado pelas pessoas da vizinhança. A nascente supostamente foi drenada pelas minas de ferro ou, como alguns dizem, por uma enchente que alterou o curso da água, e agora está coberta pelos detritos arrastados das camadas de xisto de alúmen.

o Cidade consiste principalmente em uma longa rua, que em uma extremidade se alarga para o Market Place, onde os mercados são realizados todas as terças e sábados. UMA justa para gado é realizada em 19 de setembro, e para lã em 27 de junho e 25 de julho. Hirings para os servos são realizadas na última terça-feira de abril e na segunda terça-feira de novembro.

o Prefeitura, um edifício de pedra simples, foi erguido em 1821, no local do antigo pedágio. Sessões mesquinhas são realizadas aqui todas as terças-feiras alternadas para a divisão oriental da Liberdade de Langbaurgh e um tribunal senhorial uma vez por ano. o Instituto de Mecânica é uma bela estrutura de tijolos, construída pelo almirante Chaloner em 1861. A Sala de Leitura está bem abastecida com jornais e revistas, e a Biblioteca contém cerca de 1.000 volumes. No Salão de Palestras, os Oddfellows, Silvicultores e Silvicultores Juvenis realizam suas reuniões. As aulas de ciências são ministradas aqui nos meses de inverno. o Temperance Hall é um belo edifício de tijolos com revestimentos de pedra, erguido por assinatura em 1870, a um custo de mais de £ 2.000. UMA Hospital, para casos de acidente, foi estabelecido em 1865. Duas cabanas foram usadas para o efeito, mas em 1878, o almirante Chaloner ergueu o edifício atual em Bellmangate e o presenteou aos mineiros, cada um dos quais paga uma pequena quantia quinzenalmente para sua manutenção. Existem leitos para 12 pacientes internos.

A cidade é iluminada com gás e fica no ramal de Guisborough da seção de Darlington da North-Eastern Railway, que foi inaugurada em 1854 e posteriormente estendida a Redcar e Whitby. Está sob a jurisdição de um Quadro Local, consistindo de 12 membros, formados no ano de 1865. Sob a direção deste órgão, somas no valor de £ 6.400 foram emprestadas para fins de esgoto da cidade, pavimentação e sinalização das ruas e realização de outros arranjos e melhorias sanitárias.

Quatro ou cinco anos após a formação do Conselho Local, tornou-se urgente a necessidade de providenciar novas acomodações funerárias. O antigo cemitério estava em condições insalubres e sob condenação do Ministério do Interior. A Junta Local por resolução da Sacristia foi, portanto, constituída uma Junta Funerária, e durante os anos de 1871, 1872 e 1873, a soma de £ 4.700 foi gasta no planejamento e no desenho de um cemitério adequado, com capelas mortuárias separadas para Clérigos e não-conformistas. O site, contendo cerca de quatro hectares, foi apresentado pelo almirante Chaloner.

o Igreja Paroquial, dedicado a São Nicolau, é um edifício espaçoso perto do local do convento, a cuja casa foi cedida por Robert de Brus. As funções ministeriais eram desempenhadas por um dos cônegos, nenhum vicariato sendo ordenado. A igreja, parcialmente reconstruída em 1791 no estilo perpendicular pontiagudo, consiste em nave com naves norte e sul, torre oeste e capela ‐ mor esta última contendo uma bela janela leste, parte do antigo edifício, adornada com alguns belos vitrais antigos que outrora pertencia à igreja do priorado. A parte inferior da torre parece ter pertencido a um edifício antigo, a parte superior é moderna. Ele contém um relógio e seis sinos, que foram reformulados. A nave é dividida dos corredores de cada lado por uma arcada de seis arcos lisos. No alpendre sob a torre estão os restos do monumento De Brus, já notado no relato do priorado e na igreja uma bela lápide para o memória de George Venables, Esq., de Londres, o fundador da Providence School. Existem também memoriais para Susanna Pickering, que morreu em 1641, Ann Langton que morreu em 1664, e outros para as famílias Hale, Spencer, Williamson e Chaloner. Em 1875, a igreja foi remodelada, reassentada com bancos abertos, e um órgão muito bom adicionado, o custo total sendo de cerca de £ 1.500, que foi aumentado por assinatura. Uma câmara de órgão e sacristia foram erguidas em 1889, a um custo de £ 600. Os vivos, no valor de £ $ 300, incluindo 77 acres de glebe, são em nome uma reitoria, mas o grande dízimo no valor de £ $ 556 é apropriado ao senhor do feudo e aos comissários eclesiásticos. O patrocínio pertence ao Arcebispo de York. O atual reitor é o Rev. F. H. Morgan, M.A., F.G.S., que foi empossado em 1862, e é assistido pelos Revs. A. P. Mitchell e R. Downie, como curadores. O registro data do ano de 1661.

A reitoria é uma residência bem arranjada e confortável ao estilo elisabetano, erguida no local da casa anterior, que foi destruída por um incêndio em 1868.

Perto da reitoria é The Chaloner Hall, uma bela estrutura gótica, construída e dotada pelo falecido almirante em 1881, para o uso da escola dominical da igreja.

o Capela Wesleyana é um imponente edifício gótico de tijolo vermelho com revestimento de pedra calcária, reconstruído em 1886-7, a um custo de £ 1.700. Tem galerias em toda a volta, dando uma acomodação total para 560 pessoas. As grades de comunhão e o púlpito são de carvalho polido e as janelas são preenchidas com vidro de catedral. Atrás da capela estão a escola e as salas de aula, que foram construídas em 1869 e recentemente restauradas a um custo de £ 150. A capela que anteriormente ocupava o local foi construída em 1811. John Wesley pregou em Guisborough em várias ocasiões.

o Igreja Congregacional, uma estrutura de tijolos simples, foi erguida em 1811 e acomodará cerca de 300 pessoas. o Metodistas Primitivos construiu sua capela atual em 1860, a um custo de & pound488, e a soma de & pound270 desde então foi gasta em melhorias. É construído em tijolo vermelho em um estilo não eclesiástico muito simples e possui uma galeria em três lados. São cerca de 300 sessões, 100 das quais são gratuitas. o Igreja Livre Wesleyana, ou Capela dos Wesleyanos Reformados, é uma pequena estrutura de tijolo, com contraforte na frente, erguida em 1878, a um custo de cerca de £ 500. Há acomodação para 400 pessoas, mas o atendimento no momento não é muito grande. Os membros da Sociedade de Amigos têm um Casa de reunião aqui, e o Exército de Salvação, uma Sala de Missões, na qual realizam seus cultos durante a semana.

o Escola de gramática e Hospital de jesus foi fundada e dotada em 1561, por Robert Pursglove, o último Prior de Guisborough, para dois guardas, um mestre-escola e seis pessoas pobres de cada sexo. O fundador dotou a instituição conjunta com terras, & ampc., Em Bolam, no condado de Durham, e 68 & frac12 acres de terra em Smeaton e outras terras e prédios foram dados por Robert Tristram, Robert Rokeby, Roger Tocketts e George Conyers. A Carta de Fundação previa que o mestre deveria ser sacerdote nas ordens e, se não houvesse sacerdote, um leigo solteiro, que deveria ensinar livremente a todos os alunos que se candidatassem ao ensino de gramática e latim. O salário do mestre seria de £ 10 por ano, com o uso de duas salas sobre a escola e o restante da renda, após o pagamento das reparações dos edifícios, seria dividido entre os donos de esmolas. As benfeitorias a este último foram aumentadas no século 17, por um legado do Rev. Richard Lumley, de Stainton. Este legado consistia em uma casa em York, que foi vendida em 1875, e os rendimentos investidos em consoles e uma fazenda de 61 acres em Carlton Miniott, que foi deixada para o benefício exclusivo do cura perpétuo de Guisborough, com a condição de que ele leia as orações na igreja duas vezes por dia para as pessoas que recebem esmolas e administre o sacramento a elas mensalmente. Devido à aplicação incorreta dos fundos do trust e outras irregularidades na gestão, a instituição de caridade estava envolvida em um processo caro de chancelaria, iniciado em 1788, e com o atraso da proverbial lei, não encerrado até 1823, a instituição de caridade foi inspecionada e relatada pelos Comissários de Caridade em várias ocasiões, e agora é administrada sob um esquema emitido por aquele órgão em 1885. A gestão é exercida por doze governadores, dos quais um é o proprietário de Pinchingthorpe Hall e herdeiro de George Conyers acima mencionado sete são representativas e quatro cooptativas. De acordo com esse esquema, as doze pessoas que recebem esmolas tornaram-se aposentados, com uma pensão de £ 20 por ano cada, paga semanalmente, com lençóis e roupas. Os prédios antigos foram demolidos e belas instalações erguidas perto do local, consistindo em uma escola confortável, com salas de aula, dormitórios para internos e uma casa do diretor. Os projetos foram fornecidos por A. Waterhouse, Esq., RA, e a pedra fundamental foi lançada pelo Marquês de Ripon, KG, Lord Lieutenant of the North Riding, em 4 de novembro de 1887. O custo total, incluindo a compra de dois acres de terra, era de cerca de 5.000 libras, que foram custeadas principalmente com os fundos que se acumularam durante a administração dos ex-governadores. A renda da fundação é, entretanto, um tanto limitada no momento, e é provável que surjam dificuldades quanto à administração dos dois ramos da instituição de caridade. Cinco bolsas gratuitas, com o nome do fundador da entidade, são concedidas pelo regime, sendo os titulares eleitos por concurso de escolas públicas de ensino fundamental. Outras exposições, & ampc., Também podem ser concedidas à escolha dos governadores. O curso de educação compreende instrução religiosa, inglês geral, matemática, grego, latim, francês, ciências naturais, desenho e ampc. Mestre chefe, o Rev. R. D. Eves, M.A. O reitor é capelão dos aposentados do hospital e recebe por seus serviços o aluguel da fazenda antes mencionada, que é de cerca de £ 99 por ano.

o Providence School foi fundada por meio dos esforços benevolentes do Sr. George Venables, de Londres, que, tendo visitado Guisborough, sua cidade natal, percebeu que embora possuísse sua escola secundária para as crianças de melhor classe, os pobres estavam totalmente sem meios de educação, e ele concebeu a ideia de suprir essa necessidade. Com esse propósito, ele retomou o negócio para o qual havia sido criado e dedicou à realização de seu objetivo os lucros (£ 270) de sete anos de trabalho. Com esta soma foi comprada uma ação de £ 350 em 3 por cento. consoles. Em 1792 foi erguida, por assinatura, uma escola com residência para professores, num terreno cedido por William Chaloner, esq. Ele também solicitou ajuda de amigos da educação em várias partes do país, e assim foi capaz de aumentar a dotação para £ 1.400. Cinqüenta meninos e quarenta meninas foram ensinados gratuitamente na escola. Logo foi necessário aumentar as acomodações e, em 1821, foi construída uma nova escola para receber 100 meninos e igual número de meninas. Este edifício foi posteriormente ampliado e adicionada uma escola infantil.

A fim de atender aos requisitos do Departamento de Educação, um Quadro escolar foi constituída em 1876, e em setembro do ano seguinte, um novo esquema para a gestão das Escolas Providence foi elaborado e aprovado pelo Departamento de Educação. De acordo com esse esquema, a propriedade e os fundos da Caridade foram transferidos para o Conselho Escolar, que se tornou o Corpo Governante. Os prédios da escola antiga e o local foram vendidos ao almirante Chaloner, por £ 1.317, e o montante, junto com uma soma adicional de £ 1.683 dos fundos fiduciários da escola, ao todo & libra 3.000, foi concedido pelo Comissários de caridade para o fornecimento de novas escolas. Um novo local foi comprado, e sobre ele as atuais Escolas Providence, com casas para o mestre e duas mestras, foram erguidas, a um custo total de £ 7.562. Os projetos foram fornecidos pelo Sr. J. M. Bottomley, de Middlesbrough. As escolas vão acomodar 220 meninos, 220 meninas e 326 crianças.

O esquema também habilita os governadores a fornecer, de tempos em tempos, tais acomodações de Escola Primária Pública conforme eles considerem necessário e em 1879-81 outra escola foi erguida na esquina de Northgate, a um custo de £ 5,068, exclusivo do site, que foi apresentado pelo falecido almirante Chaloner. Com essas escolas, o Conselho forneceu acomodação total para 1.464 crianças, amplamente suficiente para as necessidades presentes e prováveis ​​futuras do município.

A renda do restante do fundo de doação da Fundação Venables, cerca de £ 70 por ano, é aplicada pelo Conselho Escolar para o fornecimento de três Exposições Venables na Escola Secundária de Guisborough, tais exibições sendo sustentáveis ​​por meninos das Escolas do Conselho de Guisborough, por três anos, e na concessão de bolsas de estudo gratuitas nas Board Schools para bolsistas meritórios.

o Guisborough Poor Law Union foi formada em 1837 e compreende as seguintes freguesias e distritos, viz. : - Brotton, Commondale, Danby, Easington, Guisborough, Hutton Lowcross, Kilton, Kirkleatham, Liverton, Loftus, Marske, Moorsholm, Morton, Newton, Pinchingthorpe, Redcar, Skelton, Skinningrove, Stanghow, Tocketts, Upleatham, Upsall, Westerdale, e Wilton. A área total é de 72.090 acres com valor tributável, £ 257.340 e a população, de acordo com o último censo, 43.126. o Workhouse está situado em Northgate e foi construído em 1839, a um custo de £ 2.629, para 120 indigentes. Desde então, foi ampliado e agora acomodará 172. O número médio de internos no ano que terminou em março de 1889 era de 131.

CARIDADES. - Além do Hospital de Jesus antes mencionado, as seguintes benfeitorias foram deixadas para os pobres: - & libra 1.000 por W. Punsher, Esq., Para seis viúvas pobres que vivem em Guisborough e nativos da cidade, que não são no recebimento de alívio paroquial. Uma soma produzindo quase £ 25 por ano foi deixada por Charles Atwood, Esq., Para os pobres necessitados & pound600 foi deixada por John Smith, Esq., O interesse disso para ser usado em consertar sua própria lápide no cemitério de Guisborough e as lápides da família nos cemitérios da igreja de Guisborough e Seamer, o resíduo deve ser dividido entre os pobres merecedores e os membros piedosos da Sociedade Wesleyana, com 50 anos de idade, que vivem em Guisborough.

Um pouco a leste da cidade é Casco Longo, a sede da Sra. Chaloner. É uma bela estrutura no estilo de arquitetura gótica doméstica, construída pelo falecido Almirante Chaloner, em 1867.

VALORES LOCAIS. - O Rev. John Oxlee, o linguista mais extraordinário que este país já produziu, nasceu em Guisborough, a 25 de setembro de 1779, e passou a primeira juventude naquela cidade. Depois de deixar a escola, ele mudou-se para Sunderland e se dedicou por algum tempo aos negócios, mas posteriormente renunciou e dedicou seu tempo aos estudos. Ele se tornou o segundo mestre da Tunbridge Grammar School, uma nomeação que manteve durante quatro anos. Em 1806, ele foi admitido nas Ordens Sagradas e tornou-se coadjutor de Egton, onde se casou e levou alunos para ganhar seu escasso sustento. Em 1811 foi transferido para a cúria de Stonegrave e de 1816 a 1826 ocupou também a reitoria de Scawton. Posteriormente, foi nomeado para a reitoria de Molesworth, em Huntingdonshire, onde morreu em 1854. Embora se fizesse por conta própria, era um estudioso distinto e um polêmico competente, e seu talento linguístico era tão grande que se diz que ele tornou-se mestre de cento e vinte línguas e dialetos. Suas obras publicadas são numerosas. O maior de todos, e o menos afetado por peculiaridades de tempo ou controvérsia religiosa, é "A Doutrina Cristã da Trindade, a Encarnação e a Expiação, considerada e mantida nos princípios do Judaísmo", em três volumes, e é um depósito valioso de aprendizagem Rabínica. Suas outras obras são "Três Sermões sobre a Hierarquia Cristã, com tabelas dos Bispos Anglo-Católicos dos Apóstolos, Pedro, Paulo e João," 1821. Três cartas para o Sr. C. Wellbeloved, de York, sobre Erro Unitário e Miscriticism, 1824. Três cartas ao Rev. F. Nolan, sobre o texto espúrio das Testemunhas Celestiais (1 John, cap. 5, v. 7), 1824. Duas cartas ao Arcebispo de Salisbury, sobre o mesmo assunto, 1828. Três cartas ao Arcebispo de Cashel, sobre os três Livros Apócrifos, publicados por Sua Graça, 1827. Uma resposta à carta do Rev. R. Towers, de Ampleforth College, 1833. Três cartas ao Arcebispo de Canterbury em a inadequação e futilidade de qualquer tentativa de converter os judeus à fé cristã, da maneira e maneira até então praticada, sendo uma discussão geral de toda a questão judaica, 1842. Mais três cartas em continuação do mesmo assunto, & ampc., 1845 Ele também contribuiu para muitas revistas e periódicos eruditos.

John Walker Ord, Esq., foi outro digno de Guisborough. Ele era filho de Richard Ord, curtidor e comerciante de couro, e nasceu aqui em 1811. Ele foi educado na Universidade de Edimburgo e, sendo destinado à profissão médica, foi aprendiz do Dr. Knox, o eminente professor de anatomia . Depois de alguns anos, ele abandonou o estudo da física e se dedicou à literatura. Ele editou o "Metropolitan Conservative Journal", que posteriormente se fundiu no "Britannia". Posteriormente, ele ocupou a cadeira editorial no "Northern Times". Ele publicou dois ou três volumes de poemas, mas sua obra principal é a "História e Antiguidades de Cleveland". Ele morreu em 1853 e foi enterrado no cemitério de Guisborough. Ele era membro de várias sociedades científicas.

O município de COMMONDALE, nesta freguesia, compreende 1.131 hectares e é um estreito vale da charneca de 6 a 8 milhas S.E. de Guisborough. O aluguel bruto estimado é de £ 1.648, e o valor tributável de & libra 1.430. Os principais proprietários de terras são os curadores do falecido Almirante Chaloner, a quem também pertencem os direitos senhoriais, os Srs. Ellerby & amp Dowey, e o N.E. Ry. Co., que possui 1 milha 1.028 jardas de linha no município. Obras de tijolos e ladrilhos foram estabelecidas, e uma Board School e uma Capela Wesleyana foram erguidas para o benefício da crescente população.

Aqui, é dito, Colman, Bispo de Lindisfarne, tinha um eremitério ou residência, ao qual ele ocasionalmente recorria em suas viagens a Streonshalh ou Whitby e em Skelderskew Grange os monges de Guisborough supostamente tinham uma pequena capela, provavelmente para a conveniência dos internos de sua granja. Posteriormente, esta propriedade pertenceu aos Fleetwoods, mas sua mansão aqui foi substituída por uma casa de fazenda.

O município de HUTTON LOWCROSS contém 1.573 acres e é avaliado para fins de classificação em & libra 3.284. Sir Joseph Whitwell Pease, Bart., É o único proprietário e senhor da mansão. Uma costura de pedra de ferro está subjacente à superfície e as operações de mineração foram iniciadas pelo Sr. Oliver Davidson em 1852. O minério era abundante, a produção média era de cerca de 220.000 toneladas por ano, mas as minas foram colocadas há cerca de 20 anos. Uma costura de jato, provavelmente a mais rica já encontrada na Inglaterra, foi feita na vizinhança de Hutton.

A vila, anteriormente chamada de Codhill, está deliciosamente situada em um estreito vale isolado a cerca de 3 km a S.W. de Guisborough. É ocupada principalmente pelos trabalhadores da propriedade. Quase todas as casas foram reconstruídas e, com os seus jardins bem cuidados à frente, apresentam aos olhos a imagem de um pequeno paraíso rural. Há um belo Salão Missionário com uma residência anexa, que é usado pelas Damas Pease em várias ocasiões. A escola, uma estrutura elegante, erigida em 1857 e melhorada e embelezada em 1871, é propriedade de e é mantida exclusivamente por Sir J. W. Pease. É conduzido no sistema britânico ou não denominacional, e tem uma freqüência média de 146. O serviço divino é realizado todos os domingos pela manhã pelo Vigário de Guisborough e à noite pela Sociedade de Amigos.

Hutton Hall, a residência de Sir J. W. Pease, é uma grande mansão moderna de tijolos, com fachadas de pedra, rodeada por jardins nobres, parques e bosques.

No local agora ocupado pela Fazenda Hall, antigamente ficava o Hospital do Leproso de St. Leonard, fundado por William de Bernaldby, e dado ao Priorado de Guisborough. Algumas das velhas pedras esculpidas podem ser vistas embutidas nas paredes da propriedade atual.

Um convento de freiras cistercienses foi fundado em Hutton por Ralph de Neville, mas foi posteriormente removido para Nunthorpe, e seu local foi esquecido há muito tempo.

A origem do nome Hutton não foi determinada com certeza absoluta. Alguns dizem que vem do dinamarquês cabana, e para significar a tonelada ou cidade de cabanas, outros supõem que seja uma contração do saxão howe uma colina e uma tonelada e uma terceira e talvez mais provável derivação é o nórdico pio, uma colina, e tien, um recinto. Não é um nome de lugar incomum e é encontrado principalmente nos bairros habitados por nórdicos. A última parte do nome pelo qual este Hutton se distingue de outros denota a presença de uma cruz, a base e o eixo da qual ainda podem ser vistos à beira da estrada perto da estação.

Os vestígios de antigas habitações britânicas podem ser vistos na fazenda Bousdale, nesta vila, e em outros lugares na vizinhança.

O município de PINCHINGTHORPE contém 1.206 acres, dos quais o valor tributável é de £ 2.481. O terreno é propriedade principalmente de Sir J. W. Pease, Bart., M.P. (senhor do feudo) e Richard G. W. Lee, Esq., Darlington, cuja propriedade está em posse da família há mais de 300 anos. Pinchingthorpe Hall, há muito sua residência, agora é ocupada pelo Sr. Richard Hill, fabricante de fios, Middlesbrough.

TOCKETTS, o Toscoton de Domesday Book, é um município com 938 acres, pertencente aos curadores do falecido almirante Chaloner, ao conde de Zetland e aos curadores da propriedade de Kirkleatham. O município é puramente agrícola e é classificado para os pobres em & pound823. Os dízimos pagáveis ​​ao arcebispo de York foram comutados por £ 130.

Tocketts foi mantido por muito tempo por uma família com o nome do lugar, uma das quais fundou uma capela aqui, dedicada a St. James, que era servida por um capelão do priorado de Guisborough, e a tradição afirma que uma passagem subterrânea ia do priorado para Tocketts Hall , O último da família que possuía terras aqui foi George Tocketts, Esq., Que, em 1715, vendeu o patrimônio de resgate de sua propriedade a certos credores hipotecários, de quem foi comprado no ano seguinte por Edward Chaloner, Esq. O corredor foi demolido por esta família, e a Fazenda Plantation construída perto do local.

[Descrições de Bulmer's História e Diretório de North Yorkshire (1890)]

Diretórios

Scan, OCR e html por Colin Hinson. Verificação e correção por Peter Nelson.


Guisborough

A histórica cidade mercantil de Guisborough encontra-se no sopé de Cleveland Hills e no extremo norte do Parque Nacional North York Moors.

O nome da cidade deriva do lugar fortificado de um escandinavo chamado Gigr. Guisborough está registrado no Domesday Survey de 1086 como 'Gighesbore' antes da conquista normanda, era propriedade de Siward, conde de Northumbria. As ruínas de Gisborough Priory datam do século XII.

Após a Conquista Normanda, o Rei Guilherme, o Conquistador, deu vastas terras na área a seu meio-irmão materno, Robert, Conde de Mortain, que as passou para Robert de Brus, Senhor de Skelton, um dos maiores proprietários de terras do norte, que lutou ao lado dos ingleses na Batalha do Padrão em 1138.

Algumas teorias datam a cidade da ocupação romana da Grã-Bretanha, quando pode ter sido uma fortificação militar. A descoberta de alguns artefatos romanos apóia esse argumento, como um elaborado capacete cerimonial, o Capacete de Guisborough, mas até agora, a teoria permanece não comprovada.

O Capacete de Guisborough, um capacete de cavalaria romana, foi descoberto perto da cidade em 1864. Ele foi originalmente equipado com peças de proteção para as bochechas, que não sobreviveram aos orifícios pelos quais foram fixadas podem ser vistas na frente dos protetores de ouvido do capacete. É ricamente decorado com figuras gravadas e em relevo, indicando que provavelmente foi usado para exibições ou torneios de cavalaria, embora possa ter sido usado em batalha. O capacete foi encontrado em um leito de cascalho, distante de quaisquer sítios romanos conhecidos. O capacete está agora em exibição no Museu Britânico.

A igreja paroquial de São Nicolau (foto acima à esquerda) abriga o cenotáfio de Brus (abaixo à direita), um pedaço de mármore Egglestone de 15 pés de comprimento ornamentado e esculpido. Uma extremidade do cenotáfio agora está faltando, mas um antigo desenho o mostra retratando Robert the Bruce, rei dos escoceses, cuja família vivia no castelo Skelton. Robert de Brus Eu vim para a Inglaterra vindo de Brix, na Normandia, por volta de 1100, e recebi extensas terras aqui e mais tarde em torno de Annandale nas fronteiras escocesas. Um patrono monástico, ele foi o fundador do Priorado de Gisborough e seu filho William de Brus foi o primeiro Prior. Outro filho, Robert II de Brus, herdou as terras escocesas, e o famoso Robert the Bruce, rei dos escoceses, que derrotou Eduardo II da Inglaterra em Bannockburn, é descendente de sua linhagem.

O cenotáfio retrata cavaleiros ingleses de um lado, separados pelos santos Jerônimo, Ambrósio, Gregório e Agostinho, enquanto do outro lado estão os cavaleiros escoceses, separados pelos santos Mateus, Marcos, Lucas e João. O West end desaparecido teria a imagem de um rei, provavelmente Robert the Bruce, e o East End tem uma figura sentada, possivelmente a Virgem Maria, que deu o nome ao priorado, ou a figura revestida de Robert de Brus I , o fundador.

A outra extremidade do cenotáfio apareceu em Hardwick Hall, Sedgefield, que também tem conexões de De Brus. Acredita-se que o monumento tenha sido feito em 1520 e dado ao Priorado de Gisborough por Margaret Tudor, Rainha da Escócia e irmã de Henrique VIII, como um gesto de reconciliação após anos de guerra entre a Inglaterra e a Escócia. O cenotáfio foi trazido para a igreja após a dissolução dos mosteiros no reinado de Henrique VIII.

O local é ocupado por uma igreja desde 1290, embora a capela-mor remonte ao final do século XV. A nave e o interior foram alterados, a igreja, na sua forma atual, é o resultado de uma grande reconstrução entre 1903 e 1908.

Uma cruz de mercado do século XVIII (foto acima à direita) decorada com relógio de sol e cata-vento fica no topo de Westgate, uma rua típica das antigas cidades de mercado da área. Um mercado tradicional é realizado às terças, quintas e sábados.

Gisborough Hall, uma mansão vitoriana, foi construída no estilo jacobino, em 1856. É a antiga casa de Lord Gisborough. A propriedade foi propriedade da família Chaloner logo após a dissolução de Gisborough Priory até a década de 1940, ela agora funciona como um hotel.

O Guisborough Museum ocupa o antigo Stable Block na parte de trás da Sunnyfield House. Foi estabelecido em 1989 para fornecer um refúgio seguro para a herança social de Guisborough em rápido desaparecimento. O Museu atualmente exibe mais de mil objetos, cada um dos quais representa alguma faceta da história social de Guisborough. Ele também abriga uma exposição ferroviária muito popular com sua maquete da antiga estação também inclui fotografias raras exclusivas do museu. Existem também exemplos dos dias de escola do século passado, brinquedos vitorianos, casas modelo requintadas e registros de pessoas envolvidas em guerras mundiais. As exibições são alteradas a cada ano para que diferentes temas possam ser exibidos.

A floresta e o passeio de Guisborough (foto acima à esquerda) estão situados na extremidade norte do Parque Nacional North York Moors. A floresta e passarela ganhadora do Prêmio Bandeira Verde é o lugar ideal para visitar e desfrutar da paisagem ao redor da histórica cidade mercantil. É administrado como uma reserva natural local pela Redcar & amp Cleveland Countryside Rangers e se estende por 2,5 milhas ao longo de uma seção da antiga linha ferroviária de Guisborough Branch

Gisborough Priory

Agostiniano Gisborough Priory foi fundado em 1119 como Priory of St Mary pelo magnata normando Robert de Brus, que foi ancestral do rei escocês, Robert the Bruce. Tornou-se uma das fundações monásticas mais ricas da Inglaterra com concessões da coroa e legados de de Brus, outros nobres e nobres. O priorado tornou-se conhecido por sua estrita observância da regra agostiniana e dos preceitos religiosos. Sua reputação de viver uma vida canônica atraiu São Malaquias da Irlanda que, como São Bernardo de Clairvaux, teve um longo e próximo envolvimento com o priorado.

O priorado foi formalmente dissolvido em 8 de abril de 1540 durante o reinado do rei Henrique VIII e foi entregue aos homens do rei em 22 de dezembro de 1540, tornando-se uma das últimas casas monásticas na Inglaterra a ser suprimida. Os edifícios do priorado, com exceção das portarias e da grande janela leste, foram demolidos. A demolição foi realizada derrubando sua torre central no corpo da igreja, esmagando-a em sua queda e reduzindo-a a escombros.

As ruínas são dominadas pelo esqueleto dramático da extremidade leste da igreja do século XIV, que ainda se mantém em toda a sua altura. Ainda podem ser vistas várias bases das colunas da igreja do priorado, o contorno do claustro é visível mas quase não escavado, enquanto as ruínas da cordilheira oeste constituem a maior área de outros vestígios acima do solo. Uma portaria em ruínas e um pombal ainda intacto (abaixo), que não está aberto para visitantes, ficam na margem oeste do local.

Gisborough Priory é administrado pelo English Heritage em parceria com o Gisborough Priory Project.


Jo & # 8217s caminhada de segunda-feira: Guisborough Forest and the Priory

Na segunda-feira de Páscoa, não tinha certeza se deveria levá-lo para um pequeno passeio local ou algo mais grandioso. Bem, Gisborough Priory já foi muito grandioso. Agora é apenas uma ruína, mas fica no coração de uma das melhores cidades mercantis de North Yorkshire e # 8217, Guisborough.

Sendo o inglês a língua velha e engraçada que é, a cidade de Guisborough é grafada com um & # 8216u & # 8217, mas Gisborough Priory e Gisborough Hall próximo são grafados sem. Você pode verificar os links da Wikipedia para saber onde & # 8217s e por que para & # 8217s mais tarde, mas é hora de pegar seu casaco e vamos lá.

Do estacionamento, na parte de trás da Westgate, vire à direita na Bow St. As casas são uma mistura atraente de pedra e cal. Sob um sol suave, uma magnólia se desdobra. Pouco antes da ponte ferroviária, uma série de degraus leva a uma trilha. Se você virar à esquerda, atravessa a ponte. A ferrovia já não existe mais, mas é um caminho bastante agradável ao redor da parte de trás de Guisborough.

Você pode virar à direita e seguir para a floresta, mas cuidado! Você nunca sabe quais criaturas estão espreitando nesta floresta. No entanto, está tudo bem - a maioria deles são amigáveis.

Mas hoje vamos seguir o caminho mais curto. Escolha a junção à esquerda, assinada pela Cleveland Street Trail, e siga o caminho. Você cruzará um campo aberto e poderá ter um encontro amigável com uma ou duas ovelhas. Uma manada de cavalos brincalhões vive no topo do campo. Normalmente, eles ficarão apenas de olho em você. Não entre em pânico se eles vierem investigar.

A trilha termina em frente a esta guarita

Não esta grande entrada para você, no entanto! Entrada do comerciante & # 8217s! Alguns metros à esquerda, uma trilha mais modesta contorna os limites e leva você ao longo do Monk & # 8217s Walk, através da floresta.

E lá está o priorado, em um campo

Não há muito a fazer, quando você chega bem perto. Gisborough Priory é um priorado agostiniano em ruínas. Foi fundado em 1119 como o Priorado de Santa Maria por Robert de Brus, um ancestral do rei escocês, Robert the Bruce, e se tornou uma das fundações monásticas mais ricas da Inglaterra. Em 1289, um incêndio destruiu grande parte do priorado normando românico, mas foi reconstruído em um estilo ainda mais grandioso.

O priorado foi próspero até a dissolução dos mosteiros em 1540. Nessa época, foi demolido e a pedra reutilizada em outros edifícios em Guisborough. A extremidade leste da igreja foi deixada de pé - uma imagem bastante romântica.

Com arcos bastante agradáveis

Se você está interessado na história, há uma quantidade bastante significativa dela na Wikipedia. Também no local encontram-se fragmentos dos cursos inferiores da cordilheira oeste, uma sub-caverna abobadada, uma porta de entrada e um pombal do século XIV, juntamente com os jardins do Priorado.

Gisborough Priory é um local do patrimônio inglês e as instruções sobre como chegar aqui estão contidas no link. Há & # 8217s também o mais fofo & # 8216Irmão Ted Bear & # 8217 à venda, mas eu o aviso, ele não sai barato. Nem o estacionamento no estacionamento principal da cidade. Você também pode caminhar da vizinha Pinchinthorpe pela floresta de Guisborough até a cidade se estiver com energia.

No centro de Guisborough você encontrará vários salões de chá - a maioria escondidos nos cantos, então dê uma olhada um pouco. Uma refeição mais substancial pode ser feita em vários dos pubs da rua principal.

Então aí está você. Espero que você tenha um ótimo dia! Se você gostaria de participar da caminhada de segunda-feira de Jo & # 8217s, é simples o suficiente. Você pode vincular uma postagem para mim ou simplesmente deixar um link para uma caminhada que você goste em meus comentários abaixo. Pode ser tão elaborado ou tão simples quanto você quiser, e você pode participar em qualquer dia da semana. Eu só gosto de ver por onde você esteve. Intrometido, eu acho. Boa caminhada!


Sábado, 12 de dezembro de 2009

Sobrenomes de Patton para Wynne

PATTON

Um inventário dos bens, gado e bens móveis da viúva de Mary Patton, atrasada em Gisbrough, decretou como foram informados neste dia 24 de abril, por nós cujos nomes estão escritos abaixo

Imprimis & # 8211
Em sua casa de frente uma mesa e uma moldura um armário dez pequenos pratos de estanho quatro castiçais de estanho dois jarros uma dúzia de colheres com alguns outros pequenos utensílios de estanho, duas cadeiras, dois banquinhos, dois Reckons, dois pares de tenazes um par de foles, um cuspe e um ferro de alisar
٠/5/-

Em Ye Buttery duas chaleiras, duas panelas e uma panela de ferro, uma leiteria, seis pratos, 12 valetadeiras, seis tigelas de madeira, 1 batedeira
ٟ/-/-
Na Câmara, uma armação de cama com roupa de cama, uma arca com roupa de cama, uma roda giratória, uma banheira
ٟ/10/-
Uma vaca, uma novilha, um Stirk de um ano
٣/10/-05
O direito do inquilino de sua moradia e terreno,
㿁/-/-
Bolsa dela e aparrell
١/-/-

Os nomes dos avaliadores & # 8211
Thos Spencer
Thomas Lincolne
George Hindson
T: Spencer junr
24 de abril de 1696

Memorial a Anne Pullan, na parede do corredor S, Igreja Paroquial de Guisborough.
Tablete de mármore - moldura preta.

São necessárias mais pesquisas sobre Edward Pullan & # 8211 ocupação, casa de habitação, família.

& # 8220Sacred
para a memória de
Anne
Esposa de Edward Pullan Esqr
E Relict of the Late
Dawson Esqr de Azzerley Hall
Neste condado
Que morreu em 24 de janeiro de 1838
Com 42 anos.
Também sagrado
Para a memória de
Edward Pullan Esqr Marido da Anne acima
Quem partiu desta vida em 20 de agosto de 1839
Com 32 anos. & # 8221

? Uma epidemia de cólera? Verificar. Azzerley? 2 Dawson & # 8217s na Lista de assinantes Ord & # 8217s.

Burial Reg.
Anne Pullan, 42 anos, de Guisborough enterrada em 1.12.1838. Veja acima
Edward Pullan de Skelton enterrado 23.8.1839, 32 anos

Em 12 de maio de 1974 visitou a Igreja Whorlton. Interior da Igreja de Santa Cruz na aldeia. (A velha igreja era a Igreja de Holy Rood e uma ruína & # 8211, exceto um recinto para a efígie *)
Uma placa de parede para Charles Pullan, filho de Richard e Ann Pullan, d. 2 de setembro de 1824. Aos 19 anos.

* A efígie de madeira da velha igreja é preenchida com carvão como conservante. O cavaleiro Shirley viu isso. 12.5.74.
Há um olho mágico na porta que está trancado.

PERFURADOR

Eliza PUNCHER, esposa de William Puncher, segunda filha de robert e Eliza PULMAN de Guisborough, nascida em 25 de dezembro de 1794.

Tablet na igreja paroquial. Pesquisa futura & # 8211 batizado entrada 25 de dezembro de 1794, d 1865. Notas sobre a família Pulman. Eles se casaram em S Nicolas? Wm Puncher & # 8211 ocupação?

Lápides no cemitério (extremidade W do pátio, perto da extremidade E da igreja)
(O cemitério foi drasticamente & # 8220 arrumado & # 8221 pela UDC em 1961 & # 8211 algumas pedras recolocadas, algumas quebradas)

John Rigg, 28 de janeiro de 1704, testamento em 24 de janeiro, veja também seu inventário.
William Rigg, 25 de junho de 1718.
Robert Rigg, 11 de março de 1699.
Cuthbert Rigg, 1º de março de 1723, 43 anos.
John Rigg, 16 de maio de 1761, 55 anos.
Também: Thomas, filho de John & amp Catherine Rigg, 1762, 4 anos e 6 meses.

Carta de 3 de fevereiro de 1983. Thomas Simpson & # 8217s:
Tanto quanto sabemos não relacionados. O único com vínculo com Henry Cross é Thomas Simpson, de Nunthorpe Hall, que era diretor da Escola Secundária e Almshouses de Guisborough. d. 7 de fevereiro de 1848. Antigo cemitério de igreja enterrado, Great Ayton, de 62 anos.
Os outros dois Simpsons foram & # 8211 o Rev T.S. (d. 1836 com 72 anos) de Ebberston, que celebrou o casamento de Henry Cross, e um Thomas Simpson que foi Vigário de Helmsley por 26 anos.

Carta de 22 de fevereiro A Sr. Thos. Weatherill é um assinante da Ord & # 8217s History of Cleveland. & # 8216Um homem com este nome era parente da esposa de Henry Cross. & # 8217 (Ord & # 8217s History pub. 1843 em partes, 1846 em vol.) Enviou-lhe uma lista anexa (ver abaixo).

Carta de 20 de junho, RBS. & # 8216 & # 8230 de Thomas Simpson em Guisborough (ou seja, como Diretor) e como Vigário de Ebberston, é uma pura coincidência. & # 8217

STOKELD
Enterro de Robert Stokeld de Chaloner St. Idade 5 horas. 14 de novembro de 1883

Verifique & # 8211
Família Stokeld & # 8211 veja a / c de acusação de & # 8230
quem foi tesoureiro de uma Sociedade Amigável

Joseph Thorn Stokeld assumiu o negócio de impressão de & # 8230

* morava em Chaloner St. Ele usava o antigo andar térreo e o andar superior atrás do atual GPO (em breve será abandonado em 1990. & # 8211 atual mania de privatização!)

* foi ocupada em 1930 por Tommy Wilson, que era varejista de leite, enquanto WB e EB moravam em Walker & # 8217s Row

Escriturário do Tribunal & # 8217s & # 16311.000
Corte de jornal, sem data
O Sr. John Dinsdale Stokeld, de Stonecourt, Yearby, escrivão dos magistrados em vários tribunais na área de Cleveland, governador da Guisborough Grammar School, ex-secretário do Guisborough Cricket Club que morreu em 3 de maio, deixou o & # 16311.653 (& # 16311.395 líquido. Taxas pagas & # 163681). A herança foi concedida a sua viúva, Sra. Ivie Stokeld, do mesmo endereço, e a John A Askew, advogado, de 4 West Terrace, Redcar.

Censo de 1881: Joseph Thorn Stokeld, 15 Chaloner Street, (hse), 30, Printer, Master empregando 3 meninos. Nascido Byers Green, Co Durham. Esposa Isabel, 21, nascida em Alston, Cumberland. (Filho Henry nascido em 1880. d?)
Enterro em 10 de setembro de 1884 e # 8211 Iasbel Stokeld, Chaloner St, Church Regs. & # 8211 enterro: Robert Stokeld de Chaloner St, Guisborough, 5 horas de idade, 14 de novembro de 1883.

Alan Stokeld foi enterrado no cemitério da Catedral de São Gregório, Ryedale.

TREVOR

Um certo Charles Trevor de Londres tinha uma irmã que se casou com Ralph Disraeli (uma conexão apreciada pela família). O primeiro Trevor em Guisborough foi Thomas Tudor Trevor (1816-1872). Morava em Pond Cottage, Whitby Lane. Disse ter deixado & # 16340.000. O 2o Conde de Zetland tinha um sobrinho Thomas Lawrence Yeoman de Whitby e conseguiu para ele o cargo de Escriturário da Paz com a condição de que nomeasse Thomas Tudor Trevor para o cargo de Escriturário Adjunto para cuidar das coisas por ele. Para detalhes sobre seu personagem, veja a história da Guisborough Mutual Improvement Society). Ganhou dinheiro fazendo trabalho jurídico para as novas ferrovias em meados do século 19. Charles Trevor (acima) teve um filho William Charles Trevor (1843-1919). Advogado de acordo com a placa de latão (no Museu de Guisborough). Viveu em Overbeck, Guisborough. Portanto, parece que seu tio o mantinha na família. Secretário Adjunto da Paz 1872-1889. Posteriormente, C de p e também Escriturário do NRCC. Também escrivão de juízes.
Da coleção de fotografias, verifica-se que teve 2 filhos e 2 filhas. Um filho, Charles Tudor Trevor (1878-1938), era advogado com escritórios na Câmara Municipal e escrivão dos juízes e dos comissários de impostos. (John Stokeld conseguiu seu emprego como escrivão dos juízes em 1938.) O outro filho Charles Arnold Trevor, uma foto dele como soldado na Guerra RAMC de 1914. Nenhuma ocupação conhecida. Interessado em assistir trens na linha de junção de Hutton Lane. As filhas Maude e Rose, como seus irmãos, não se casaram. Conectado com a igreja e atividades de caridade *. Rose foi para Sidmouth e morreu lá. Deixou Daisy Armstrong (nee Ward) & # 163500 e custódia de seus diários e outros papéis e objetos pessoais (com & # 8220 para o canto Trevor no Museu Guisborough & # 8221 escrito no pacote). Maud morreu em sua casa na Church Square. Propriedade sobre & # 16320.000. Doação de & # 1631.000 à Igreja Paroquial. Já havia pago o custo da construção de Lady Chapel na igreja em memória de seus pais. Font também um memorial de Trevor (anterior), uma peça pobre. Lady Chapel posteriormente desmontada e a fonte colocada no local! Uma nova capela de Lady erguida no topo do teto elevado da abóbada de Chaloner, que foi selada depois que o banco fechado de Chaloner foi removido (ver fotos antigas). Nada disso muda o trabalho dos nativos, mas de um novo reitor e dos ingressantes no PCC.

Rose aparece como uma enfermeira com feridos da Primeira Guerra Mundial,
na extrema direita, em uma foto de hospital de guerra Chaloner Hall.


Thomas Tudor Trevor 1816-1872.
Secretário Adjunto da Paz 1849-1872.
Thomas Lawrence Yeoman (1819-1901), da família Woodland de Whitby e sobrinho de Thomas 2o Conde de Zetland, & # 8220, que supostamente lhe deu o cargo de secretário sob a condição de nomear Thomas Tudor Trevor para cuidar das coisas por ele como deputado. & # 8221 Diz-se que valia & # 16340.000. No andar térreo: desenvolvimento ferroviário e projetos de lei # 8211 através do Parlamento / desenvolvimento de ironstone e terreno / mais sua renda de outro trabalho como advogado. Morava em Priory Cottage.

William Charles Trevor 1843-1919
de Overbeck, Stokesley Road, Guisborough. Secretário Adjunto da Paz 1872-1889. Secretário da Paz do Conselho do Condado de NR 1898-1915. Escriturário da Divisão Leste dos juízes Langbaurgh 1872-1903. Sobrinho de TTT. WCT era filho de Somerset Hse, Controlador de Legado e Deveres de Sucessão, Charles Trevor, e de sua esposa Olivia (nascida Lindo). Sua irmã Katherine se casou com Ralph Disraeli. Teve um motorista antes de 1914. Lembre-se dele como um pedestre pesado. Teve 2 filhos e 2 filhas, todos permaneceram solteiros. O filho Charles, um advogado, e um filho, Arnold William, disseram ter passado seu tempo observando trens. 2 filhas Rose e Maude. Rose era uma apoiadora fervorosa da igreja e era responsável pela distribuição da Revista Paroquial. Lembro-me do Reitor Mackie dizendo que nunca perguntou sobre o lado financeiro da revista, o que implica que Miss Rose Trevor subsidiou. Sua irmã também era uma adoradora regular em S. Nicholas. Depois que Maude Trevor morreu, alguns de seus pertences mostraram que a família viajava para o exterior com frequência. Rose Trevor deixou Guisborough e residiu em Sidmouth. Ela morreu em? e legou & # 163500 à Sra. A Armstrong (nascida Daisy Ward) e uma caixa de um advogado de Stokesley contendo fotos antigas e uma coleção de conchas coletadas por seu irmão Charles enquanto ele servia nas Forças na Palestina & # 8211 Primeira Guerra Mundial. Rose deixou um diário para esse período e isso se destacou por não ter consciência das adversidades do dia a dia. Também tentativas de poesia. (Duas mulheres isoladas por sua educação!)

O destino de seus memoriais. Três memoriais, dois na igreja e uma tampa de sepultura * no cemitério, estão relacionados à família. A primeira, a fonte, sobreviveu a duas remoções. Instalado em 1872 (um design infeliz), ficava no corredor sul na extremidade oeste. Na restauração de 1904, ele foi removido para o corredor norte, extremidade oeste, e na década de 1960 para seu local atual na extremidade leste do corredor norte. Um dos defeitos do mobiliário da igreja é a ausência de uma fonte antiga, geralmente uma fonte confiável de antiguidade.
A remoção em 1872 da fonte Trevor para a extremidade leste do corredor norte causou o desmembramento da Capela Memorial Trevor, erguida em 1952. (veja acima). A carpintaria foi usada para formar uma sacristia e a inscrição do memorial, originalmente fora da capela, foi criada na extremidade leste do corredor sul, com duas janelas memorial fornecendo um cenário & # 8211 uma para o segundo Barão Gisbrough e a janela mais antiga para um filho do primeiro Barão.

Para coroar tudo, a reforma completa do órgão transformou a sacristia em um depósito & # 8211 isso em 1983! Portanto, a placa em letras azuis (transcrita acima) e a tela ao redor são o.

* A lápide do adro da igreja foi deslocada e vandalizada, as peças de canto de mármore foram jogadas por cima da parede no terreno do convento. três dessas peças estão entre os destroços de pedras do priorado ao SE da Janela E.

(Os Escriturários dos Condados 1360-1900, de Sir Edgar Stephens. 1961. p 188)

Vejo Guisborough antes de 1900 p 153: Vingança TTT & # 8217s contra Geo. Lowe também informou sobre a prevenção da reunião da Sociedade de Melhoramento Mútuo na Prefeitura. Sua postagem de domingo foi entregue em seu banco nas Matinas!

Corte de jornal: & # 1631.000 partiu para a igreja em Guisborough. Uma propriedade de & # 16318.017 (& # 16317.788 imposto líquido pago & # 1632.048) foi deixada pela Srta. Maude Trevor, de 50, Church Square, Guisborough, que morreu em 25 de abril. Entre outros legados, ela deixou & # 163200 para Maude E Best, de Old Pinchinthorpe Cottage, Guisborough & # 1631.000 para o Conselho da Igreja Paroquial de Guisborough & # 163100 para o Dr. Thomas A Pratt, de Guisborough & # 163100 para Rev Cecil Morrison de Guisborough e & # 16350 & # 8220 para o gerente do meu banco & # 8221 Sr. S Forrest de Guisborough. O resíduo é dividido igualmente entre Millicent M Huxley e Lawrence G Appleby. A homologação foi concedida a Lawrence G. Appleby e Donald Matthews, advogados, ambos de Stokesley.

12 de novembro de 1873: Ann, esposa do Sr. George Venables de Londres, enterrada.
Verifique se há casamento.

1785, 11 de agosto e # 8211 Roger Sanders, vidraceiro, e Ann Corney, ambos desta paróquia, casaram-se na presença de George Venables e Mary Venables.
GV tinha se casado de novo? Alguma ligação com a família Corney?

A primeira visita do GV ​​& # 8217 a Guisbrough & # 8211 vide o prospecto de sua escola & # 8211 & # 8216alguma empresa importante me ligou & # 8230 & # 8217

Churchwardens A / cs. 18 de janeiro de 1856 e # 8211 Wm Brice, Bill para a Sra. Venables & # 8217 lápide - & # 1632/15/6
Verifique Gents Mag. Setembro de 1814

1841 Censo
Wm Weatherill, 30, advogado
Anne W., 25
Margaret W, 6
Anne W., 4
William, 3
Helen, 9 meses

1823 Baines & # 8217 Diretório de N Yks
Thomas Weatherill, Gent, Westgate
1831 Registros Paroquiais de Guisborough
Batismo de Thomas, filho de Thomas e Margaret Weatherill
1841 Censo & # 8211 TW, 30, Brewer, Market Place. Nasceu em Marske.
1841 Censo & # 8211 Thomas Weatherill, 70, Fazendeiro, Church St. Sua esposa Esther, 60
1851 Censo & # 8211 TW, 42 (sic), Master Brewer e Spirit Merchant, empregando 23 homens, Northoutgate. Nasceu Marske.
Margaret, sua esposa, 35, nascida em Wilton.
Crianças & # 8211 Anne 10, Kate 8, William 6, Herbert T 2.
Também residente: Elizabeth Weatherill, irmã de Thomas, 39. Nascida Marske. (no Censo de 1861, William omitido) Também no Censo de 1861, Elizabeth é & # 8220Postmistress & # 8221.
1890 Bulmer & # 8217s Directory of N Riding of Yks & # 8211 Sra. Margaret Weatherill de Sunnyfield House.
1851 Censo& # 8211TW, 81, Fazendeiro aposentado, Church St, nascido em Tocketts. Esther 78? Nasceu em Hinderwell

Em nosso cemitério há uma lápide & # 8220 Em Memória de Elizth Weatherill, falecido em 29 de setembro de 1792
Com 49 anos. Esposa de Thomas. (Pedra um pouco desgastada)

Também William Weatherill, 30, advogado (censo de 1841)
e Batismo de Margaret Elizabeth, filha de William e Ann Weatherill, Solicitor, 2 de abril de 1835. (No. 1286 Guis Parish Reg)
Veja também & # 8220The People & # 8217s History f Cleveland& # 8221 por GM Tweddell, Stokesley, 1872.
M & # 8217bro Ref. Lib. CH. 9/51077.

Testamento de Richard Wynne de Gisborough. 19 de abril de 1652

Alchin 409. Yks. Arco. Assn. Record Series Vol IX. 1890
Biblioteca NR Cty. Y942.74. Resumo de Yks Wills. 165-66

Ser enterrado na Igreja de Guisborough tão próximo quanto seja conveniente o local de sepultamento de meus filhos. Para a amada esposa Ann, várias mensagens, fecha, 7c. sobre confiança para pagar & # 8211

& # 163700 para o filho mais velho, Richard, quando ele tiver servido seu aprendizado e se tornar um Homem Livre da Cidade de Londres ou aos 25 anos.

Segundo filho de Arthur & # 8211, por mais que eu já tenha sofrido grandes acusações por colocá-lo em um modo de vida conveniente e ele se enganou tanto que perdi todas as acusações que tenho feito com ele & # 16320.

Terceiro filho de John & # 163100 (condições como para Richard).
Quarto filho de James & # 163100 aos 23.
Quinto filho de Bryan & # 163100 aos 23.
Robert sixth son & # 163100 at 21.
Filha mais velha de Anne & # 1635, além de liquidação.
Elizabeth, segunda filha (esposa de Theophilus Ffurbisher), além de & # 163100 já tinha, 40 / -. Seus filhos Martin e Theophilus 20s. cada.
Terceira filha de Margaret & # 163100 aos 21.
Quarta filha de Dorothy & # 163100 aos 21.
Aos pobres de Gisborough & # 16310.
Dois Supervisores 40s. cada:
Bom amigo e parente próximo John Turner de Kirkleatham Esq.
Robt. Coulthurst de Upleatham Gent. Meu cunhado.

* Depoimentos em Guisborough 13.1.1624. (31 anos)
Observe as conexões de Londres & # 8211 Wynne and Turner & # 8211 alum

* Todos os testamentos entre 1652-1560 foram provados em Londres.
Reabertura dos tribunais em York em outubro de 1660. YAS. Gravando. Series Vol. LIX.

Jeffrey & # 8217s Map 1771 mostra Winn Hall perto de Upleatham. Alguma conexão?

1841 Censo: (Igreja St)
Joseph Wynn, 45, pedreiro
Maria, sua esposa, 45
Joseph, filho, 15, Marceneiro e Aprendiz # 8217s
Margaret, filha, 15
William, filho, 12
Elizabeth, filha, 8
Todos nascidos em Yorkshire
1851 Censo
Joseph Wynn, 58, Red Lion Inn, Mason e Innkeeper, nascido em Guisborough.
Red Lion em Church St. agora instalações do Yorkshire Bank.
Observação 1861 Retorno do censo: 6 casas em edifícios Wynn & # 8217s

Família Wynne e # 8211 Batismos
Registro Paroquial de Guisborough

276/9 de janeiro de 1818
Thomas, filho de Joseph e Mary Winn, Guisbrough, Mason.
404/6 de fevereiro de 1820
Mary, filha de Joseph e Mary Wynne, Stone Mason
514/10 Novr. 1821
Joseph, filho de Joseph e Mary Winn, pedreiro
640/4 Novr. 1823
Margaret, filha de Joseph e Mary Winn, pedreiro
760/4 Decr. 1825
Elizabeth, filha de Joseph e Mary Winn, pedreiro
899/27 de março de 1828
William, filho de Joseph e Mary Winn.

Wynn & # 8217s Yard, na Redcar Road. O Priorado e os Privados (Foto WDB)
Agora superado por Wynn & # 8217s Garth.

Da mesma forma alterado: Scarth & # 8217s Yard para Greear Garth (extremidade inferior do Westgate)

O principal exemplo de atualização foi o toque de Londres quando o desenvolvimento ocorreu além de Stump Cross e # 8211 West End, Park Lane, Grosvenor Square!


Assista o vídeo: Guisborough Priory 17 3 2016 (Janeiro 2022).