Em formação

Revisão: Volume 55 - Futebol

Revisão: Volume 55 - Futebol


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Título: f00TBALL-wAS-lIVERP00L-n0STALGIC / DP / 1844258254 / REF = SR_1_1? S = B00KS & IE = utf8 & QID = 132o865564 & SR = 1-1 "> Liverpool

Autor: Peter Hooton

Editor:

Editor: Haynes Publishing

Preço: £10.99

Livraria: Amazonas

Local na rede Internet: Liverpool

Categoria:

Esta é uma coleção única e magnífica de fotografias do Liverpool Football Club desde os primeiros dias até 1992, recentemente selecionadas de milhares de imagens no extenso arquivo do "Daily Mirror". Essas fotos fantásticas, muitas delas inéditas, documentam a ascensão do clube de futebol de maior sucesso no futebol inglês. Os primeiros dias e os lados vencedores do campeonato do início dos anos 1900, os "intocáveis" dos anos 20, a vinda do "messias" Bill Shankly após os anos magros dos anos 1930, anos 40 e 50, os triunfos dos Anos 60, 70 e 80, as tragédias de Heysel e Hillsborough - está tudo aqui. Este livro dará vida aos períodos, às personalidades e às histórias humanas.

Esta é uma coleção única e magnífica de fotografias do Manchester City FC desde o início de 1900 até um pouco antes do Milênio, selecionadas do extenso arquivo do Daily Mirror. Capturando a própria essência deste famoso clube antigo e de seus apoiadores, When Football Was Football remonta a uma época passada em que a vida - e o jogo - pareciam muito mais simples. Dos anos de glória do clube e numerosos triunfos da copa, para crianças na rua tendo uma nocaute fora de Maine Road - este é um livro pictórico como nenhum outro, salpicado de histórias raramente contadas e contos de como um pequeno clube de futebol amador se tornou um dos principais poderes do jogo. Mas isso não é página após página de imagens que você já viu uma dúzia de vezes antes. Este livro é uma rica tapeçaria de pessoas, jogadores e experiências, boas, más ou não. Em contraste com o ambiente cuidadosamente controlado de hoje, os melhores jogadores de futebol atuam no interior, há fotos do primeiro time dos Blues treinando em um estacionamento molhado antes do derby de Manchester, Bert Trautmann dando um autógrafo em uma rua deserta de Londres e fotos das pessoas que realmente fez este clube - seus magníficos torcedores. Imagens em preto e branco de décadas atrás, gloriosas fotos coloridas dos anos 60 e 70 e além, este é um livro que todo fã de City simplesmente deve possuir.

Quem se interessa por futebol tem lembranças de jogos importantes, quando seu time jogou de maneira brilhante (ou mesmo perdeu de maneira espetacular). Alguns podem ser os melhores jogos que eles já assistiram - jogos que não envolvem necessariamente o time que torce - outros podem ser 'a primeira', enquanto alguns podem ser jogos de futebol que foram falados por uma geração mais velha, tidos como exemplos de do jeito que o futebol costumava ser. Aqueles eram os jogos é sobre jogos de futebol fascinantes dos últimos 100 anos. Quem foi Max Seeburg? Ele se tornou o primeiro jogador de futebol estrangeiro de profissão em 1923 a jogar por um clube inglês quando jogou pelo Spurs contra o Hull City em 1908. A final da Copa 'White Horse' de 1923, mas quem jogou contra quem? Cinco anos depois, o Newcastle United venceu o Aston Villa por 7-5 em um jogo notável em St James 'Park. Você estava entre as 146.422 pessoas que pagaram para ver o Celtic vencer o Aberdeen na final da Copa da Escócia em 1937? Todos agora consideram os holofotes um dado adquirido, mas qual foi o primeiro jogo a ser jogado inteiramente sob as luzes e qual foi o placar? Foi o Portsmouth contra o Newcastle United em 1956, mas você terá que comprar o livro para saber mais.

Este título apresenta o jogador pré-1960 e o primeiro jogador de futebol de £ 100 por semana (Johnny Haynes - agora é uma coincidência!). O futebol era privilégio dos trabalhadores que assistiam aos jogos em grande número. Foi uma busca da classe trabalhadora que atraiu as pessoas por meio de um tribalismo feroz e da lealdade a 'sua equipe'. Com o advento dos jogadores de futebol sendo pagos bem acima do salário nacional, deixou de ser um esporte para se tornar um negócio. "When Football Was Football" é um livro totalmente ilustrado que nos leva através do século do futebol inglês a partir dos arquivos fotográficos e escritos do "Daily Mirror". 'Você seria perdoado por pensar que o futebol foi inventado em 1992' - Oliver Holt . 'Não é uma questão de vida ou morte, é mais importante do que isso' - Bill Shankly. Fotografias principais e inéditas incluirão: 1905 - Chelsea formada no pub The Rising Sun (agora The Butcher's Hook) e Fulham Road; 1926 - Huddersfield se torna o primeiro time a vencer a liga três vezes consecutivas; 1928 - Chelsea e Arsenal tornam-se os primeiros times a jogar com números de camisa (25 de agosto); e 1939 - a liga é abandonada três jogos na temporada com o início da 2ª Guerra Mundial.


Análise da TV Samsung Q90 / Q90T QLED

O Samsung Q90T é um excelente TV 4k QLED. É rico em recursos e oferece uma qualidade de imagem impressionante em quase todos os tipos de conteúdo. Seu design simples e elegante deve caber facilmente em qualquer sala e funciona bem em ambientes escuros ou claros. O manuseio de movimentos é excelente graças ao seu tempo de resposta incrivelmente rápido e ao recurso Black Frame Insertion, e os jogadores devem ficar satisfeitos com seu atraso de entrada excepcionalmente baixo e suporte para FreeSync. O conteúdo HDR é fornecido com cores vibrantes e realces brilhantes, pois possui uma gama de cores impressionante e alto brilho de pico. A interface do Tizen OS é fácil de navegar e há muitos aplicativos disponíveis. Existem alguns problemas menores de uniformidade que podem decepcionar os fãs de esportes, mas, como um todo, é uma TV que deve satisfazer a maioria das pessoas.


A polícia disparou 55 vezes contra Willie McCoy. Uma investigação chamou de & # x27razoável & # x27

Os policiais da Califórnia que mataram Willie McCoy, um jovem de 20 anos que dormia em seu carro, dispararam 55 tiros contra ele em 3,5 segundos - o que foi "razoável", segundo o consultor contratado da cidade de Vallejo.

As autoridades divulgaram o número extraordinário de rodadas em um relatório divulgado esta semana, meses depois de seis policiais atirarem no aspirante a rapper que adormeceu dentro de seu carro em um Taco Bell. O assassinato de 9 de fevereiro, que a família de McCoy chamou de "execução por um pelotão de fuzilamento", gerou indignação nacional e levou a um intenso escrutínio do uso frequente de força letal pelo departamento de polícia de Vallejo e histórico de má conduta e casos de abuso.

O relatório de 51 páginas de David Blake, um “especialista” pago e oficial aposentado, concluiu que o assassinato estava “de acordo com o treinamento contemporâneo e as práticas policiais associadas ao uso de força letal”. Ele disse que “os 55 tiros disparados por 6 policiais em

3,5 segundos é razoável com base no meu treinamento e experiência como instrutor de distância, bem como através da psicologia aplicada de fatores humanos ”.

Parentes de McCoy, um querido rapper da Bay Area, cuja carreira estava em ascensão na época de sua morte, disseram que souberam da contagem de balas em reportagens.

"O que diz é que nunca houve qualquer intenção real de tentar resolver esta situação em que a vida do meu irmão ainda estaria intacta", disse Marc McCoy, irmão mais velho de Willie, ao Guardian na quarta-feira, acrescentando que muitos nos Estados Unidos haviam se tornado entorpecido a esse nível de brutalidade policial: “Nossa comunidade está tão acostumada a esse tipo de violência”.

Os seis policiais cercaram o carro de McCoy com armas em punho depois que um funcionário da Taco Bell chamou a polícia para relatar um homem que não respondeu em seu carro no drive-thru. O departamento de polícia da cidade, a 30 milhas a nordeste de San Francisco, insistiu que os policiais atiraram "com medo por sua própria segurança", alegando que McCoy havia procurado uma arma em seu colo.

Os policiais que mataram Willie McCoy, um jovem de 20 anos que dormia em seu carro, dispararam 55 tiros contra ele em 3,5 segundos. Fotografia: YouTube | Cidade de Vallejo

Mas as filmagens da câmera corporal, divulgadas após significativa pressão pública, lançaram dúvidas sobre partes da narrativa policial. Os vídeos mostraram apenas McCoy movendo a mão para coçar o ombro antes que os policiais abrissem fogo. A polícia não tentou acordá-lo ou anunciar que eram policiais, e sua família e seus advogados disseram que parecia claro que McCoy não estava alerta ou acordado quando todos os policiais abriram fogo.

Sem um relatório oficial sobre o número de tiros, os entes queridos de McCoy foram anteriormente forçados a confiar em suas próprias estimativas depois de ver seu corpo, que estava crivado de balas em seu rosto, peito, garganta, braços e em outros lugares, tornando-o irreconhecível.

“Este é um nível de força inconstitucional”, disse Melissa Nold, uma advogada da família, acrescentando que as 55 balas foram outro lembrete da estratégia policial naquela noite: “Você quer garantir que este ser humano não sobreviva.”

A cidade concordou em pagar até US $ 8.000 pelo “laudo pericial” sobre a análise de “fatores humanos e uso da força” de Blake, de acordo com documentos de contrato obtidos pelo Vallejo Times-Herald. Blake tem um histórico de autoria de relatórios semelhantes concluindo que as mortes por policiais eram razoáveis.

Ele foi contratado como o "especialista externo" para investigar o assassinato de Stephon Clark em 2018, um homem desarmado de 22 anos de Sacramento morto no quintal de sua família. Esses policiais alegaram que confundiram o celular de Clark com uma arma, e Blake determinou que os tiros fatais foram "razoáveis".

Blake defendeu o alto volume de balas disparadas contra McCoy fazendo inferências sobre o estado mental dos policiais. Ele disse que os oficiais eram "geralmente treinados para atirar até que a ameaça fosse neutralizada" e que provavelmente continuaram a atirar devido em parte ao "estresse agudo" e "caos causado pelos sons de tiros, destroços e luzes montadas em armas refletindo no pára-brisa estilhaçado ”.


The Monster Mash

Dependendo do estádio em que você joga, o campo está cheio de serras circulares, minas terrestres, fossos venenosos e armadilhas de espinhos que podem matar seus jogadores. Sua equipe, é claro, tem backups para cada jogador em posição, mas se todos os seus quarterbacks forem abatidos durante uma disputa por esses ou outros perigos, você automaticamente perde o jogo. Os jogadores menos experientes podem desligar a morte permanente, para que os jogadores voltem ao campo de batalha depois de ficarem totalmente destruídos. Você também pode perder seus orcs, robôs, alienígenas, esqueletos e humanos mutantes à medida que suas barras de saúde diminuem devido a hard tackles, acertos tardios e truques sujos.

Cada equipe tem dois truques sujos ofensivos e defensivos que são projetados para mudar o fluxo do jogo a seu favor. Assim como os perigos em campo, os truques sujos variam de acordo com a equipe. Meus New Yuck Tyrants, por exemplo, têm o truque sujo Warp Speed ​​que permite que um jogador ofensivo se mova com supervelocidade por alguns segundos. Se você estiver em seu próprio território, Warp Speed ​​pode levá-lo perto do meio-campo com facilidade. Se você estiver dentro da linha de 50 jardas do seu oponente, a velocidade de dobra praticamente garante um touchdown. E o truque sujo da Shotgun faz com que o quarterback de um time empunhe uma arma de fogo e destrua a defesa com vários tiros na hora certa enquanto corre em direção a uma primeira descida.

Infelizmente, a Mutant Football League nem sempre o instrui se é possível neutralizar esses super-feitos potencialmente opressores. O jogo menciona que se um jogador impulsionado pela Velocidade de dobra entrar em contato com qualquer coisa, o bônus é perdido imediatamente, mas não fornece um contador para a habilidade Trovão, que invoca um relâmpago para causar um desastre (ou até mesmo a morte). Por outro lado, cada truque sujo pode ser usado apenas uma vez a cada metade. Como a morte permanente, truques sujos podem ser desativados no menu de configurações do jogo.

É uma sorte, porque alguns truques sujos tiram brutalmente o vento de suas velas. Poucas coisas são tão frustrantes quanto lançar uma bomba longa, apenas para ter a descida revertida porque o time defensivo subornou o árbitro. Você pode optar por matar o árbitro, o que é um truque sujo universal, mas é uma aposta, pois você não sabe quando um rival pode contra-subornar o árbitro.

Mutant Football League também tem um Halftime Show que consiste em um jogo de tiro no estilo Smash TV, no qual você deve tentar sobreviver a ondas de ataques de árbitros zumbis por um minuto. Se o fizer, você pode ressuscitar um de seus jogadores mortos. É uma mecânica simples, mas bem-vinda, que pode potencialmente mudar o curso do jogo, especialmente se você reviver um jogador de nível de franquia.


Revisão preliminar da Washington Football Team 2021 da NFL

O melhor jogador: LB Jamin Davis

Indo para o Draft de 2021 da NFL, o técnico Ron Rivera parecia determinado a cuidar de sua necessidade como linebacker. Então, por que não fazer isso na primeira rodada? O linebacker do Kentucky Jamin Davis é exatamente o que Rivera queria - um líder atlético que pode jogar lateral a lateral. Davis tem excelente comprimento e explosão inicial e viu seu estoque disparar no final do processo de pré-rascunho. Davis é bastante rude em algumas das arestas, mas se Rivera o desenvolver direito, ele pode se tornar um jogador muito bom rapidamente.

O arranhador de cabeça: Camaron Cheeseman

Aqui está a questão - o time de futebol de Washington fez um draft perfeito de ponta a ponta. Eles adicionaram talentos em todo o campo e conseguiram os caras com quem queriam preencher a lista. Isso incluindo Camaron Cheeseman, que simplesmente merece reconhecimento por ter um dos melhores nomes do draft. O snapper longo foi tirado com a 225ª escolha geral, que se poderia argumentar que poderia ter ido para outra posição premium. De qualquer forma, Cheeseman está na NFL, e os fãs não poderiam estar mais felizes!

A surpresa: Dyami Brown

De certa forma, a surpresa não é que Washington conseguiu Dyami Brown, e sim quando. Enquanto o prêmio "The Steal" vai para outra escolha, Brown também tem um caso muito forte para ser um dos melhores roubos de todo o draft. Escolhido com a 82ª escolha geral, Brown é um jogador que deveria ter saído mais cedo no dia dois. Ele é uma ameaça de campo que correu um tempo de 4,44 e 40 jardas e tem mãos muito confiáveis. Dadas as habilidades de controle de bola de Brown, pode-se esperar que ele tenha um impacto precoce em Washington, tentando expandir o campo nesta temporada.

O roubo: Samuel Cosmi

Outra das maiores necessidades de Washington era o ataque esquerdo. Desde que Trent Williams foi embora, a equipe está procurando por seu substituto. Bem, eles o encontraram. O tackle ofensivo do Texas Samuel Cosmi é um jogador de esquerda que tem um teto muito alto. Com 1,88 m de altura e 614 libras, Cosmi é um bloqueador físico e atlético que precisa refinar sua técnica. No entanto, seu talento poderia tê-lo visto ir para o primeiro round, tornando sua seleção no 51º um grande roubo para Washington.

Com maior probabilidade de virar cabeças durante o acampamento de treinamento: Shaka Toney

O Washington Football Team tem uma frente sete muito profunda. É a força da equipe, com Chase Young, Jonathan Allen e muitos outros liderando o ataque nas trincheiras. No entanto, os fãs devem olhar para Shaka Toney na sétima rodada para escolher um papel para si mesmo antes do início da temporada. Ele é um rusher dinâmico com grande curvatura na borda. Ele pode precisar aumentar mais para lidar com tarefas finais defensivas de 4-3, mas com suas habilidades naturais de pressa, Toney poderia praticar seu caminho para uma função de pass-rushing situacional.

O resto

Na terceira rodada do draft, Washington conquistou o cornerback de destaque do Senior Bowl Benjamin St-Juste e o tight end John Bates. St-Juste é um cornerback alto e esguio, com tamanho e habilidades de ataque que valem a pena desenvolver. Enquanto isso, ao redigir o tight end de Boise State John Bates na quarta rodada, Washington consegue outro grande tight end que se destaca como bloqueador e tem mãos confiáveis.

Na quinta rodada, Washington levou o safety de Cincinnati, Darrick Forrest. A segurança é melhor dentro da caixa, jogando contra a corrida e cobrindo pontas apertadas. Em uma divisão com Evan Engram, Zach Ertz e outros tight end, a capacidade de cobertura de Forrest será útil. Da mesma forma, Washington acrescentou mais profundidade ao longo de sua linha defensiva em William Bradley-King. A 240ª escolha geral tem o tamanho e os traços de arestas necessários para ser uma peça rotacional de qualidade.

Por último, Washington fechou o projeto com o wide receiver Dax Milne. O receptor BYU pesa 6’1 ”e 193 libras, trazendo um movimento suave para a unidade. Ele é um grande atleta versátil, com excelentes habilidades de rastreamento de bola.

No Draft de 2021 da NFL, o Washington Football Team simplesmente precisava adicionar talentos para preencher sua lista. Por ter um draft completo que atendeu às maiores necessidades da equipe, é seguro dizer que Ron Rivera e a companhia o eliminaram no final de semana do draft.


  • A revisão concluiu que a resposta de Collingwood & # x27s aos incidentes racistas foi & quotat best inefective & quot
  • Collingwood tem o relatório desde dezembro, mas não divulgou nenhum detalhe dele
  • Ele faz 18 recomendações, incluindo um processo de & quotdizer a verdade & quot e suporte para talentos de diversas comunidades

Embora tenha sido feita referência a alegações de racismo em toda a AFL de forma mais geral, a história de Collingwood & # x27s com o racismo foi descrita como & quotdistinta e flagrante & quot, com a liderança do clube & # x27s, & quotparticularmente sua diretoria & quot, precisando impulsionar uma mudança estrutural.

Descreveu uma cultura de & quotindividuals, se não sendo muito maior do que o Clube, pelo menos tendo um grau de influência doentio sobre a cultura do Clube & quot.

A ABC obteve uma cópia do relatório, que o conselho de Collingwood recebeu há mais de um mês.

Poucos dias depois, o presidente da Collingwood, Eddie McGuire, anunciou que deixaria o cargo no final de 2021 e passaria o resto do meu tempo como presidente estabelecendo uma nova era de Collingwood.

& quot Tenho muito a fazer antes de entregar o bastão, junto com minha diretoria e executivo estamos prontos para anunciar iniciativas significativas na área de igualdade, a luta contra o racismo para garantir que Collingwood seja um ambiente seguro e acolhedor para todas as pessoas, e mais sobre isso no devido tempo ”, disse McGuire na época.

A história de Héritier Lumumba e # x27s pode mudar a AFL?

Héritier Lumumba & # x27s defende a igualdade forçou uma revisão do racismo em Collingwood. Agora, a ex-estrela da AFL abraça a força de sua identidade e cultura africana.

A revisão & quotDo Better & quot foi conduzida pela Distinta Professora Larissa Behrendt, diretora do Instituto Jumbunna para Educação Indígena e Pesquisa da UTS e colega Professor Lindon Coombes.

Citando evidências generalizadas no registro público e conversas com funcionários, jogadores, ex-jogadores e apoiadores, a análise concluiu que a resposta de Collingwood & # x27s a incidentes racistas foi & quotat melhor ineficaz, ou na pior das hipóteses exacerbou o impacto dos incidentes racistas & quot.

Dos entrevistados para a revisão, emergiu a sensação de que & quottrabalhar com o racismo era algo que poderia ser feito quando outras coisas já tivessem sido resolvidas & quot.

A revisão recomendou uma auditoria do Conselho para garantir que as "opiniões pessoais" de seus membros fossem "consistentes com os valores do Clube".

  • Há uma lacuna entre o que o Collingwood Football Club diz que representa e o que faz
  • É mais provável que o clube reaja à cobertura da mídia sobre um incidente racista do que às reclamações feitas dentro do clube
  • A resposta de Collingwood & # x27s muitas vezes foi percebida como aquela em que as alegações de racismo são tratadas em termos de controle de danos e proteção da marca
  • Aqueles que levantaram questões sentiram que pagaram um alto preço por se manifestar
  • Isso diminui a capacidade do Clube de resolver a disputa internamente, e
  • Isso aumenta o risco de reclamação pública e publicidade negativa que afeta o Clube, sua equipe, seus jogadores e seus apoiadores

O ímpeto para a revisão independente do Collingwood & # x27s foi a história bem documentada do ex-jogador do clube Heritier Lumumba, mas não foi uma investigação sobre as acusações dele ou de outros & # x27.

Os autores da revisão & # x27s enfatizam no início & # x27 & # x27nada nesta revisão pode ser interpretada como isenção do clube de qualquer alegada irregularidade & quot no caso Lumumba.

A revisão mantém a "posição clara" de que uma "investigação preciosa" sobre suas alegações é merecida e da qual ele precisa participar.

A falta de políticas claras e distintas para lidar com o racismo significava que o clube não era capaz de lidar com as alegações da mesma forma que lidaria com outras questões.

A má conduta sexual, o uso de drogas ou o mau comportamento em público são penalizados pelo clube, mas o racismo não segue os mesmos padrões.

Um processo de "dizer a verdade" é recomendado envolvendo pessoas das Primeiras Nações, africanos e outras pessoas de cor, considerando um modelo de justiça que poderia incluir reparações, compensação e um pedido público de desculpas.

Houve um & quot reconhecimento genuíno das falhas do passado e um forte desejo de fazer melhor & quot com alguns passos positivos já dados, incluindo:

  • A nomeação de uma pessoa das Primeiras Nações para o conselho
  • A nomeação de um novo CEO comprometido com a mudança
  • A introdução de novas políticas que visam mais diretamente o racismo

No entanto, a revisão alerta que provocar uma mudança cultural é um desafio que deve ser aceito em todo o clube, em vez de recair sobre os ombros de um pequeno número de funcionários ou de comitês indígenas e de diversidade.

AFL ajoelhou-se por causa do Black Lives Matter

Se o retorno da temporada AFL deveria ser simbólico, pode ser lembrado pelo seu simbolismo, escreve Richard Hinds.

Quando os jogadores de Collingwood se ajoelharam em apoio ao movimento Black Lives Matter na retomada da competição AFL após uma pausa do COVID-19 em junho de 2020, foi um & quotsimple, significativo e sincero gesto & quot.

No entanto, de acordo com a revisão, para & quotmuitos na comunidade, incluindo ex-jogadores e fãs, foi percebido como um movimento hipócrita quando visto no contexto de uma história de incidentes racistas envolvendo o Collingwood Football Club & quot.

Sem confrontar sua história em uma tentativa genuína de entender e consertar, diz o relatório, tais gestos permanecem apenas simbólicos.

Algumas das 18 recomendações são que o Collingwood Football Club:

  • Realizar uma auditoria da diretoria para garantir que seus sócios, por meio de comportamento e crenças, reflitam seus objetivos de diversidade e adotem individualmente os valores do clube, incluindo os princípios de anti-racismo e inclusão
  • Implementar uma estrutura para garantir que haja responsabilidade e consequências para atos de racismo cometidos por membros da comunidade do clube
  • Assegurar o desenvolvimento e implementação de uma estratégia de emprego que valorize a diversidade e relatórios em relação aos KPIs. Isso inclui o grupo de jogadores e a comissão técnica
  • Desenvolver um canal claro para o desenvolvimento de talentos de diversas comunidades no clube, e que apoie proativamente as Primeiras Nações e pessoas de cor em posições pós-jogo - particularmente como treinador - dentro do clube e da AFL
  • Desenvolver um processo de & quot-dizer a verdade & quot como um passo construtivo para compreender mais profundamente as experiências dos povos das Primeiras Nações e pessoas de cor, sua história e cultura e os impactos do racismo
  • Desenvolver uma estratégia para enfrentar e reconciliar atos passados ​​de racismo de uma forma que seja proativa e busque recompensar, não punir, as pessoas que falam contra o racismo

Muitos dos pontos feitos ressoarão além do Collingwood Football Club.

Eles são pertinentes aos desafios enfrentados no esporte e na comunidade em geral, mas apontam para o papel que o esporte pode desempenhar no estabelecimento de padrões e na mudança de percepções.


& lsquo12 Mighty Orphans & rsquo Crítica: Luke Wilson & # 038 Martin Sheen Score In Inspiring Depression-Era Texas Football Drama & # 8211 Tribeca Fest

12 órfãos poderosos, uma entrada da Narrativa Spotlight no Tribeca Fest, é um filme que parece ter sido feito na era da Depressão dos anos 1930 em que se passa. Você meio que espera que Spencer Tracy e Mickey Rooney apareçam a qualquer minuto, como em Boys Town. No mundo cínico e explorador da mídia social em que vivemos, esta história verdadeira de um homem bom e decente e seu time de futebol de órfãos desordenado é positivamente pitoresca e deslocada, mas de alguma forma reconfortante em tudo o que representa de uma América há muito tempo.

Embora você possa ficar tentado a rotular 12 órfãos poderosos um drama esportivo inspirador, o núcleo do filme são realmente seus personagens, não o jogo em seu centro. Situado em Fort Worth em 1938, é a verdadeira história de Rusty Russell (Luke Wilson em um papel que Gary Cooper poderia ter desempenhado em seu auge) um veterinário da Primeira Guerra Mundial que chega à Casa Maçônica para treinar um grupo de meninos órfãos e crie um time de futebol vencedor contra todas as probabilidades. O gentil e sábio Doc Hall (Martin Sheen) não é apenas o salvador médico da área, mas também o assistente técnico, e os dois formam uma equipe incrível enquanto transformam esse grupo de jogadores díspares, cada um com uma personalidade distinta, em algo semelhante uma equipe competitiva. Existem apenas 12 jogadores no elenco, então a dúzia suja deve jogar tanto na defesa quanto no ataque.

Esta é realmente a história de Rusty & # 8217s. O diretor Ty Roberts, trabalhando a partir de um roteiro de Lane Garrison e Kevin Meyers, faz justiça ao livro de Jim Dent & # 8217s sobre um homem lutando contra seu próprio passado silencioso que encontra sua vocação levando um grupo improvável até o Campeonato Estadual. E isso acontece no coração da Grande Depressão. A história é feita sob medida para puxar seu coração e fazer você se levantar e torcer, mas Roberts não segue o caminho óbvio. Ele encontra um propósito na história deles que ressoa em um nível mais sutil. Não é o obsessivo conto de futebol americano baseado na luz das noites de sexta-feira do Texas que vimos nesta região, mas um muito mais simples contado em um nível humano.

Assistir no prazo

Wilson, ele próprio um texano e muitas vezes subestimado como ator, se encaixa perfeitamente neste papel. Ele é acompanhado por Sheen, que mostra um lado mais agressivo do que o normal. Vinessa Shaw é calorosa como Juanita, esposa de Russell que também leciona na escola. Os próprios meninos são totalmente novos na atuação e dão um frescor aos procedimentos.

Entre o restante do elenco, Treat Williams se destaca como Amon Carter, editor do Fort Worth Star Telegram. Robert Duvall aparece brevemente em uma participação especial de boas-vindas, fornecendo um bônus para Apocalypse Now fãs que se lembram daquele clássico de 1979 também estrelaram Sheen. Apenas Wayne Knight, interpretando um vilão over-the-top (Frank Wynn) que surge como a perversa Srta. Hannigan. Annie é demais para o tom dado por Roberts. Mas não é uma falha fatal.

Talvez se todos nós não tivéssemos passado pelo tipo de ano ao qual sobrevivemos, este filme não teria o poder de cura inspirador que tem, mas ele chega no momento perfeito, pretendido ou não. O público que quiser se submeter a ele será recompensado.

12 órfãos poderosos estreia hoje no Texas & # 8211, onde foi filmado & # 8211, antes de ir para todo o país na próxima sexta-feira.

Os produtores são Brinton Bryan, Angelique De Luca, Michael De Luca, Houston Hill e Roberts. Sony Pictures Classics é o distribuidor. Confira minha crítica de vídeo com cenas do filme no link acima.

Você planeja ver 12 Órfãos Poderosos? Deixe-nos saber o que tu pensar.


Comentário: LED Football 2 para iPhone

TouchGrove & rsquos LED Football () foi uma homenagem amorosa à Mattel Football & mdash o clássico jogo de computador portátil equipado com LED que os jogadores de certa idade (aqueles de nós na casa dos 30) se lembram de nossa infância na década de 1970. Custando apenas US $ 1 (e grátis neste fim de semana em homenagem ao Super Bowl), é uma tolice não entender isso, se você tem algum osso nostálgico em seu corpo.

Este não é o Madden ou qualquer outro jogo de futebol americano 3-D hifalutin. Em vez disso, touchGrove procurou recriar um dos primeiros jogos de computador portátil de que me lembro & mdashback quando Salgadinhos e Charlie & rsquos Angels governou as ondas de rádio, quando Garanimals e Toughskins eram todas as roupas de grife de que as crianças do ensino fundamental precisavam. Naquela época, muito antes da era do Game Boy, os jogos portáteis usavam telas vermelhas baseadas em LED, não muito diferentes das calculadoras antigas. Eles não tinham gráficos pixelados ou qualquer tipo de capacidade 3-D, eram programados para jogar apenas um jogo e só podiam fazer sons rudimentares. Mas para muitos de nós, esta foi uma experiência formativa.

Se você jogou o LED Football original, provavelmente notou algumas omissões gritantes na jogabilidade básica: Não havia como correr para trás, atrás da linha de scrimmage, por exemplo, e não havia jogo de passe. Era tudo sobre correr com a bola, chutando ou chutando para uma cesta de campo. Isso permaneceu fiel ao jogo de futebol portátil no qual o LED Football original foi baseado. De forma similar, LED Football 2 inspira-se no Mattel Football 2, sucessor do Mattel Football & rsquos, que também exibiu um jogo de passes e um melhor movimento de zagueiro.

Caso contrário, a interface do jogo e rsquos na verdade permanece mais consistente com touchGrove e rsquos LED Football original. (Aqueles com memórias nítidas devem se lembrar que Mattel & rsquos Football 2 veio em uma caixa de cor diferente com botões de formatos diferentes.)

touchGrove & rsquos atenção aos detalhes e desejo de recriar aquela experiência de jogo portátil da velha escola é, sem dúvida, o grande atrativo deste jogo e, ao jogá-lo, você pode & rsquot ajudar, mas se sentir como se estivesse segurando um jogo de plástico em suas mãos, algo movido por um 9 volts bateria. Se você clicar no link de informações do jogo, obterá algumas instruções básicas em uma etiqueta que até se parece com a parte de baixo desgastada de um sistema de jogo portátil antigo. LED Football 2 é uma carta de amor aos jogos que muitos de nós, peidos mais velhos, lembramos de nossa juventude. O jogo ainda apresenta o que o touchGrove chama de & ldquoWear-Down & rdquo technology & mdash quanto mais você joga, mais desgastados os botões parecem ficar.

Minha única reclamação é que o LED Football 2 não salva jogos entre as interrupções, então se você não conseguir completar um jogo antes de apertar o botão home, você deve começar do início novamente.

As opções consistem em dois interruptores de alternância na interface do jogo e rsquos, uma configuração Fácil e Difícil e um ou dois modos de jogador. (Os jogadores passam o iPhone para frente e para trás nesse modo.) Se o volume estiver ligado, você também ouve alguns bips e bipes.

Isso & rsquos isso, mas isso & rsquos tudo que tínhamos na minha época, e cara, nós gostávamos desse jeito!

LED Football 2 é compatível com qualquer iPhone ou iPod touch executando a atualização de software do iPhone 2.x.

[O editor sênior da Macworld, Peter Cohen, suspeita que os jogos de futebol de mão originais tinham melhor duração da bateria do que seu iPhone 3G.]


Revisão da temporada de Leicester City 2020/21

Atingindo o solo correndo

O Leicester estava em grande forma desde o início, quando a temporada começou em setembro. Começando com duas vitórias consecutivas e sete gols marcados, eles foram os primeiros precursores da Premier League.

A saída imediata da Copa da Liga pelas mãos do Arsenal não diminuiu a forma do time de Rodgers. Eles se recuperaram com um de seus melhores resultados e performances nos últimos anos & # 8211 batendo o favorito ao título Manchester City por 5-2 em seu próprio quintal.

As coisas estavam indo bem para o Leicester, com Jamie Vardy mais uma vez desafiando a idade avançada. O número nove dos Foxes marcou cinco gols em apenas três jogos do campeonato. Incrivelmente, quatro delas foram penalidades.

Raposas no continente

O Leicester sofreu duas derrotas consecutivas em casa antes de voltar as atenções para o início da aventura na Liga Europa. Eles venceram seus primeiros três jogos no Grupo G, marcando nove e sofrendo apenas um.

By mid-November, Rodgers had also led his men to the top of the Premier League with six wins from eight.

They were flying now. Pundits and fans alike were raving about Wesley Fofana and his impact since arriving, which was hard to believe given the fact the central defender was still only due to turn 20 in December.

Fofana arrived from Saint-Étienne for around £31.5 million in the summer and was in Rodgers’ starting line-ups from October onwards.

Belgium international Timothy Castagne also arrived at the King Power Stadium. Signed from Atalanta, he would start 27 league games in his debut season, mainly as a right-wing-back. He also deputised on the left when needed, however, as Ben Chilwell had departed for Chelsea before the season began.

Youri Tielemans was a vital cog in the Leicester midfield machine and, along with talented playmakers like James Maddison and Harvey Barnes, really pushed the Foxes on, providing plenty of support for lone-wolf Vardy in attack.

Top of their Europa League group and flying high domestically, Leicester arrived at Anfield to face defending champions Liverpool on November 22nd. A heavy 3-0 defeat took the wind out of their sails. They went without a victory for four games in all competitions, losing three of those.

Bouncing Back Over the Hectic Winter Schedule

From early December until the end of January, Leicester lost just one fixture out of thirteen. They won nine matches during that spell and had cemented their place in the top four of the Premier League by that stage.

After 20 games, Leicester sat in third, five points behind leaders Manchester City and four ahead of West Ham United who were fifth. Having not been outside the top four all season, Rodgers and his team could be forgiven for dreaming of Champions League qualification at that stage. Those dreams would continue well into May.

Leicester had also begun their remarkable FA Cup journey, winning 4-0 at Stoke in the third round. Further victories over Brentford and Brighton & Hove Albion in the following weeks would set up a quarter-final clash with Manchester United at the King Power Stadium in March.

Strength in the Leicester City Spine

Leicester had one of the strongest ‘spines’ throughout their first team in the past season. Experienced players such as goalkeeper Kasper Schmeichel, defenders Jonny Evans and Çağlar Söyüncü, midfielders Tielemans, Maddison, Nampalys Mendy, and Wilfred Ndidi, as well as veteran striker Vardy, were the foundations that allowed Rodgers to add young talent to the mix.

Exciting youngsters like Luke Thomas were introduced to a solid setup and 23-year-old Harvey Barnes continued to develop his game surrounded by Rodgers’ technically astute squad.

One of the only dark points to the Leicester season was the cruciate ligament injury suffered by right-back Ricardo Pereira in March 2020. It kept the Portugal international out until December, limiting him to just ten Premier League starts this season.

European Exit but Wembley Beckons

Leicester were stronger on the road for most of the season and their struggles at home caused their Europa League exit. They lost 2-0 to Slavia Praha at the King Power Stadium after earning a 0-0 draw in the Czech Republic in the first leg.

The Foxes were still third in the league at the start of March. A top-four finish was now a distinct possibility.

Back in February, striker Kelechi Iheanacho had also decided he wanted a share of the spotlight. The 24-year-old Nigerian would score 12 league goals in the final four months of the 2020/21 campaign.

Iheanacho also bagged a brace as Leicester dumped Manchester United out of the FA Cup in the quarter-finals, winning 3-1 on the day. Now, Rodgers’ side had a semi-final against Southampton to focus on.

Another Iheanacho goal would see The Saints off with a 1-0 scoreline as Leicester booked their place in the final. Thomas Tuchel’s Chelsea would be their opponents.

Bittersweet Finish to the Season

In early May, with four league fixtures left to fulfil, Leicester were third in the table, two points above Chelsea and nine clear of seventh-placed Liverpool. The Merseyside club did have a game in hand, however.

On May 15th, Leicester took to the Wembley turf where they faced Chelsea in their quest to be the first players to lift the FA Cup in the club’s history. They did it. Thanks to a wonder-strike from Youri Tielemans in the second half, Rodgers’ men had won the cup.

There were emotional scenes as Leicester shared the success with the thousands of Foxes fans who were present on the day.

Club owner Aiyawatt ‘Top’ Srivaddhanaprabha was also on the pitch, sharing heartfelt moments with Rodgers and his players in the aftermath of the success – no doubt dedicating it to the memory of his father, Vichai.

Unfortunately for Leicester, they would surrender their top-four status in the Premier League right at the end. Three defeats in their final four league games meant an in-form Liverpool side leapfrogged them to finish third with Chelsea grabbing fourth.

Speaking to BBC Sport following their last-day loss to Spurs, Rodgers said: “It’s hugely disappointing for us.

“We fought so hard all season. I always said you’re judged after 38 games, and unfortunately we couldn’t quite make it.

“I have nothing but pride and admiration for the players. They’ve constantly had things go against them with injuries. If you look at the importance of the players out today, we were able to take it down to the last game and the last 15 minutes.

“The ownership have given me amazing support. The players have given me their heart and souls every day. I’m so disappointed for them we couldn’t get over the line.”

Plenty to Look Forward To

The league campaign may not have ended as Leicester fans wanted but a second fifth-placed finish in a row, as well as FA Cup success, means the 2020/21 season had plenty for Foxes fans to cheer.

With one of the more settled squads in the English top-flight, Leicester can be optimistic about what the next season or two has in store for them. Rodgers and his players will have another year of invaluable experience behind them and may well be better prepared for a push at Champions League qualification in 2022.

There’s also the small matter of defending their FA Cup trophy and, once again, venturing across the continent in the Europa League.

Potentially more exciting times beckon for Leicester City in the very near future, that’s for sure.


Government announces expert panel for fan-led review of football

Culture Secretary Oliver Dowden has today announced the full membership of the panel which will join Chair Tracey Crouch MP as she commences the Government’s fan-led review of football.

In the aftermath of the failed European Super League bid, the Government announced its manifesto commitment to conduct the review and published its Terms of Reference last month.

The panel features fan representation at its heart and also includes former players and managers, current administrators, representatives of non-league and the women’s game as well as independent members. The Chair and panel will now begin a series of roundtable meetings that will reach out to fans and football organisations throughout the football pyramid, to hear their views on the future of the national game.

Representation will be from the whole football pyramid with Premier League, Championship, Women’s, League One and Two and Non-league, Community and Diversity based fan networks asked to participate.

The full panel is as follows:

  • Kevin Miles (Chief Executive, The Football Supporters’ Association)
  • Roy Hodgson (former Crystal Palace and England manager)
  • Professor Denise Barrett-Baxendale (Chief Executive, Everton FC)
  • Clarke Carlisle (former Burnley player and former Chair of Professional Footballers Association)
  • Dan Jones (Partner, Football Finance)
  • Dawn Airey (Chair, FA Women’s Super League)
  • David Mahoney (Chief Operating Officer, England and Wales Cricket Board)
  • James Tedford (Former Secretary, Southport FC)
  • Godric Smith (Director, Cambridge United)
  • Danny Finkelstein, independent member

The Chair and panel will canvass fans’ views on ownership, governance and financial flows within the game. It will add to the recommendations of the English Football League’s Governance Review and the Government’s 2016 Expert Working Group on Football Supporter Ownership and Engagement.

In addition, they will assess if there is a need for an independent football regulator, charged with implementing regulation and compliance, and how that could work within the existing framework provided by the Football Association, Premier League and English Football League.

Culture Secretary Oliver Dowden said:

This expert panel brings together a wealth of knowledge and experience from across the football family to shape the future of our national game.

Their job will be to listen to fans and ensure their views are at the heart of reforms on governance, finance and improving day to day experience of supporters. Football is nothing without fans, and today we deliver on our promise to put them in the driving seat.

Following Roy Hodgson’s appointment, Culture Secretary Oliver Dowden added:

I am delighted that Roy Hodgson has joined our expert panel to help shape the future of football. Roy has a wealth of experience and knowledge of the game, and has managed teams at the highest level across Europe. I know fans will be eager to share their views with him as a highly respected figure in the game.

Sports Minister Nigel Huddleston said:

This is a groundbreaking moment in football. We have been clear that this is a wide ranging review and we have given the Chair and panel a broad scope to consider ownership models, financial flows and independent regulation.

The review could herald a step change in our approach to football governance and I look forward to seeing the recommendations.”

Fan-led Review Chair, Tracey Crouch said:

I am thrilled to have such a strong team with a wealth of experience across the whole ecosystem of football to help support the fan-led review. The fans will be at the heart of the review panel’s work and I look forward to kicking off the formal meetings with fan groups and others next week.

The focal point of the review panel will be to engage with fan groups, to hear views on what they believe needs changing in football governance. The Chair will meet regularly with the panel and fan groups in order to move forward with its engagement and reform agenda and will feed into the final report expected in the Autumn.

Further plans around the initial fan engagement sessions will be set out in due course.

Panel biographies

Kevin Miles

Kevin Miles is the Chief Executive of the Football Supporters’ Association (FSA), having worked for the FSA and its predecessor organisations for over twenty years.

A match-going Newcastle United fan for more than half a century and a member of the Newcastle United Supporters’ Trust, Kevin has also led the Fans’ Embassy service at England away games since 1998.

A founder member and former chair of anti-racism education charity Show Racism the Red Card, Kevin is now an independent trustee of Kick It Out and the proud owner of two £1 shares in Blyth Spartans AFC.

Roy Hodgson

Roy Hodgson was most recently manager of Crystal Palace FC having retired from football, after an illustrious career, at the end of the 20/21 season. He has previously managed teams from across the world, including Inter Milan, Malmö and Liverpool, as well as leading the England men’s national team to three international tournaments.

Clarke Carlisle

Clarke Carlisle is an English former professional footballer who has played with many clubs including Queen’s Park Rangers and Leeds United. He is an ambassador for Kick It Out - football’s equality and inclusion organisation, and was chairman of the Professional Footballers’ Association. He has provided football commentary and analysis for the BBC, ITV and Sky Sports amongst other broadcasters.

Dan Jones

Dan Jones leads Deloitte’s work in sport around the world. He manages activities of the group across all services. Dan advises high profile clients including clubs, leagues, governing bodies, governments, agencies, investors and commercial partners on issues including strategic, commercial, financial, regulatory, organisational and structural matters. He is a regular speaker and expert commentator on sports business and edits Deloitte’s Annual Review of Football Finance and the Football Money League.

Denise Barrett-Baxendale

Prof Denise Barrett-Baxendale, MBE, is a Director at Everton Football Club, Chief Executive Officer of Everton Football Club and Executive Chair of the Club’s official charity, Everton in the Community. Denise has served as a Board member to Sport England the only representative from the world of football appointed to the Board of the national body for grassroots sports.

Danny Finkelstein

Daniel Finkelstein writes a weekly political column for The Times. Before joining the paper in 2001, he was adviser to both the Prime Minister John Major and the Conservative leader William Hague. Daniel was appointed to the House of Lords in 2013. He has been a match attending football fan for 50 years and for almost two decades wrote a column on football for The Times.

David Mahoney

David is currently Chief Operating Officer at the England and Wales Cricket Board (ECB). Prior to this, he oversaw the strategy, insights, HR, integrity and public policy teams as ECB’s Chief Strategy Officer.

Before joining ECB, David held a number of senior roles at Ofcom, the UK communications regulator, including director of policy and chief advisor to its CEO.

Godric Smith

Godric Smith is a board member at Cambridge United FC and a founding member of Cambridge Fans United, started his career in mental health campaigning in1980s before spending 15 years in government communications, including 10 years in Downing Street.

James Tedford

James Tedford was the former Secretary at Southport FC. He has an extensive knowledge of the football landscape and held a senior management position at Scottish Women’s Champions, Glasgow City FC where he led on match organisation for the UEFA Women’s Champions League.

Dawn Airey

Dawn Airey is currently Chair of the FA Women’s Super League and FA Women’s championship and is a non-executive member of the boards of Getty Images, Grosvenor Estates and Blackbird, having formerly led Channel 5. She is also chair of the National Youth Theatre and the Digital Theatre.


Assista o vídeo: Momentos memoráveis do futebol (Pode 2022).